PSD aposta na tripla ou na ditadura?!

Afinal, já se sabe qual a razão dos prolongados silêncios de Manuela Ferreira Leite. Melhor, não é a razão, antes a natureza. É o silêncio dos conspiradores.
E, tal como um bom conjurado, a líder do PSD, de vez em quando, manda umas graçolas para que o povo, depois do espanto, pense, lá com os seus botões, “nã, ela está só na reinação!”.

Já antes fora a historieta de em cada redacção haver lugar cativo para um diligente militante do PSD determinar o rigor e a objectividade em versão “laranja” das notícias.
Que só teria explicação em nome da isenção, imparcialidade e independência de jornais, televisões e rádios, pois está tudo infestado de perigosos socialistas e pelo vírus "Sócrates2009".

Depois, mas aqui a fazer lembrar aquelas bruxas más, com uma verruga na cara e tudo, escandalizou-se a Dra. Manuela com um aumento miserável do salário mínimo nacional. Irresponsável, disse ela!

Temos agora, e eu ouvi ali claramente ouvido, que a Dra. Manuela Ferreira Leite é acérrima defensora da teoria da “chuva no nabal, sol na eira”!
Nem mais …
Avaliação de professores?
Ora bem, quando “era o Dr. Luís Filipe Menezes eu, Manuela Ferreira Leite, até pedi encarecidamente ao Senhor Primeiro-Ministro que não recuasse, mas agora é outra loiça porque 120.000 professores … ora, isto vezes dois são 240.000, se estes influenciarem mais 2 isto são 480.000 … quer dizer, é muito voto!
E mais, garanto-vos, isto é um Governo autoritário, são os malefícios da maioria absoluta!”

Reformas? Justiça?
Bem, isso em democracia é muito difícil.
E não me lembrem que o PSD roeu a corda no pacto da Justiça, isso são águas passadas.
Às tantas, o melhor era meio ano de ditadura, reformava-se tudo e depois, prontos, já podia haver democracia.
Quer dizer, repunha a democracia se não fosse o PSD que estivesse no poleiro, acho eu, que ela não deve ser assim tola!

Estava eu a jantar e ouço aquilo … garanto-vos que não levei a coisa muito a sério pois, ao contrário doutros estouvados, não vejo que o PS esteja a ser mais tiranete que o PSD de Cavaco quando teve maiorias absolutas.
Para quem tem memória curta, releiam “O Independente” e logo verão.

Ou então, aquilo foi tudo fora do contexto como já alguns avançam, era com ironia, a brincar, a malta tem a mania de se meter com a senhora, e eu é que sou o burro ... ou então é o PSD que parece aqueles tipos que, antigamente, quando no Totobola calhava um Dínamo Ferreirev - Spartak Socratonov se punham ali a coçar a cabeça e ... olha, "bota aí uma tripla! Pode ser que acerte".

22 comentarios:

DANTE disse...

A mulher já devia de estar era re-re-reformada caro ferreira.
Tá pior que o Mário Soares no que toca a destreza mental.

Um abraço

David disse...

Aproveitando a "boleia" do comentário anterior acho que este regresso da Manuela Ferreira Leite (MFL) à vida política activa(?) é sinal de que não existe alternativa... nem à direita, nem à esquerda e nem mesmo dentro dos próprios partidos políticos... São sempre os mesmos... mais do mesmo, isto é, quando não se contradizem vezes sem conta. Esta teia partidária que envolve não só os partidos mas toda a sociedade acaba por limitar as escolhas dos eleitores... é a escolha do "mal menor"... e enquanto assim for não saímos do mesmo lugar... faz-me lembrar um cão a perseguir a sua própria cauda.

Mas mais assustador do que a falta de alternativa presente é a falta de alternativa futura...a nova "fornada" de políticos já vem de tal forma formatada que não prevejo nada de auspicioso para este nosso país. Num país onde a sociedade civil é pouco interventiva, onde os movimentos de cidadania que têm surgido destinam-se a alimentar o ego ou a garantir a subsistência de uns quantos, nunca, mas nunca iremos sair da cepa torta.

