Quanto pior, melhor?

Mas esta gente é estúpida ou quê?
Como é possível que uma cambada de anormais ande para aí a esfregar as mãos de contentamento com a discrepância nos vários indicadores económicos?
Será que alguém me explica qual é o gozo em admitir a possibilidade do desemprego não ser de 8,5% mas sim de 8,9%, por exemplo, e ficar satisfeito?

O Governo aponta um crescimento negativo do Produto Interno Bruto de -0,8% , mas quando a Comissão Europeia diz -1,6% e o Economist 2% ficam todos contentes. Alguns até se babam …
Se o défice for para os 4,6% ou 4,5%, terão um orgasmo pela certa!
E devem rezar para que o 1% de inflação prevista pela Comissão Europeia seja mentira. Só pode!

É óptimo que cada um de nós possa ser lá do partido que queira, não ser de nenhum até. E é excelente que se possa votar consoante a vontade do momento ou, como alguns que conheço, sempre nos mesmos nem que o candidato seja um burro (e cuidado que eu tenho enorme respeito pelo animal)!
Agora, o que não me entra, mas tal certamente é por eu ser lerdo das ideias, é que alguns, obcecados e cegos, rejubilem com a perspectiva que tudo seja ainda pior só porque, no momento, quem está no poder não é da sua laia!

Alguns, e bem os topo, são lambões que perderam as mordomias e agora parecem carpideiras mas, quando se apanharem lá, mandam os restantes ir para o Parque Eduardo VII apanhar no dito …
Outros aspiram a um dia terem um lugarzito qualquer …
Finalmente, outros acreditam mesmo naquilo!
E nós a vê-los a lentamente, como os caracóis ao sol, porem os chifres de fora, a mostrarem o que andaram a encobrir durante este tempo todo e a revelarem as suas fauces verdadeiras. Pessoalmente, sempre preferi um traste assumido a um estupor dissimulado.
Disse.

20 comentarios:

korrosiva disse...

Senão tivermos capacidade critica que vá além das nossas preferencias partidárias de pouco ou nada serve o direito ao voto!

salvoconduto disse...

Essa do Parque Eduardo VII, eh eh eh!

DANTE disse...

Subscrevo o que disse a Korrosiva.
È realmente uma anormalidade de todo o tamanho bater palmas ao facto do país estar pior do que o que nos dizem na realidade.
Mais anormal ainda é apoiar esse facto numa cor partidária.
Ao invés de se proporem soluções tecem-se críticas e arregaçam-se mangas na avidez de pôr a mão no tacho.
Têm-se gozo em destruir quando o que se pede e se precisa é construir.
È pena , mas a resposta á pergunta de abertura deste post é de certeza um 'parece que sim'.

Um abraço Ferreira

tagarelas-miamendes disse...

Ferreira Pinto- Na Politica ou no futebol o que os carneirinhos querem sao razoes para marrar. O importante e' pertencer a um grupo- Benfica, Porto, PS,PSD...- assegurar a sua identidade e depois.... Depois e' o Coliseu romano... Polegar para cima ou para baixo.

AP disse...

Subscrevo inteiramente o post e os comentários.
Já dizia Fernando Pessoa que somos um país de provincianos. Obtusos, pacóvios e labregos que não conseguem ver mais além da sua rua!
Há honrosas excepções, é certo, que só servem para confirmar a regra.
Porque será que as pessoas insistem em ver o mundo a preto e branco e sem meias tonalidades?
Uma das poucas verdade que a Filosofia já provou é que não há uma verdade absoluta! Portanto todas as ideologias têm aspectos positivos e directrizes válidas. O que varia é o momento e a conjuntura que irá determinar o melhor modelo a aplicar.
Como em tudo na vida é preciso bom senso e equilíbrio. Coisas que há muitos anos não abundam por Portugal.

António de Almeida disse...

