Mas não, hoje não vou escrever sobre política!

Leio um texto aqui, (um espaço que aconselho), e apetece-me desancar na política, nos políticos e até nos eleitores, nos quais me incluo, claro, embora neste caso concreto sem grandes culpas, porque não foi o meu voto que lá pôs estes, embora já tenha posto outros que cabem no mesmo saco.
Mas não, hoje não vou escrever sobre política!

Claro, apetecia-me perguntar como é possível enganar tanta gente, (a maioria dos portugueses), durante tanto tempo?
Mas não, hoje não vou escrever sobre política!
Claro, apetecia-me perguntar porque é que cada vez há alguns portugueses mais ricos e outros portugueses mais pobres?
Mas não, hoje não vou escrever sobre política!

Claro, apetecia-me perguntar se os portugueses gostam de pagar impostos mais do que os outros europeus, ou se é mesmo, inércia ou masoquismo, o facto de as sondagens continuarem a dar a vitória nas eleições a este governo?
Mas não, hoje não vou escrever sobre política!
Claro, apetecia-me perguntar se só a mim é que ocorre pensar que o governo estará a tomar conta da banca, quando coloca um homem seu no BCP, controla a CGD e agora também o BPN e o BPP?
Mas não, hoje não vou escrever sobre política!

Claro, apetecia-me perguntar se os estudantes hoje em dia sabem mais e estão melhor preparados para a vida?
Mas não, hoje não vou escrever sobre política!
Claro, apetecia-me perguntar se a ministra de quem se fala é incompetente ou apenas teimosa?
Mas não, hoje não vou escrever sobre política!

Claro, apetecia-me perguntar quem é que daqui a uns anos vai pagar a manutenção das inúmeras auto-estradas, TGVs, aeroportos, pontes sobre o Tejo e sobre o Douro?
Mas não, hoje não vou escrever sobre política!
Claro, apetecia-me perguntar porque é que há cada vez portugueses mais velhos e cada vez menos portugueses a nascer?
Mas não, hoje não vou escrever sobre política!

Claro, apetecia-me perguntar se a arrogância já vai tão longe, que num tempo de crise e de necessária união de esforços, o governo e o seu partido se podem dar ao luxo de entrar numa guerra com o presidente da república?
Mas não, hoje não vou escrever sobre política!
Claro, apetecia-me perguntar se as sondagens que vão aparecendo não são “encomendadas” e já com os resultados “afinados” como convém?
Mas não, hoje não vou escrever sobre política!

Claro, apetecia-me perguntar onde estão os jornalistas isentos e imparciais da nossa comunicação social, que não denunciam este estado de coisas?
Mas não, hoje não vou escrever sobre política!
Claro, apetecia-me perguntar se só os políticos da oposição é que têm defeitos e são incompetentes, para a comunicação social?
Mas não, hoje não vou escrever sobre política!

Claro, apetecia-me perguntar se foram os telefonemas para os directores de jornais que levaram a este estado idílico entre governo e comunicação social?
Mas não, hoje não vou escrever sobre política!
Claro, apetecia-me perguntar onde estão os políticos da oposição e que ideias têm para mudar este estado da nação?
Mas não, hoje não vou escrever sobre política!

Claro, apetecia-me perguntar onde estão os portugueses de antanho que construíram este país à força do seu empenho e esforço, e que ainda há uns dias recordámos no 1 de Dezembro, até porque há muitas formas de dependência?
Mas não, hoje não vou escrever sobre política!
Claro, apetecia-me mandar isto tudo à merda, porque francamente não vejo nenhuma luz no fundo do tal túnel?
Mas não, hoje não vou escrever sobre política!
E “prontos”, fico contente comigo mesmo porque consegui escrever um texto sem falar de política!!!

Em jeito de lembrete, não se esqueçam que amanhã temos aqui a estreia do amigo PETER.

18 comentarios:

Ferreira-Pinto disse...

Tenho de admitir que até eu, aqui e ali, me ponho a cogitar sobre abordagens novas, novos temas ... enfim, um novo rumo!

Mas, tenho de confessar, tarde ou cedo o estupor do bicho vem bater à porta.

