Povo deprimido?

Vão desculpar-me todos os que costumam ler este blog, mas este é um post de alguém que anda deprimida, profundamente deprimida...

Até há bem pouco tempo, tinha como leitura assídua a crónica da Fernanda Câncio, hã? Não sabem quem seja a senhora? Pelo amor de deus, então sabem quem é uma desconhecida qualquer que se declarou virgem aos sete ventos sem ter produzido mais nada de proveitoso que se soubesse e não conhecem a Fernanda Câncio?
Bom, então passo a apresentar - a Fernanda Câncio é uma excelente jornalista, sempre a li pela acutilância da palavra que longe de ser fácil, me pareceu sempre perspicaz, inteligente e irónica o quanto baste...
Ah! É verdade, ela é também considerada a namorada de José Sócrates, o que não lhe tem garantido nada de muito bom e agora ainda menos, desde que o senhor tem assassinado moral e politicamente todos quantos se associam a ele...

Apesar disso e de automaticamente a associarem negativamente àquele que é o Primeiro- -Ministro do País, não estava à espera que a senhora perdesse também qualidades, afinal, quem somos não depende de quem somos associados, ou depende?
Esta semana li a crónica da senhora, que não deixa de estar bem escrita, bem organizadinha, bem arrumadinha, tudo muito bem "gramatizado", por assim dizer, mas falta-lhe... a Fernanda, falta-lhe a paixão, a acutilância, a importância do tema até.
Dir-se-ia que a senhora, tal como milhões de portugueses por esse rectângulo fora, está com uma valente depressão... afinal, páginas mais tarde, depois da sua crónica, que leio eu?
Depressão infantil, é isso que leio, com todas as palavras, diagnósticos, causas e consequências do facto!
Bem, meus amigos, quando as crianças andam deprimidas, quando os problemas dos adultos ameaçam as futuras gerações e vislumbramos os futuros adultos como pessoas deprimidas, perpetuamente de baixa, então que será de nós?
Tal como a Fernanda, parecemos todos demasiado fracos, demasiado curvados perante a pretensa força de uma classe política que manobra e manipula... Talvez seja a hora de erguer a espinha e a cabeça e mostrar que somos mais que cordeirinhos, nem que à força de ansiolíticos pá!

6 comentarios:

Peter disse...

Nunca li as crónicas da senhora e, já agora, gostaria de saber onde as publica e em que dia.
Quanto ao facto de, como escreves, agora lhes "faltar paixão", é natural, deve-a ter transferido para outro lado.

ferreira-pinto disse...

O amor é cego!
E a Fernanda Câncio nunca se ergeu e desconfio que alguma vez se erga ao estatuto de GRANDE jornalista.
Aliás, em Portugal isso é coisa mais que escassa.

indomável disse...

Meu caro Peter, as crónicas que leio dela são na notícias Magazine e sai ao Domingo.

Caro Quintino, eu gosto ou gostava da escrita dela, por ser, como escrevi, acutilante, de bisturi, não sei se seria uma grande jornalista, mas como cronista gostava de a ler. Os temas eram interessantes q.b. e a fluência da palavra apelava ao meu palato, por isso a lia com prazer.
Talvez não a colocasse ao nível de outros cronistas ou jornalistas da praça, mas também não me lembro agora de nenhum...

A paixão que lhe falta agora não me parece que tenha sido canalizada para outro lugar, parece-me é que, como diz o nosso querido Joshua, foi esmifrada dela, para não ser demasiado perspicaz - convém a senhora rebaixar-se, para que o Primeiro possa ter espaço para sobressair...

André Miguel disse...

Essa senhora escreve?!

Adoa disse...

Minha querida... Acho que apenas vou ler o teu texto amanhä. Hoje, francamente estou demasiado em baixo...

Pode ser que amanhä faca Sol!

Carol disse...

Deprimido?! Nã....