-Confesso alguma dificuldade em acompanhar o raciocínio do post, porque das duas uma, ou tem destinatário(s), ou dispara para o ar, então alguém pode ficar satisfeiro com o actual cenário económico? Mas não será justo exigirem silêncio, afinal Vítor Constâncio há muito que passou da validade, as suas previsões têm hoje menos credibilidade que as da Maya, prof. Bambo ou prof. Karamba, e deveremos permanecer calados, apenas porque sua exa. o governandor do BdP desempenhou um mero papel de tarefeiro ao serviço do Ministro das Finanças? Também será justo pedir que fiquemos calados quando alguém apresenta um O.E. que qualquer aluno do 9º ano sabe à partida ser irrealizável? Ou que pactuemos com as incompetências de Mário Lino no "dossier Airbus", por sinal denunciadas por um deputado socialista, que pediu e bem a José Sócrates que assumisse himself os dossiers NAL e TGV? De passagem diga-se que todos os investimentos públicos anteriores em infraestruturas, pelo menos desde 1985 (12 anos de PSD + 11 anos de PS no governo) tenham resultado em derrapagens financeiras, não serão motivo suficiente para nos fazer temer pelos faraónicos projectos que se avisinham? Ninguém no seu perfeito juízo fica satisfeito com a crise, mas deveriamos permanecer calados quando Manuel Pinho decretou o fim da crise? Seria patriótico que José Sócrates estivesse calado em 2004, perante as trapalhadas do governo da altura? Não me parece!

pedro oliveira disse...

O problema é que os desalinhados ou os não carneiros depois são mal tratados até pelos seus companheiros.Infelizmente sei bem do que falo.
Boa malha Ferreira-pinto!

PO
vilaforte

Blondewithaphd disse...

E claro que, para ajudar à festa, tinhas de decorar a coisa com o "Triunfo dos Porcos"!!! Que mau Quinn!!! Estás mesmo bera de todo, homem!

joshua disse...

Eu gostava muito de compreender por que motivo os apioantes mais desesperados do PS e de esta legislatura vêm agora com simplismos inadmissíveis, dizendo que há, neste país, quem babe de prazer pelo facto de os números da economia avançados pelo Governo e pelas instituições que controla ou que lhe servem de guarda-chuva não terem credibilidade por serem manipulados para baixo ao passo que os números das instituições isentas da Europa são francamente apontados para cima: mais défice, mais desemprego, menos crescimento do PIB. O que está em causa não é babar pelo quanto pior, melhor. Está em causa a percepção de que os governos PS/PSD, sobretudo e especialente o governo Sócrates porque levou ao limite do dispendioso e do malignamente perfeccionista o governar para a fotografia e a ilusão e a banha da cobra, não são sérios por sistema, nem fiáveis, nem dignos de confiança. No Parlamento, é fugindo às perguntas, é negando à primeira, mas assumindo depois, medidas inteligentes que outros partidos gizaram em bom tempo, agora que a crise aperta, que o Governo Sócrates finge governa. Iniciativa zero. Fingimento? A mil %. É na verdade dizendo mal do PCP, do BE e do PP que o Governo finge que governa. Um dos maiores milagres da legislatura é, por exemplo, a reconversão de Mário Crespo, graças a uma promessa qualquer, quiçá de uma Washington nova como correspondente obamamente babante, num fervoroso apoiante de um fiasco e de um flop, de uma máfia lesiva de Portugal: Sócrates e o seu governo de ridículos agentes básicos de segunda linha e terceira categoria. Esta trupe de perigosos amantes do Poder a todo o transe alojam-se no PS perigosíssimo de Sócrates, um berlusconi sui generis, que detém os Media, o poder judicial no bolso mais pequenino do Armani. Quem vem meter nojo, mentir, manipular os factos, deve estar desesperado por que se reedite um governo imcompetente e mentiroso, um que se farta de argentinizar os números reais da economia, um que rebentou com toda a credibilidade que deveria conservar e ampliar. Mas enfim, não faltam peões a fazer o seu papel dentro de um amplo jogo sujo de manipulação do primarismo mais concordante dos respectivos comentadores domesticados. Espero que o PSD e o PS obtenham uma derrota retumbante nas próximas legislativas e que os pequenos peões que lhes fazem o jogo nas diversas localidades não se vejam com os tachos por que vão lutando, de jantar conspirativo em jantar conspirativo, onde se definem os lugares, os tachos, as vantagens futuras, se se trabalhar bem no terreno, a favor de uma mentira e de uma incompetência chamada Governo Sócrates, essa agremiação de asnos. À falta de um manguito que se veja a quantos se afadigam por fazerem dos seus argumentos peregrinos e tetraplégicos nós de marinheiro para trocarem os olhos de leigos, deixo as nádegas bem modeladas de uma jovem disso orgulhosa. Tomem. PS e PSD com maiorias absolutas ou relativas é que nunca mais. Prefiro o Caos só temido, mas impossível, meu amor, à choldra de mamões em que estes dois partidos se converteram.

lusitano disse...

