Tenham vergonha, senhores deputados!

Ontem, titulava o "Portugal Diário", a propósito da Assembleia da República " (...) menos de 50 deputados ouviram Cavaco. Dos 230 parlamentares, só 20 por cento estavam presentes 20 minutos depois de a sessão ter começado".

E prosseguia informando que "menos de 50 deputados estavam na Sala do Senado, no Parlamento, no início do debate sobre a mensagem do Presidente da República sobre a promulgação da mudança do regime jurídico do divórcio.


A sessão da passada quinta-feira, em que estava em debate o Orçamento do Estado de 2009, foi antecipada meia hora (dass 10:00 para as 09:30 horas) para, antes, poderem discutir-se as mensagens de Cavaco Silva sobre a Lei do Divórcio e o Estatuto Político-Administrativo dos Açores, vetado pelo Presidente.
Pelas 09:40 horas, estavam na sala 32 deputados e, quando o presidente da Assembleia da República, Jaime Gama, começou a ler a mensagem presidencial sobre o Regime Jurídico do Divórcio (às 09:50 horas), eram menos de 50 os parlamentares presentes.

A Assembleia da República tem 230 deputados!

As duas maiores bancadas, PS e PSD, eram aquelas que tinham maiores clareiras".

Uma notícia destas não precisava de qualquer comentário, a não serem uns palavrões alinhados, chamando nomes a estes gajos!
Isto é gozar com o povo que paga os ordenados a esta “malta”!

O Regulamento da Assembleia devia ter previsto uma diminuição de vencimento para aqueles que sistematicamente se atrasassem sem justificação, chegando mesmo à expulsão do Parlamento, ou melhor dizendo, para ser mais benigno, à perda de mandato.
Julgo que isso está previsto para o excesso de faltas, mas não para os atrasos “sistemáticos”, acho eu.

Esta gente, que não tem qualquer consideração por aqueles que neles votaram, tratam o serviço público como uma prostituta qualquer de que eles são os “chulos”.

Claro que se votássemos em cada deputado, ou seja em círculos uninominais, ou lá como é que isso se chama, outro “galo cantaria”, porque estes “políticos” saberiam que na próxima já não seriam eleitos.

Mas vêm assim, aos magotes, misturados nas listas dos partidos, a maior parte deles, muito provavelmente, como paga de algum “servicinho” ou como adiantamento para um “trabalhinho” a fazer!

E os partidos são igualmente culpados, porque deveriam ter regras internas que obrigassem os não cumpridores a darem lugar a outros, e se por acaso têm essas regras, então são cobardes porque não as fazerem valer.
Por isso mesmo e por outras razões é que há muito defendo uma diminuição drástica do número de deputados da Assembleia da República.

Já sei que me vão dizer que o rácio deputado/habitante é segundo dizem um dos mais baixos da Europa, mas isso para mim não é justificação a não ser chegar à conclusão que muito provavelmente os outros também estão errados.
Há deputados, sou capaz de apostar, que passam uma legislatura sem darem uma “ar da sua graça” no Parlamento.

Mas cheira-me que os partidos precisam de tantos lugares ... para poderem distribuir as suas benesses.
Continuando na senda do que aqui já foi tantas vezes escrito, acho que é tempo de dizer chega … vão gozar com o raio que os parta!
Neste momento não estou indignado, estou furioso e irritado!!!

14 comentarios:

Peter disse...

Então, então, é tudo para o nosso bem. Estes cérebros luminosos têm de descansar, pois as pilhas estão gastas.
Por "diminuição drástica", entendo "diminuição total". Certo?

Ferreira-Pinto disse...

Conheço, uns melhores que outros, quatro ilustres deputados da Nação: dois do PS, um do PSD e outro do PP.

Um dos eleitos do PS penson que ainda acabava o curso e já era secretário de um Governador Civil e homem de mão do mesmo em matéria de controlo das estruturas concelhias e locais da JS; saído do Governo Civil, o nosso homem lá arranjou ao protegido um lugar de deputado e meteu-o a presidente da Comissão Política Concelhia ... devo dizer que não conheço uma intervenção de fundo ou digna de jeito ao "marmanjo"!

O outro era funcionário da Distrital e para justificar aos militantes que se rebelavam contra a sua indicação como deputado até se asseverou que o tipo era militante da concelhia embora nunca ninguém o tivesse visto por lá, nem nos cadernos eleitorais.

O do PSD, bem esse ainda há tempos andava em bolandas com um processo judicial por umas contas por acertar com o Fisco; andou ligado ao futebol aqui da terra e encostou ao presidente da Câmara cá do sítio ... por relevantes serviços prestados na conquista do poder, lá lhe saiu o prémio de deputado; pasmem-se que até a Vice-Presidente da bancada parlamentar chegou ...

O do PP, ainda assim, é o que mais trabalha. Esgravatou o distrito palmo a palmo para arranjar lá os "caciques" que controlam o aparelho, ganhou a Distrital e avançou ... tem sido sempre eleito e, como disse, dos que conheço é o que mais trabalha. E manteve-se o mais simpático e cordial!