Aquilo é como um veneno que corrói as entranhas ... um grito mudo que ali está à espera de ser libertado e, nessa ocasião, liberto a bílis e escrevo sobre política mesmo que pareça que não. O que comigo é raro!

António de Almeida disse...

-Logo hoje resolveu não escrever sobre política, o que me impede de comentar sobre política, de contrário teria que afirmar que o BPN está a ganhar novos contornos, agora além de Dias Loureiro já aparece associado o nome de Jorge Coelho, a ministra da educação pretende manter este ano a avaliação simplex, estando já disposta a alterar o modelo do próximo ano, o que levou Mário Nogueira de volta à mesa da negociação, desconvocando para já as paralisações da próxima semana, a coisa resolve-se provavelmente caindo algum secretário de estado, temos ainda o braço de ferro quanto ao estatuto dos Açores, com Vital Moreira e Gomes Canotilho a darem razão ao P.R., ontem foi mais um rocambolesco episódio de falta dos deputados, em particular do PSD, muito haveria a escrever se o meu comentário fosse políticco, que não é porque o amigo não escreveu sobre política...

korrosiva disse...

Fiquei triste por não ter lido sobre política! ;)

Bom fim de semana

Peter disse...

Fico a pensar que texto seria se te decidisses a falar de política?

Do que li e embora o assunto já tivesse sido abordado pelo Ferreira Pinto, destaco um tema que me preocupa e intriga:

"Claro, apetecia-me perguntar se a arrogância já vai tão longe, que num tempo de crise e de NECESSÁRIA UNIÃO DE ESFORÇOS, o governo e o seu partido se podem dar ao luxo de entrar numa guerra com o presidente da república?"

Os indícios sucedem-se e apontam para um cenário de eleições antecipadas que só interessa a Sócrates, refiro-me à pessoa e não ao Partido:
- a análise de Santana Lopes, que ontem tive oportunidade de ouvir na TV;
- os recuos sucessivos da ministra da Educação, até chegar ao incrível "aguentem aí um tempinho que, para o próximo ano lectivo o sistema de avaliação será outro". Pois será porque Sócrates já se descartou dela. Aliás as últimas fotos da senhora mostram uma mulher abatida e resignada;
- o crescendo de António Costa que, lentamente e sem grandes alardes, vai somando prestígio.

Tudo isto e ainda a campanha do Magalhães, com distribuição dos PCs aos miúdos pelo primeiro ministro, para a fotografia e depois recolha dos mesmos para montar o cenário noutra escola. Incrível! Se não têm PCs em número suficiente e pelos vistos não têm, não os distribuam só para a fotografia!

P.S.-Obrigado pela "publicidade". Estás a criar-me responsabilidades para as quais não me sinto à altura.

joshua disse...

Meu caríssimo amigo Lusitano,

Em brevíssimos tópicos sintonizaste com grande acerto as questões mais preocupantes e estranhas que assolam a vida nacional como um todo e que só são políticas porque tudo é política, de Pólis e a organizada e ética vida dos homens nela.

Esta noite sonhei que um grupo de militares organizara um golpe de Estado, sequestrando o PM e o PR nos respectivos palácios, cansados com os abusos, as mentiras, as clientelas partidárias e os lóbis económicos cevados enquanto o povo colecciona desemprego, fome, apertos de toda a sorte, o grande crime dos Bancos e da sua usura malígna sobre incautos cidadãos, a divergência em todos os parâmetros com os 27 sobretudo nos últimos oito nos, a crueldade de políticas injustas, mal explicadas e profundamente imorais.

Sonhei que, com esse golpe espécie de 2.ª parte do 25 de Abril que ficou por operar [romper com o corporativismo e com a circulação corrupta no cerne do Estado], o Povo se lavava de esta mágua funda de se ver tiranizado com a seda enganosa de uma democracia apodrecida e enganosa, que o Povo se reencontrava na sua dgnidade em face da traição grossa e geral dos políticos do Bloco Obsceno Central ao longo de 34 anos, homens que passaram este tempo mais preocupados consigo mesmos que efectivamente com o bem-estar e o progresso geral.