Andar de bandeirinha na mão, colar cartazes, lamber as botas de uns senhores todos poderosos para depois ir para o parlamento dizer "muito bem... muito bem" esse é que é o caminho....

o que me vier à real gana disse...

Boa noite, amigo Ferreira Pinto!

A drª manuela estava correcta no início: calada! Boca fechadinha, que desse modo asneira não sai. Com k então seis meses de interregno na Democracia!?... Seis meses de ditadura "para pôr as coisas na ordem"!?
Será demência?; total carência de habilidade?... Não sei; sei apenas k assim, eles, os outros, os k lá estão farão o k quiserem. Não há medos!...

Abraço!

pedro oliveira disse...

Sou dos descontentes com o PSD,quer a nível nacional,quer a nivel local, mas neste caso concreto penso que a senhora não quis dizer que queria a ditadura, ela quis demonstrar,mas não foi feliz, que esta maneira de fazer reformas contra classes profissionais sem os ouvir primeiro dá no que dá, guerra aberta, e os alunos e escolas sem funcionarem.O resto é para diversão dos politicos, basta ouvir a resposta do Senhor lider parlamentar do PS.
Po
Vilaforte

lusitano disse...

Já o disse e volto a dizer, que neste momento não há politico que me mereça o voto!

Posto isto, tenho para mim, que uma pessoa como Manuela Ferreira Leite, ou José Sócrates, ou outro qualquer politico destes já batidos, não diria as palavras que MFL disse, sem terem sentido diferente daquele que lhe atribuem.
MFL, pouco habituada a lidar com o humor, não foi capaz de utilizar a ironia com clareza, e por isso mesmo as suas palavras foram dúbias e logo mal interpretadas.
O que é fenómeno comum em Portugal e até noutros países.
De repente a comunicação social escolhe um politico, (nem sempre inocentemente e sem algumas pressões), e vá de o abater, escortinando tudo o que faz e diz, e interpretando sempre tudo pelo lado pior.
Recentemente Sara Palin não sabia que África era um continente, o que se veio a revelar falso, no entanto as parangonas nos jornais foram na primeira página.
Santana Lopes, (de quem não gosto como politico), foi um “saco de boxe” nas mãos dos jornalistas.
Se Sócrates, fosse Santana Lopes, com todas as histórias de licenciatura, telefonemas para jornais, etc, etc, já teria sido “abatido” há muito tempo irremediavelmente.
Quanto ao jeito da referida senhora para falar, é pouco, realmente, mas se nos lembrarmos, Cavaco Silva era bem pior ao principio, (não melhorou muito), e no entanto teve duas maiorias absolutas.
Eram outros tempos bem sei, mas não deixa de ser verdade o que afirmo.
Agora aqui só para nós, eu prefiro um/a politico/a que não tenha grande jeito para falar, mas que seja honesto, integro, empenhado na causa pública e saiba governar com firmeza, mas ouvindo os outros, do que aqueles que têm um belíssimo discurso, empolgante até, mas depois apenas se governam, para o poder e pelo poder.
Ah, esquecia-me, mas desses não me parece haver em Portugal!

Abraço

António de Almeida disse...

Julgo que o PSD deveria ponderar a substituição imediata de MFL, o melhor mesmo seria a sra perceber que não tem vida para ser líder partidária, os erros sucedem-se, nem quero pensar no que acontecerá em campanha. Como puderam escolher MFL em vez de PPC, credibilidade? Deixem-me rir!!! eh, eh, eh...

Ferreira-Pinto disse...

DE FACTO, PENSO QUE NÃO SE DEVE VALORIZAR EM EXCESSO AS DECLARAÇÕES, por ser demasiado óbvio o disparate que, aliás, é reconhecido pelo PSD

Mas o que Manuela Ferreira Leite disse, e passo a citar textualmente, foi:

"Eu não acredito em reformas, quando se está em democracia [pausa]. Quando não se está em democracia é outra conversa, eu digo como é que é e faz-se [pausa]. E até não sei se a certa altura não é bom haver seis meses sem democracia, mete-se tudo na ordem e depois então venha a democracia".

E ainda: "Agora, em democracia efectivamente não se pode hostilizar uma classe profissional para de seguida ter a opinião pública contra essa classe profissional e então depois entrar a reformar".