Agora, se quiserem, façam este exercício vezes não sei quantos e já vêem a "cambada" que se alimenta!

António de Almeida disse...

-Se vamos falar em rácio deputado por habitante apresento o parlamento israelita com 100 deputados e o congresso americano, mesmo somando ao senado... mas falou na velha Europa que é ligeiramente diferente. Também é certo que existem comissões parlamentares que ocupam deputados, poderiam ser menos é certo, mas depois teriamos mais funcionários contratados pelos deputados, que teriam de receber verbas para o efeito, o que iria resultar no mesmo. O problema é mesmo não existirem circulos uninominais, porque se cada deputado tivesse de disputar a sua eleição, tenho sérias dúvidas que um ex-presidente de câmara no Alentejo, onde tenho laços familiares e sei que foi apreciado enquanto autarca, o concelho vota sempre CDU nas legislativas e votava PSD nas autarquicas, mérito do personagem, mas repito, tenho sérias dúvidas que fosse eleito como foi, no círculo do Porto, onde ao que parece nunca ninguém o vê. Obviamente que os deputados do BE, PCP e CDS/PP trabalham mais, por integrarem grupos parlamentares mais pequenos estão sujeitos a maior escrutínio, mas a rotatividade que o BE impõe também é uma falta de respeito para com o eleitor, embora legal, PS e PSD sem imporem tal rotatividade dão-se ao luxo de apresentarem cabeças de lista que nem sequer chegam a ocupar o lugar. Está tudo errado, mas como é conveniente para um bloco central de interesses mais ou menos obscuros, ninguém está verdadeiramente interessado na mudança. Os aparelhos têm muita força, e quando os interesses dos boys socialistas e sociais democratas coincidem...

Peter disse...

ferreira-pinto

Afinal é tudo boa gente e por isso merecem que nós lhes proporcionemos um descanso de 4 anos.

DANTE disse...

Nestas olimpíadas , "de manhã" também "é bom é na caminha"...

Um abraço

Tiago R Cardoso disse...

gosto em particular daqueles que estão lá a ler o jornal, revelando um enorme espírito de interesse.

Eu não estou tão furioso, apenas decepcionado pela qualidade do parlamento que temos.

Carol disse...

Sem comentários...

Adoa disse...

Faz uns anos, estive no parlamento. Almocamos com alguns deputados (come-se bem lá...) e claro, tivemos a aportunidade de discutir alguns assuntos, um deles foi precisamente esse.
A resposta do deputado? Eles teem assuntos que estudar e e ficam em salas àparte. Segundo ele, estas salas têm um televisor com ligacao a tudo o que se passa no hemisfério. Por isso eles nao precisam de estar lá, apenas se deslocam para votar...

Mas se neste caso houve uma votacao e estavam apenas uns gatos pingados...

Compadre Alentejano disse...

Grande parte dos deputados nem chega a "botar" palavra em toda a legislatura, limitando-se a bater palmas,dar gritinhos histéricos de "muito bem" e votar, mas votar no que lhe mandam votar, senão...
Para mim, são dos maiores "chulos" que a sociedade portuguesa tem.
Abaixo a chulagem!!!

Patricia Lousinha disse...

Quando ouvi as notícias na TêÉseÉfe, a meio da manhã, não queria acreditar.
É uma autêntica vergonha, é o que é.

lusitano disse...

Adoa

Tenho visto desculpas cretinas, mas essa dos senhores deputados que têm uma televisão e enquanto trabalham estão atentos ao que se passa no hemiciclo, dá vontade de rir, se não fosse tão pobre, infeliz e a chamar-nos estúpidos!

Ou os gajos vêem televisão ou trabalham e para além do mais ninguém lhes paga para estarem a ver televisão pois com o que ganham podem muito bem, trabalhar mais um pouco depois das sessões par(a)lamentares.

Desculpa lá, mas não te riste na cara dos "senhores deputados"?

Vontade não te faltava com certeza!!!

Abraço

Adoa disse...

Lusitano
nao me ri mas podes crer que continuo a digerir essa e outras coisas que ouvi...

Aliás, tenho a certeza que a pessoa em questao disse isso para se justificar! Porque foi ele quem levantou o assunto.

André Couto disse...

Caro Lusitano,
não se esqueça de algo absolutamente incontornável. Estamos em Portugal a falar de políticos portugueses!
Idiotas somos todos nós que ainda esperamos que os senhores deputados se dignem a estar no seu local de trabalho, onde nos deveriam estar a representar, e onde para isso lhes pagamos! Em Portugal, nem pensar.
Como dizia o Guterres: "É a vida!"
E que rica vida têm eles...
Cumprimentos.

pedro oliveira disse...

toda a gente sabe que é normal a assinatura do livro de ponto nba AR e depois bazar dali para fora!nesta pouca vergonha não há ninguém virgem.É só perguntar a algum deputado como funcionam as coisas lá naquela pseudo-casa da democracia.
PO
vilaforte