O país das oportunidades!

Estava eu sentada à beira mar, num belo fim de semana que ameaçava chuva torrencial, quando me recordei que estava no reino dos Algarves e no dito reino a chuva é sempre de pouca dura.
Pensamento puxa pensamento, que é como as palavras e as cerejas, e acabei por me recordar que vivemos no país das oportunidades em energias alternativas e porque raio é que nunca me teria antes lembrado de colocar uns painéis solares em casa?... Como nestas coisas parece sempre que uma qualquer coincidência nos faz ter pensamentos coincidentes com a publicidade, vai daí e ouço um spot de rádio acerca do apoio dado pelos nossos bem amados governantes a quem decidir optar por colocar painéis solares em casa, bastando para isso ir a paineis solares.

Não é tarde nem é cedo - pensei eu - e toca de ir para casa e clicar no computador as ditas palavras mágicas. É claro que não encontrei nenhum site com a dita denominação, o mais perto que cheguei foi ao portal do governo e um documento onde se pode ler muita propaganda sobre o "apoio dado pelo governo na abertura de linhas de crédito em instituições que tratem de crédito, para os particulares que optem por essa energia alternativa".
Depois de algum tempo a googlar (desculpem lá o estrangeirismo, mas pareceu-me que teria de ser o mais honesta possível!) em busca do dito site apregoado na rádio, encontrei esta pérola: "Se [os portugueses] querem dar um bom contributo para, em primeiro lugar, reduzirem a sua factura energética e gastarem menos dinheiro com o aquecimento da água, se querem dar um contributo para o seu país, para haver mais emprego e mais dinamismo económico, por favor instalem painéis solares nas suas casas, aproveitem este programa do Governo"

Neste mesmo artigo, um professor da Universidade do Porto, declara que esta parceria do Governo é uma fraude...
Bom, bom, mas como? Onde? Porquê? Quem pode imaginar tal possibilidade?
O nosso Governo associado a fraude? Quem poderia imaginar depois da prológica e o Magalhães? Ou depois do Freeport?
E depois disto vão dizer o quê, que os nossos governantes se governam ao invés de nos governar a nós?

6 comentarios:

DANTE disse...

È uma questõa de ler nas entrelinhas...
Por exemplo , decerto que já viste os cartazes da ferreira Leite onde está escrito ' política de verdade' , na realidade o que querem dizer com aquilo é ' política? de verdade???'
No caso do Paulo portas 'não basta ter razão , é preciso ter votos' , claro está que depois de decifrado o 'código' a mensagem que se quer transmitir é 'não é preciso ter razão , basta ter votos'. E o mais famoso é o 'não andamos a brincar aos políticos' , onde a gráfica se esqueceu do ponto de interrogação no fim da frase. Erro de impressão , ou será impressão de que ali há um erro?
Enfim...é um mundo estranho este´, o político...
Ou então sou eu que ainda continuo com as minhas parvoíces... :D Já chega que tou a escrever que nem um maluco. ahahahah

Beijo :)

indomável disse...

AHAHAHAH!

Dante, tu és um manganão... Então com isso queres dizer que o governo anda a governar-se governando-nos ou a governar-se desgovernando-nos?
Eh pá, esta semântica anda mesmo destrambelhada!
É do caneco, é o que é, mas é porreiro, não é pá?

António de Almeida disse...

É uma fraude porque foi contratualizada por ajuste directo uma empresa da Póvoa de Varzim, Manuel Pinho em pessoa foi à cerimónia, para depois se chegar à conclusão que não eram paineis solares, mas simples bombas de calor. Para cúmulo a empresa perdeu a certificação energética na Alemanha. Porque não apostam os portugueses nas renováveis? A resposta é pelo preço, ainda é cara, e pouco temos a ganhar com o negócio, por um lado é certo que temos clima, mas por outro não produzimos aparelhos, teriamos de comprar os que existem, demasiado caros face ao petróleo.

indomável disse...

Mas ó Antonio, já existem empresas em portugal a produzir painéis solares, são é de facto de venda mais cara, porque talvez não tenha as matérias primas ao virar da esquina. Não sei, realmente não estou por dentro da matéria, mas já de longe eu me venho interessando pelo assunto para colocar lá em casa. O que se poupa a médio e longo prazo compensa bem a despesa inicial.
Para dizer a verdade, acho que em termos de energia ou em qualquer aspecto da vida tem que se ter controlo e equilíbrio. Só digo que ao contratar um contador bi-horário eu cortei para metade a minha factura da electricidade e tenho o cuidado de não ter electrodomésticos em stand-by, à excepção do frigorífico...
Agora, que o nosso governo anda a rir-se de nós na nossa cara, ai isso sem dúvida!

Ferreira-Pinto disse...

Grossa confusão por aqui vai, não?
O sistema dos ditos painéis solares, ao que parece. é tudo menos solar, mas agora falar em ajuste directo ... ajuste directo ao abrigo de quê? e com que normas de contratualização? e o Tribunal de Contas deu visto?

Aquilo, e é por aí que as coisas fedem, é mais um daqueles protocolos esquisitos em que teoricamente o Governo de forma directa não paga nada, mas acaba por nos meter a todos a pagar. Ora, eu se tenho de pagar sempre quero saber a quem é que pago o painel solar que o não é ... e depois, porque não, a conta de electricidade!

Quanto aos bi-horários, seria melhor que fosses ver o que os palermas da ERSE engendraram desta vez! Os gajos a pretexto de normalizar as relações entre quem tem bi-horário e não tem, puseram a tarifa mais cara fora do vazio.

Agora anda tudo a correr atrás dos paineis solares, porque é moda. Essa é que é a verdade. Qual consciência ambiental, qual caraças ... se a houvesse já há muito que seríamos exigentes com questões nada dispiciendas como as janelas lá de casa, as portas e as frestas ... os materiais isolantes ... e por aí fora. MAs não, há maior parte da parolada o que interessa é que agora está na moda ter casa em tal sítio ou acolá ... orientação solar? Que é isso?

Aliás, porque é que ninguém procura os telhados ajardinados, por exemplo?

indomável disse...

huuummm, ferreira-Pinto, meu amigo, mais uma vez na mouche!
Colocas questões muito pertinentes e interessantes, realmente.

Comecemos então pelo princípio:
O Governo tem pautado a sua política pela inovação científica, pela mudança e desenvolvimento tecnológico, apregoando aos sete ventos que temos de criar uma consciência ecológica e adoptar as energias renováveis como alternativa ás energias fósseis.
Sabes, eu até concordo com eles e a bem dizer, acho que esta vaga de querer painéis solares porque é moda, até tem razão de ser - onde já se viu português que se preze virar costas a um apoio governamental?
Acontece que eu gosto muito de me informar sobre o que estou a comprar antes de o comprar e cheirou-me a esturro não encontrar nenhum site tal como apregoado na rádio!

Depois, tudo o que dizes sobre métodos alternativos de poupança de energia já eu tinha resolvido quando construí a minha casa, porque sabes, é mais fácil decidir antes de fazer do que arranjar depois de feito. Não me parece que os senhores das construtoras estejam muito interessados nessas questões do virado para o sol para poupar energia, ou mesmo em vidros duplos e boa calafetação das janelas... É quase como pedir-lhes que façam um estudo de feng shui sobre o prédio que vão construir!

Sobre as tarifas bi-horárias, ainda bem que avisas, tenho de me informar. Mas sabes de uma coisa que sinto às vezes? Como as coisas são feitas, parece-me que tenho de pagar a alguém para estar por dentro destes assuntos, porque entre trabalho, filhos, casa e escola, o tempo não estica pá!