O atoleiro!

Assisto impotente ao triste espectáculo que todos os dias acontece neste nosso Portugal, seja pelas “noticias” dos jornais, seja pelas repetidas intervenções do Primeiro-Ministro a afirmar a sua inocência e a proclamar uma cabala contra ele, não se sabe de quem e porquê.

Afinal aquilo de que ele acusa os outros, ou seja insinuações sobre a sua pessoa, faz ele também sobre os jornalistas e os outros políticos, ao dizer que há uma cabala contra ele, sem quaisquer provas do que afirma.

Até pode ser inocente (porque não?), mas a verdade é que sucedem-se as “inverdades” (ou serão mesmo mentiras) que teimam em perseguir o Primeiro Ministro.
Veja-se o recente caso do relatório, dito da OCDE.

Para mim, se dantes lhe podia dar o benefício da dúvida como político, esgotou-se o pouco capital que tinha como homem que eu possa aceitar para chefiar o Governo de Portugal.
Chega de intervenções e declarações ao País.
Começa a fazer-me lembrar a história do menino e o lobo.
Tantas vezes grita a mesma coisa, que quando for importante ouvi-lo, já ninguém lhe liga.
Apetece gritar como a criança da história: "O rei vai nu!"

Se Luís de Camões vivesse agora neste tempo, provavelmente os Lusíadas começariam assim:
"As armas e os barões já desbotados
Que da ocidental praia «lusídia»
Por mares já por tantos navegados
Nem chegaram a passar da Trafaria."

O atoleiro em que Portugal se meteu, em que todos o metemos, parece não ter fim!

8 comentarios:

Ferreira-Pinto disse...

Tenho de confessar que a minha desilusão ante José Sócrates não atingiu o "nirvana" pelo simples facto de sempre ter alertado aqui, e quem me lê sabe que assim é, que não devemos exigir aos políticos aquilo que no seio da nossa sociedade não se pratica.

Serve isto para dizer que sendo qualquer político um filho do povo (uns mais que outros, é certo), formado e educado na massa do povo e dos valores da pretensa modernidade será de espantar, isso sim, que seja visceralmente honesto, competente, impoluto e com sentido de Estado!

E depois temos sempre que considerar os factores pessoais, as amizades, o compadrio e o caciquismo. Nem Cavaco Silva, tido por modelo de referência, conseguiu, por exemplo, impedir o compadrio e o amiguismo dos seus correlegionários!
Ele era e penso que ainda seja honesto, medianamente competente (se fosse mais tinha apostado mais noutros sectores) e impoluto, mas dali para baixo era um vê se te avias, especialmente no último mandato!

Ora, o nosso Primeiro-Ministro sempre foi moço, nado e criado, nos meandros da política, sempre andou muito com o Armando Vara (essa referência da democracia a que temos direito) e acaba por se deixar enredar assim numas coisas meias esquisitas!

Quando o PSD de Santana Lopes veio a lume com a história da sua homossexualidade, achei a coisa escabrosa embora conheça quem tivesse achado imensa graça às estupidezes ditas por Ana Manso e afins!
Nunca mais o homem se livrou do rótulo, mas nunca ninguém pensou sequer que ele é pai e os filhos não merecem ver um pai assim enxovalhado.
E também nunca vi ninguém dizer que Santana Lopes é, em bom português, um "putanheiro"!

Seguiu-se a coisada da licenciatura que, sendo menor, já deu para entender que o homem tem tendência para meter os pés pelas mãos.

Na do "Freeport" - quem em 2005 ameaçava escandaleira, depois adormeceu durante 2006, 2007, 2008 para agora emergir qual submarino -voltamos ao mesmo.
Ele explica e há quem complique ... não fica bem na fotografia? Não fica.
Anda aí muita poeira no ar? Anda.
No meio disto tudo, entrecruzam-se interesses incionfessáveis? Entrecruzam.

Pessoalmente, se fosse Sócrates e estivesse com a folha limpa fazia o mesmo que ele, embora a vontade fosse a de ir embora!
Mas tenho receio que o homem só esteja agarrado a qualquer coisa por teimosia e temo que ainda vamos ver um qualquer rabo de palha. E por pequeno que seja, não lhe ficará bem!

lusitano disse...

Caro Ferreira Pinto

Quero apenas dizer que o meu texto não quer assacar todo o atoleiro a José Sócrates.

Ele é mais uma pedra na "cosntrução" do atoleiro.

O atoleiro há muito que vem ganhando tamanho e espaço na sociedade portuguesa.

Abraço

António de Almeida disse...

A teoria da cabala não colhe, faz lembrar a velha luta entre o bem e o mal. Parece-me um erro de estratégia, quanto ao resto o melhor é aguardar.

Compadre Alentejano disse...

As trapalhadas e as coincidências são tantas que dá para pensar se o povo português não merece um outro primeiro-ministro!
Por muito menos, Jorge Sampaio demitiu Santana Lopes...
Compadre Alentejano

C Valente disse...

Já me doi os ouvidos de tranto palavreadoe mas onde á fumo á fogo
saudações amigas

Ferreira-Pinto disse...

Meu caro LUSITANO o texto mesmo que não seja de destinatário único, tens de convir que pelos dias de hoje é o mais falado e sempre presente!

E eu, dadas as minhas simpatias (em serviço mínimo), só tinha mesmo de confessar este amargo de boca!

AP disse...

Não se preocupe, tudo tem um fim.
O problema é que parece que não caminhamos para um feliz...

Adoa disse...

Cada vez que leio as notícias, dá-me nojo! Parece sempre tudo pior. Parece que o buraco näo tem fim e se abre cada vez mais para enterrar a todos...