Conforme explica o “Diário de Notícias” de hoje, a oradora tinha feito antes uma longa exposição com várias críticas ao Governo, dando a entender, com um leve recurso à ironia, de que em democracia não se fazem reformas sem as classes socio-profissionais.

Mas para se ver que o próprio PSD tem consciência do desastre daquelas declarações, atente-se que é garantido que houve uma inédita e rara acção de “spining” para eduzir danos escolhendo como escudo a ironia várias vezes usada no discurso de ontem.

Mas o discurso teve outros pontos fortes para além deste e que são sintomáticos da matriz (real e verdadeira) em que Manuela Ferreira Leite se move.

"O que falhou nesta crise financeira foi um sistema de supervisão e controle que manifestamente não funcionou. Não foi a existência de mercado, nem de liberalismos", ou seja, o mercado de capitalismo selvagem (nomeadamente o dos amigos dela do PSD no BPN funciona bem, mesmo quando oculta transacções, mal está quem devia fiscalizar).

"Era necessário eliminar os custos do encerramento. Uma empresa que quer encerrar, encerra sem quaisquer custos adicionais"; confesso que não percebi … será que está a defender que um patrão daqueles à bruta fecha a empresa e faz um manguito aos trabalhadores? Pensará nas multinacionais que recebem milhões de incentivos, põem-se ao fresco quando lhes apetece e um tipo tem de ficar a rir-se?

Não entro sequer em polémicas entre liberalismos e visões mais ou menos intervencionistas, só gostava era que esta súcia falasse verdade e ao menos dissesse o que realmente pensa!

Entretanto, o sempre disponível Professor Marcelo já veio esclarecer que ”há que relativizar sobretudo em período eleitoral essas declarações no que têm de confusão entre democracia e ditadura. Pode é haver democracias com melhor ou pior qualidade e haver sacrifícios na qualidade da democracia” .

Lateralmente a este assunto, chamo ainda a atenção, pois também é tema recorrente especialmente nos comentários do JOSHUA, para o artigo de opinião assinado pelo director de informação da TSF na edição de hoje do "Jornal de Notícias" a propósito de polémica com o celebérrimo Mário Nogueira, da FENPROF.

Quem ler, pode ser que consiga começar a entender algumas das coisas que aqui se dizem ...

Carol disse...

Olha, uma tripla precisava ela num sítio que eu cá sei... Ela e muitos dos políticos que por aí andam!

indomável disse...

Quint (hoje não te consigo chamar Ferreira, mesmo com o Pinto a atenuar...)

A MFL é uma senhora de provecta idade, bem certo, mas não é parva de todo, é apenas muito infeliz nas palavras e pouco animal político, que isto de se falar em público tem o seu quê de viperino...

Acontece que a senhora deixou que a lingua lhe fugiu para a verdade e devem ser mais que muitos os que a empurram para fazer um trabalho que notavelmente a desgosta, como seja o de revelar as suas ideias, sendo que deve ter poucas e as que tem não são de bom gosto...

MFL é uma economista, não é política, nem sequer tem boas aptidões sociais, vendo que não tem qualquer capacidade para se manifestar em tom irónico, nem sequer sarcástico.

Todos adoramos ser bajulados por alguém risonho e de falinhas mansas. Todos sem excepção! Adoramos um bom animal de duas faces a prometer-nos o melhor dos mundos em apenas 4 anos, mesmo que seja para depois de os colocarmos onde querem, vermos que afinal a face lunar é que nos vai governar... (perdoem-me o apelo à canção do Rui Veloso).
Os políticos de hoje são exímios palradores com poucas ideias originais e pouco interesse pelos direitos do povo que são eleitos para governar, porque se esqueceram já daquilo que professava o J F Kennedy - não penses naquilo que o país pode fazer por ti, pensa no que podes fazer pelo país.

indomável disse...

Ah! Esqueci-me da ideia central. A MFL não é parva de todo, porque mesmo sem ser capaz de usar a ironia convenientemente, acabou por explicar o porquê de todos estes abalos sociais dos quais vamos padecendo. Afinal, o que o Sócrates e seu exército de ogres está a fazer, é colocar a nossa pobre e violentada democracia on hold até um período antes das eleições, para depois finalmente alargar o espartilho e deixar-nos respirar mesmo a tempo de irmos às urnas dar-lhe o voto certo para nos apertar um pouco mais!

