Uma comissão dá sempre jeito!

Sabia que as escolas com elevadas taxas de insucesso, abandono, absentismo, indisciplina ou conflitualidade até têm denominação à altura?
É verdade, chamam-se Territórios Educativos de Intervenção Prioritária.
Coisa curiosa esta mania, mormente na Educação, de tudo ter siglas e nomes a boiar entre o rococó e o trágico.
Depois da senhora dona TLEBS, cujos efeitos perniciosos ainda estão por mensurar, temos o senhor TEIP.
O tal de TEIP tem um coordenador mas, ao lado, caminha um Observatório de Segurança Escolar, também ele com um coordenador e, presume-se, uns quantos quadros superiores, administrativos e afins.

Nos tempos dos bancos de faculdade tive um docente que asseverou que em Portugal, sempre que não se quer ter um assunto resolvido, cria-se uma comissão.
Na altura, a malta achou alguma graça ao dito e ficou por ali mas, duas décadas depois, concluo que o homem estava carregado de razão.
E assim, de comissão em comissão, coordenação em coordenação, observatório em observatório vamos andando todos contentes a fazer de conta que resolvemos sem resolver.
Imaginem agora se estes, tal como aqueles da misteriosa comissão ou lá que era daquele banco todo cristão, se amarfanhavam com 90.000€ por cada reunião em que pusessem os pés!

10 comentarios:

Peter disse...

Ontem houve para aí uma manifestãozeca de "pseudo-estudantes", em que os seus membros, para além de umas quantas reinvindicações justas, reclamavam a ABOLIÇÃO DOS EXAMES FINAIS.

Qualquer dia vêm exigir que os dispensem de assistir às aulas e que no fim do curso lhe enviem pelo correio o diploma para casa.

Isto é um país de loucos e eu vou é já deitar-me.

António de Almeida disse...

90.000 por reunião não direi, mas bem pagos para integrarem comissões com a finalidade de elaborar relatórios cujas conclusões serão apuradas no final da legislatura, que à partida sabemos que serão deitados para o lixo na próxima mesmo que o governo seja patrocionado pelo mesmo partido, pois o novo titular da pasta, ou até mesmo os secretários de Estado irão preferir deixar a sua própria marca no sector, e nada melhor que nomear uma nova comissão, que vá elaborando novos relatórios, e chegue a conclusões no prazo da legislatura...

Blondewithaphd disse...

Ó país ao que chegamos e chegámos! Eu que já não percebo nada de assuntos educativos cada vez percebo ainda menos (como se isso fosse possível!). enham de lá mais siglas, acrónimos e o raio que a malta entende tudo!

indomável disse...

Ó meu preclaro amigo, por quem é...

Então não se está mesmo a ver que para se ter as coisas bem feitas há que fazer estudos e estudos e mais estudos ad nauseam?

Não percebo onde quer o meu amigo chegar... Então em Portugal não se resolvem os assuntos? Mas o amigo tem estado atento?
Não vê que agora temos os assuntos todos resolvidos de uma golpada só? Então se temos os secretários de estado em peso a usar um portátil que é usado também por alunos do 1º ciclo, não tarda o país não precisa de Governo, e os assuntos estão todos resolvidos à partida, não há nada que resolver...
Ai meu santo, mas quanta falta de fé...

Daniela Major disse...

O mais giro, são por exemplo as contínuas que passaram disso a mesmo a auxíliares de acção educativa!

Compadre Alentejano disse...

Se Portugal não existisse, tinha que ser inventado.
Também sou da opinião que, quando não interessa resolver um assunto, cria-se uma comissão...
Pouca Vergonha!
Compadre Alentejano

AP disse...

E qualquer dia temos comissões a investigar comissões! Já faltou mais...

Joaninha disse...

Comissões nacionais, comissões especiais, comissões locais, comissões permanentes, temporarias enfim é uma festa!

Oié!

Beijos

Dalaila disse...

Portugal tem nome para tudo, e tem que enfiar rótulos às pessoas, não acho normal

Adoa disse...

Acho que devia ser criada uma comissäo para estudar o caso...

Mas acho que väo ser precisas as pessoas que estäo na comissäo do Freeport... Porque essas säo as melhores para fazer comissöes...