A guerra dos medicamentos!

Antes que alguma ave sinistra se lembre de vir dizer que os trabalhadores por conta de outrem também têm de reduzir aí em metade as suas férias, encontro-me no gozo de uns dias de descanso.
Mesmo por casa, nestes períodos normalmente desligo das coisas que por aí se passam e sei pouca coisa.
Mas sempre sei que vai por aí grossa guerra entre o Ministério da Saúde e as farmácias porque estas andam a trocar medicamentos de marca por genéricos.
Neste caso, não entendo algumas coisas…
Desde logo, qual o verdadeiro motivo que leva a que os farmacêuticos andem agora tão preocupados com as economias dos seus utentes e do País e insistam nos genéricos?
Se a poupança é da ordem do que para aí se apregoa, porque é que o Ministério tomou posição tão radical?
Qual o interesse dos médicos, sabendo-se que um genérico é, grosso modo, um medicamento de linha branca cujos princípios activos e profiláticos se assemelham, em prescreverem de marca?
Se eu fosse má-língua diria que uns é porque parece que uma associação do sector se lançou no ramo dos genéricos, outros porque é preciso quem pague viagens ao estrangeiro (para ir a congressos, claro está) e o Ministério porque … enfim!
Mas como não sou má-língua, admito que estejam mesmo todos a pensar em nós!

10 comentarios:

korrosiva disse...

Está a chegar o verão e era simpático que os donos das farmácias possam gozar de uns congressos na polinesia francesa! ;)

Boas férias! :)

Bastet Ailuros disse...

O que os move realmente pouco interessa.
Interessa é que paguemos menos pelos mesmos medicamentos.
Sim, porque o custo das viagens, congressos e jantaradas dos senhores doutores reflecte-se muito nos medicamentos de marca.

Os senhores farmacêuticos até podem ter interesse no assunto, mas o facto é que, nesta, estou com eles.

Já o Sr. bastonário da Ordem dos Médicos e a Sra Ministra não me convencem... de modo algu...

António de Almeida disse...

Obviamente que a questão é comercial, mas eu comercialmente discuto com o médico o medicamento que me é prescrito. Se não estiver satisfeito, mudo de médico. Já muito dificilmente tenho acesso ao farmacêutico, normalmente sou atendido por um funcionário, que pode estar apenas a cumprir ordens, no sentido de vender a marca A ou B, quiçá por maior margem de lucro na sua comercialização. Não permito que me sejam alterados medicamentos nas minhas receitas, dava logo direito a pedir o livro de reclamações, é uma questão de princípio, eu é que decido os assuntos que me dizem respeito. Claro está que a ANF pretende lançar a sua marca de genéricos, sabendo à partida que as farmácias têm os medicamentos de marca em stock, mas os genéricos não são obrigadas a ter a totalidade, estou já a ver o filme, sempre que possivel apenas teriam os comercializados pela ANF, os outros estariam sempre "esgotados". Vão mas é dar uma curva, ou como diria o outro, "o que tu queres, sei eu!"

Peter disse...

Se calhar é por seres má-língua...

Já que estás em férias podias aproveitar para ler o livro de John le Carré, "O fiel jardineiro", ou ver o DVD, embora seja preferível a leitura. Ficavas mais esclarecido, porque o "fenómeno" não é só português.

Do "reino dos Algarves", um abraço.

Carol disse...

Ui, e os médicos preocupam-se connosco que é uma coisa louca! Eu, por mim, sou absolutamente a favor dos genéricos e, sim, defendo que seja o utente a decidir o que quer.

manuel gouveia disse...

Um bom genérico e férias para quê?

Zé Povinho disse...

É tudo um jogo de interesses que nada têm a ver com os reais interesses dos doentes, só não há é coragem para dar a cara. Um destes dias ainda aparece um tipo metido a defensor dos fracos e oprimidos a dizer que nós andamos é a destruir empregos com as nossas críticas...
Boa Páscoa
Abraço do Zé

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

As comadres querem marcar o seu território.

pedro oliveira disse...

Pois meu caro, em tempo Pascal não podemos ser má língua....
Bom descanso junto dos seus
abraço

Compadre Alentejano disse...

Se, num hospital, nos receitam genéricos e nós recuperamos, porque é que não havemos de tomar genéricos em nossa casa? Será porque os médicos deixam de receber viagens e garrafões de vinho?
Boas Férias e Boa Páscoa a todos. Um abraço
Compadre Alentejano