Concordo com o teor do texto, mas também tenho de referir que já é tempo de dizerem a verdade ao povo.

Todas estas previsões, correcções, orçamentações e por aí fora, cheiram a esturro.

E o inefável Governador que nos vem dizer que em duas semanas se alterou drasticamente o panorama financeiro.

Sim, é precisa uma união de todos para sairmos da crise, mas não com quem ajudou à festa.

Abraço

Compadre Alentejano disse...

O que eu lamento é que o (des)governo não saiba fazer contas. Num dia, Sócrates vem dizer que o PIB vai baixar -0,8%, para logo a seguir, Bruxelas dizer que não, e que o número exacto é -1,6%. Mais tarde, todo lampeiro, aparece a Lili Constâncio a dizer que irá ficar entre -0,8 e -1,6%. Em que ficamos? Os nossos governantes ainda não aprenderam a fazer contas?
Quanto ao desemprego, a taxa irá se situar perto dos 10%.
Compadre Alentejano

Ferreira-Pinto disse...

JOSHUA começo por ti, desta feita ... tens azar ...
Então é assim ... a crise que nos bateu à porta, agravada pelos males endémicos da nossa sociedade e da nossa economia, somada à errância governativa deram em grossa asneira.
Estás satisfeito?

Mas agora, e porque parece que gostas de atazanar de vez em quando, vamos a umas perguntas, a umas constatações e a umas afirmações. Sem rede, sem teias, sem peias ...

Pode-se lá admitir, seja com o Governo Sócrates, com o Governo Barroso ou com o Governo da Grande Meretriz da Babilônia que haja filhos dessa mesma meretruza que esfreguem as mãos de contente só por pensarem que, como não são os nossos, que se fornique e quanto pior, melhor?

Pode?
Achas que sim?
Achas tu, porventura, que a prostituta mania de vermos as coisas a preto e branco ou a cor de rosa é a única forma de ver o mundo?

E escusas de vir convenientemente disfarçar que o que está em causa são os governos PS/PSD, pois a ti saiu-te um olho da órbita e só vês para um lado, neste momento.
Não me queiras fazer como os outros fazem aos rapazes do Eduardo VII, portanto e assume essa coisa.

Tens problema em quê?
Em dizeres que és do PSD?
Mas é vergonha seres do PSD ou simpatizares com a Manuela Ferreira Leite?
Vergonha seria, isso sim, que fosses um daqueles que dão para os dois lados ...

Quanto a resto, eu não sei se te meto nojo, mas certamente não estou desesperado porque já perdi as esperanças que seja pela via partidária que se mude seja o que for.
Se queres que te diga, estou-me borrifando que seja um PS maioritário ou minoritário a governar; e se for um PSD, não me vou deitar abaixo da ponte!

Também não sei que carvalho te foram dizer, mas não vejo qual seja o problema de um grupo de amigos que, sim, cometeram o supremo pecado de serem eleitos locais manterem o hábito de jantar, falarem da vida política local e dizerem, ali olhos nos olhos, mal uns dos outros e mandarem umas farpas!

E é verdade que estivemos à mesma mesa com uma pessoa que já foi várias coisas na política e continua a sê-lo!

Se quero um tacho?
Não sei o que pensas ser isso, por isso deixo ficar um "sabe-se lá" ...

Mas noto que, pelos vistos, a ti e a outros apoquenta-vos imenso que eu tenha sido adjunto dum presidente de Câmara e a ti só te falta dizer que nos anos que fui professor já era um agente deste Governo.

É aí que reside uma diferença entre nós, meu caro ... não tenho pejo, nem nojo em me sentar à mesa com quem quero, e assumo a meia costela socialista (nota que já é só meia) mas sempre procurei manter a minha independência de espírito.

