Começou a época incendiária

Será impressão minha ou o povo ainda agora chegou à Primavera? No meu calendário a folha actual diz Março mas devo estar equivocada. E, ó pá, que eu saiba, Março e Primavera significam orvalheiras de manhã, frio à noite, relvinha verde e fresca, pouco mato seco. Pois... mas também devo andar nas nuvens porque ao que consta ele é incêndios a começar às duas da manhã (???), ele é o Gerês a arder mais não sei quantas matas e, no final, mais parece estarmos em Agosto. Época de incêndios florestais em Março? Ó gaita, em Março os incendiários cadastrados ainda andam cá fora antes de recolherem à clausura estival! Ó deuses, se isto em Março está assim, como estará daqui a uns meses? Um deserto esturricado, na volta.

Eu cá não acho isto nada normal, mas, enfim, eu confesso que ando com excesso de trabalho, pouco sono dormido, muitos deadlines, stress em barda e, se calhar, deixei o calendário aberto na página de Março há tanto tempo que me esqueci que o tempo voa.
Amigos, viva o Verão!

7 comentarios:

António de Almeida disse...

-Nada de anormal, à semelhança de outros anos poderemos ter alguns dias mais quentes na Primavera, a par dum Verão mais ameno. Claro que a indústria do eco-alarmismo em breve estará aos berros, temendo que possamos esquecer as suas teorias cientificamente não provadas. Os incêndios devem ser entendidos como as cheias, falta limpeza nas matas, ordenamento florestal, a partir daí o perigo é real, mas já sabemos que plantar rotundas e lombas nas estradas rendem mais votos...

Joaninha disse...

Olha também estava convencida que estavamos em Março...

Estranho...

beijos

Dalaila disse...

tem sido demais, a continuar assim, chegamos ao verão sem incêndios... já está tudo queimado....

Ferreira-Pinto disse...

Eu cá continuo sem perceber como é que o calor pode explicar um incêndio que pega às duas da madrugada de uma noite de Março no Parque Nacional da Peneda Gerês ... mas como ando meio lerdo das ideias, já estou por tudo!

indomável disse...

pois é, blondinha,

às duas da manhã, numa zona do país onde é difícil entrar a luz do sol até no seu pino pela mata cerrada que é é muito difícil de explicar quando a vontade política de o fazer é o que é...

E depois temos corporações de bombeiros que também não querem explicar aquilo que é mais do que explicável.

Dou-te um exemplo: há coisa de quatro anos houve um incêndio que alastrou até às traseiras da minha casa. Horas antes do incêndio, ouvi, estranhamente, uma avioneta cruzar o céu por cima do meu telhado. Estranhamente porque uma avioneta tão longe da praia era coisa inaudita e ainda mais quando cruzando para cá e para lá tantas vezes, sem explicação.
Aquele foi o ano em que se começou a falar tão insistentemente no reforço dos meios aéreos e o estado teve de recorrer a privados para fazerem o combate aéreo...

Seria muito dificil de explicar que os interesses estão por detrás de todos estes incêndios?
Acho que a dificuldade está mesmo é em determinar até que ponto esses interesses estão infiltrados...

E sim, a mim também me pareceu que estávamos em Março...

Carol disse...

Alterações climatéricas, laxismo dos proprietários dos terrenos, inoperância das corporações de bombeiros, interesses imobiliários, incendiários que sabem que não lhes acontece nada... Ó, Blondie, podemos explicar o inexplicável de tantas maneiras...

manuel gouveia disse...

Num país onde a saque, é natural que as populações lhe lancem fogo!

Depois as ovelhinhas e as cabrinhas agradecem e eu também que gosto muito do quijinho que daí resulta.