Com "O Cherne", Portugal está mais no cerne...

Depois de ver e ouvir a entrevista de Mário Crespo ao Presidente da Comissão Europeia - José Manuel Durão Barroso - cabe-me dizer duas coisas:

1ª - Só quando olhamos as questões de cima nos damos conta de quão pequeno Portugal é;
2ª - Fica bem claro onde quer chegar o Sr. "Engenheiro" com as políticas "pró-Europeias", como o TGV e o novo aeroporto às custas dos nossos tão flagelados bolsos...
Com que então há meios de co-financiamento por parte da UE?
Se calhar são os mesmos disponibilizados pela Segurança Social a uma associação de solidariedade social para a construção de um lar fundamental para a comunidade em que se inseriria, para logo de seguida a mesma Segurança Social exigir alterações ao projecto que significariam uma despesa superior ao apoio dado pela dita S.S... Hummm, nunca duas consoantes assim conjugadas me pareceram tão semelhantes a outras duas que conhecemos da História...

E pronto, espaço aberto aos vossos sempre tão certeiros, argutos e pungentes comentários.
Sou toda atenção, digam lá que palavras (nada de palavrões) vos cabe dizer depois de tão esclarecedora entrevista.

6 comentarios:

António de Almeida disse...

Uma festa de aniversário impediu-me de ver a entrevista a tão ilustre lusitano, que em tempos preferiu o "el dorado" de Bruxelas ao governo do rectângulo. Quanto aos investimentos públicos a minha oposição por falta de meios já vem de longe, defendo a baixa de impostos e diminuição do peso do Estado como motores de crescimento económico.

indomável disse...

pois António,

o excelso presidente da Comissão europeia fartou-se de gabar o projecto do TGV, que por sinal até foi iniciado por ele, garantindo que até existem apoios financeiros por parte da UE para os levar a cabo em cooperação com o Estado português... acontece também, que o intuito não é o de melhorar a vida dos portugueses em Portugal, o fim de tal obra seria o de unir a Europa do Atlântico a Vladivostok, o grande objectivo dos pais da CEE...
Dizia então JMD Barroso que o projecto mantém o seu apoio incondicional, o que ele não avançou de todo, foi uma data para o levar a cabo e isto ele frisou bastas vezes, tantas que mais parecia que o senhor queria mesmo dizer que agora não é de todo o momento apropriado...

Mas Sócrates parece-me muito mais interessado em agradar à Europa que a Portugal... Quem sabe não lhe calha um dia o papel do cherne lá na comissão...

ferreira-pinto disse...

Não vi a entrevista. Ponto final, parágrafo.

Tenho alguma alergia ao estilo aparentemente displicente do Mário Crespo e quanto ao Presidente da Comissão Europeia pouco mais há que esperar dali.

O homem é pífio e timorato, preferiu fugir a enfrentar as responsabilidades que o povo lhe entregou (e ainda anda por aí o PSD à boca cheira a querer que o povo confie neles!), é, no mínimo, o padrasto ou sogro ou o raio que o parta do TGV (lembram-se? lembras-te, Manuela Ferreira Leite?) ...

Adoa disse...

Continuo a afirmar que o facto de näo ver televisäo Portuguesa, me faz bem melhor à saúde mental...

É muito fácil ver como é que o país está assim.

Näo há linhas rectas por aí... sempre que alguém tenta fazer algo "correcto" ou "bem", tem de aparecer sempre outra pessoa a "atrapalhar", até dentro das instituicöes que aprovam os projectos. Como é que nós vamos perceber o que realmente está direito ou torto? É a informacäo e a contra-informacäo a funcionar - tudo vale se for para aumentar o dinheirito que alguns metem aos bolsos, näo há dúvidas.

E ninguém se entende...

Carol disse...

Não vejo o programa do Mário Crespo. E recuso-me terminantemente a dar tempo de antena a gente cobardola , que foge às suas responsabilidades, como é o caso desse senhor Barroso!

Quanto ao facto de apoiar esse tipo de obra, não me surpreende. Pelo menos uma vez que seja coerente com as suas ideias, sejam elas boas ou más.

indomável disse...

pois eu vi o programa, apesar de não ter por hábito ver outros canais generalistas para lá do canal 2.
Vi porque entre ver uma telenovela de estória rebuscada e floreada, e um concurso que já está mais que visto, optei pelo Mário Crespo, que não me parece deixar-se ficar pelo ar autoritário de um qualquer politico que lhe levante a voz...
Vi porque queria saber afinal o que faria JMD Barroso sair lá da cidade das nuvens cinzentas, da sua tão querida e luxuosa Comissão europeia para vir dar uma entrevista a Portugal...
Fiquei-me pela dúvida, uma vez que o senhor não comentou nada que aparentasse assunto nacional e o que era europeu só aceitou comentar abertamente tudo o que se afastasse substancialmente da política nacional, o que aparentemente é tudo!

Convenhamos, eu quando me esforço até pareço normalzinha...