Acho que talvez o x no totobola não seja assim tão mau. Bora lá votar em branco, pode ser que não ganhe ninguém e se feche o país por 6 meses...

André Couto disse...

Caríssimo Ferreira Pinto,
mesmo não dando muita importância às mais recentes declarações não podemos deixar de registar uma tendência: A Palinização de Manuela Ferreira Leite.
Não sei se devido à pressão que fazem para que a senhora diga alguma coisa mesmo quando acha que não tem nada para dizer, o certo é que ultimamente é "cada tiro, cada melro".
Lá diz o Povo:
Quem muito fala, pouco acerta.

Cumprimentos.

Zé Povinho disse...

Eu acho que os partidos em Portugal se esgotaram em si mesmos, e que se deviam dissolver, porque já não representam ninguém. Eu que voto em branco sucessivamente, já lá tinha chegado.
A MFL tentou marcar o terreno à direita de Sócrates, e esse é o do passado, bafiento e anacrónico. A direita é hoje do PS, autoritário e autista, com expoentes máximos em Sócrates, Santos Silva e na inefável ministra da Educação.
Democracia é outra coisa.
Enquanto lá andarem estes personagens não me peçam para votar em nenhum, porque não lhes encontro diferenças, e muito menos qualidades.
Abraço do Zé

mac disse...

Sobre este assunto, mais uma vez calham 5 estrelas para o Sócrates. É que enquanto se fala disto, não se fala do desemprego que não pára de aumentar, dos números contraditórios do crescimento económico ou do caldeirão, prestes a explodir, que se tornou a avaliação dos professores...
Cliquem em http://corta-fitas.blogs.sapo.pt/2614975.html...está por lá uma teoria muito interessante sobre este assunto.

Manuel Rocha disse...

Desculpa, FP, mas isto soa-me a fait-divers ! É perfeitamente especulativo que a senhora tenha tido a intenção de significar o que se pretende. Por estas e outras que tais é que prefiro discutir os conteúdos à forma em que nos são propostos. De outro modo perde-se demasiado tempo a cultivar o irrelevante e a cuscuvilhar quando se deveria estar a fazer politica.

Terei muito em ser teu rabujador noutras pegas que entendas fazer aos laranjinhas, mas nesta passo! Ou me aranjas touros à séria ( tipo Joshua ) ou nem me fardo!

;))

Adoa disse...

Lembras-te da sopa de pedra?

Isto sao os políticos a fazerem-nos mexer para comer uma sopa quando eles apenas colocam ilusao...

Nós levamos tudo mas no fim só eles comem...

Tiago R Cardoso disse...

uma pena que MFL não volte ao silencio que tanto fez questão de manter.

Compadre Alentejano disse...

A Drª Manuela sempre que vai a um almoço e tem de "botar" faladura, sai sempre asneira. Coitada, será do vinho?
Depois, toca vir o Marques Guedes explicar o que ela queria dizer...
É pena.
Compadre Alentejano

Blondewithaphd disse...

Bocês hohe num "baterem" mais na senhora que aquilo por aquelas bandas deve andar um calvário:)

Daniela Major disse...

Eu sempre achei que ela não devia falar muito!

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Muito boa a resenha que faz das contradições de MFL.
Pior, só mesmo terem virado o bico ao prego, tentando fazer passar a mensagem de que foi ironia. Uma ova!
Olhe, caro Ferreira-pinto, como digo lá no CR, esta fulana é a reencarnação do Salazar com os tintins ao peito!

osátiro disse...

Creio k lhe bateram demais.
É óbvio que ela não quer mesmo uma ditadura.
Mas acredito k haja muita malta a dizer-ela tem razão! e não me refiro só aos taxistas.
E alguns dos k choraram pela democracia seriam uns ditadores bem insuportáveis se tivessem o poder (tipo PCP;BE...).

Dalaila disse...

A mulher é um espectaculo, consegue por tudo contra, é contra as reformas e dpois em ditadura já as são possiveis, logo não percebo nada