Sonhei que em vez de um País vendido a Espanha pelos maçónicos imorais de algum PS internacionalista e venal, tínhamos o patriotismo, o orgulho, um Rei acima de corrupção e de amigos corruptos, uma Justiça além do poder do dinheiro, Justiça que tem tardado e tem esmagado só os fracos, só os pobres, só com estes célere e unívoca, o fim da mentira grossa que tem vigorado e, por actos, palavras e sondagens mal amanhadas luta por sobreviver e prosperar às nossas custas.

Abraço Amigo
joshua

Peter disse...

joshua

Desculpa intrometer-me na conversa mas o golpe de estado do teu sonho é apenas um sonho. Há um ditado: "só se lembram de St Bárbara quando fazem trovões".

Umas FA desprezadas e vilipendiadas pela maior parte da população e às quais o governo pretende equiparar a funcionários públicos, daqueles que têm horário de trabalho: aos sábados e domingos fechava a guerra e só se combatia das 9 às 12 e das 14 às 17h.
Não obrigado! Não seremos NÓS que iremos "tirar as castanhas do lume".

Compadre Alentejano disse...

Tudo é política. Até quando respiramos...
Quanto aos estudantes, a quantidade de saber não interessa, dado existirem as NOVAS OPORTUNIDADES ( lá está o raio da política), em que se transforma um semi-analfabeto, num engenheiro tipo Sócrates...
Um abraço
Compadre Alentejano

Ferreira-Pinto disse...

Ó amigo JOSHUA esses sonhos não serão fruto da leitura do "Técnica do Golpe de Estado" do Curzio Malaparte?

Eu, desde já, protesto quanto a esse golpe de Estado ... ou exijo um referendo ... então isto é assim? Impões aí a Monarquia, sem mais?

lusitano disse...

Joshua, meu amigo, é um sonho, apenas um sonho!

É preciso ter cuidado com os "golpes de estado" porque alguns que os fazem gostam de por lá ficar!!!

Apesar de tudo ainda julgo que alguns que passaram pelo poder ainda o fizeram com algum espírito de servir, mas foram poucos, muito poucos!

Agora não há dúvidas e é velho ditado: "Quando o mar bate na rocha quem se lixa é o mexilhão".

Abraço amigo

lusitano disse...

P.S.-Obrigado pela "publicidade". Estás a criar-me responsabilidades para as quais não me sinto à altura.

Amigo Peter

Com o meu acordo e apoio, foi o Ferreira Pinto que colocou aquela frase no final do texto.

"O seu a seu dono".

Mas sei que as expectativas serão ultrapassadas pela realidade.

Quanto ao segundo comentário totalmente de acordo, pois compete-nos a nós eleitores, correr com esta "gajada" e obrigarmos a uma renovação nos nossos politicos todos, pois os de agora, governo e oposição, são todos farinha do mesmo saco.

Abraço amigo.

lusitano disse...

Ó amigo Ferreira Pinto

Pois se constituição não permite a instauração da monarquia!!!

Nem por referendo!!!

Só se for pela forças das armas!!!

Que isto precisa de mudar, lá isso precisa e penso que nemhum de nós tem dúvidas disso, e isto, para não falar em política.

Abraço amigo

lusitano disse...

António Almeida

Ainda bem que o meu amigo não pôs política no seu comentário!!!

Abraço amigo

lusitano disse...

Korrosiva

Para a próxima prometo que falo de política, mas agora não deu!!!

Bom fim de semana.

Abraço amigo

lusitano disse...

Compadre Alentejano

Já me tentei inscrever nas "novas oportunidades" mas disseram-me que não, porque dou poucos erros!!!

Abraço amigo

Tiago R Cardoso disse...

tirando a recomendação à elite blogosférica, bicho onde não colocarei os pés (risco continuo), aprecie o escrito.

Também não vou falar de politica, apenas espero por belo jantar...

lusitano disse...

Que o jantar te saiba bem Tiago.

Quanto à elite blogosférica, não faço ideia o que é porque sou novato nestas coisas.

Limito-me a percorrer uns espaços e a ler o que lá vem.

De alguns gosto e não é de tudo, e outros já não volto lá mais.

Abraço amigo

Adoa disse...

Fogo... chega de política!...

lusitano disse...

Adoa

Politica?

Qual política?....

Abraço amigo