Se isso significa ser peão? É provável. Mas mais vale peão toda a vida que a verticalidade, como dizas há dias, de gajos que fazem um estrondo dos diabos mas no pouco tempo que estiveram onde estiveram "mamaram"
10.000.000,00€.
Sabes o que isso é? Não?
Pois olha, este socialista afectivo ou filho da mãe dele, que deve ser o que pensarás de mim, também não!

Ferreira-Pinto disse...

KORROSIVA> e DANTE assino e subscrevo.
Espartana de palavras, mas no alvo.
Já o amigo é mais expansivo e sempre mordaz.

AP precisamente. Se as nossas filosofias, política e de vida, passassem além da rua e fossem para além da Taprobana, como dizia o Camões, quem sabe que Nação e País poderíamos ser!

PEDRO OLIVEIRA e eu não sei? Ainda em tempos não muito remotos, tive de ouvir da boca de um senhor deputado que "isto é assim, quem não concorda ou se cala, ou rua!".

BLONDE e não viste nada!

LUSITANO a crise é de tral magnitude que penso que teremos de pontualmente esquecer diferenças e juntar forças!

lusitano disse...

Ó meu caro

Totalmente de acordo, só que não com estes, que não acredito neles, e nem me parece com aqueles que se perfilam...

Como não sei, mas esta gente não me inspira a minima confiança.

E julgo mesmo que andam aos papéis sem saberem o que fazer.

Basta ver as prioridades!!!

Só se importarmos alguém!!!

Abraço

joshua disse...

Já o escrevi, não te é novidade: quero que o próximo Parlamento
esteja fracturado e com um PCP com 15 a 20%,
um BE com 10 a 15%; um PP com 10 a 15%.
E será absolutamente lindo que PS e PSD tenham 25% cada
para baixo. Era um cenário que talvez trouxesse mais humildade
e mais construtividade aos Executivos futuros,
um apertado escrutínio sobre quem nos anda a foder há décadas e como e porquê,
regras de transparência nos cargos, cortes nos luxos e nas mordomias
porque o exemplo não tem vindo de cima.

As maiorias absolutas FODEM tudo, mamam que se fartam
e tornam-se salazarinhentas, puta que as pariu.
Sócrates, esse asno, tem-me à perna por se providencializar
à conta da grunhice servil do Povo que gosta de apanhar no cu pelos políticos.
Já não mora em mim um PSD, caro Tim-Tino.

Ferreira-Pinto disse...

LUSITANO em jeito de esclarecimento, eu já nem penso na corja!
Referia-me mesmo a nós, aos tristes, aos desvalido, aos humildes e descamisados que, mais dia, menos dia teremos de nos unir todos numa força só, qual mola, e impulsionar isto (Portugal), e os outros nos seus países fazerem o mesmo, rumo a qualquer coisa nova!

Ferreira-Pinto disse...

JOSHUA meu ilustre amigo a quem, aqui e ali, mando umas reais bicadas ... eu compreendo o cerne do teu desejo mas já nem sei se será por aí; cresce em mim uma onda de cinismo que me faz descrer de tudo!

Escrutínio, sim senhor, mas por quem? E a quem? E em que moldes? E só sobre os políticos ou também sobre os camafeus que, na sociedade civil, nos roubam, ludibriam e estupram todos os dias?

joshua disse...

Também aos que se nos estupram e ludibriam todos os dias.

Acredito e espero em qualquer coisa de novo que emirja do mais nobre da cidadania portuguesa e europeia. Algo que se vê mas imperfeitamente na Islândia e que obrigará a mudanças de qualidade e quantidade nas chamadas democracias.

Já sabes, Tarantino, que estás sempre à vontade para terçar razões e argumentos quando quiseres e como quiseres. Os teus limites são os meus limites.

Daniel Santos disse...

Eu preferia que todos os números fossem positivos.
O que eu observo é que existem números conforme a posição onde se está. Eu da minha vejo números negros.

Adoa disse...

Para bom entendedor meia palavra basta!

Adorei o teu texto!

Até pareces arqueiro... Vês, analisas, atiras!