Mas Eanes agora é santo ou quê?

Anda por aí uma campanha de incenso e mirra por Ramalho Eanes alegadamente ter recusado retroactivos de uma reforma a que teria direito como general de quatro estrelas.
Ainda segundo os cronistas, a cifra atingiria a generosa maquia de 1 milhão de euros.

Nessa leitura enviesada e devidamente conveniente a uma das partes, em 1984 o Governo, do qual Mário Soares era Primeiro-Ministro, aprovou uma norma legal que impedia que o vencimento de um Presidente da República fosse acumulado com quaisquer pensões de reforma ou de sobrevivência que aufiram do Estado.
Tal diploma legal foi promulgado por Ramalho Eanes, sem qualquer objecção.
Contudo, as carpideiras de serviço afirmam que a lei era “ad hominem” pois visava apenas o então inquilino de Belém como se ele lá fosse ficar "ad eternum".

Em 1986, como se sabe, Ramalho Eanes saiu de Belém e passou a receber 80% do vencimento como Presidente da República.
Em Junho de 2008 o Governo de José Sócrates, por pressões admitidas e nunca negadas de Cavaco Silva, e após recomendação do Provedor de Justiça, revogou aquele diploma legal permitindo-se agora que o visado tenha direito a acumular a pensão de 36 anos de militar com a subvenção de ex-Chefe de Estado.

Notem, por favor, que o que veio a lume não foi que a lei tivesse efeitos retroactivos, apenas que permitia a acumulação de pensões e mesmo assim os tais arautos da verdade logo vieram com a pia versão que Ramalho Eanes recusava … 1.000.000,00€!!!!
Depois, e num cotejo de comentadores profissionais e do palpite, quase que se alçou o visado à categoria de santo não se cuidando de saber se 80% do vencimento do inquilino de Belém é muito ou é pouco …

Para que saibam o vencimento do Presidente da República em 2008 está fixado em 7.415,29€; façam agora as contas e vejam quanto é 80%!
É muito?
É pouco?
Isso já é outra questão, bem diversa aliás.
E porque é que uns podem ter acumulação de pensões e subvenções e outros não?

Ramalho Eanes teve um papel de relevo no 25 de Novembro de 1975? Teve, mas outros também lá estiveram.
Ramalho Eanes foi Presidente da República Portuguesa e merece ser respeitado como tal? Foi e deve, mas também Mário Soares, Jorge Sampaio e Cavaco Silva foram e o merecem. E outros que os antecederam.

Mas, por exemplo, já alguém se esqueceu que Ramalho Eanes teve um projecto político pessoal chamado PRD que, digam o que disseram, visava apenas manter a sua influência na vida política nacional?
É assim tão diferente em quê?

20 comentarios:

Maria disse...

estou esclarecida. Obrigada. Porque o comentário que li foi do insuspeito (?) Miguel Sousa Tavares (acho que no Expresso).
Enfim, no melhor pano cai a nódoa.
Quanto à reforma do presidente da Republica, seja qual for o valor, acho que com essas podemos bem nós. Temos quantos presidentes reformados ? X que valor de reforma ?
Agora comparece-se com reformas milionárias dos administradores de empresas publicas ou quase, que muitas das vezes nem aqueceram o lugar. Eles são MUITOS mais com indemnizações (com muitos zeros) + reformas, por vezes superiores aos 7.000 euros

joshua disse...

Coitado, é um bom portista e deve estar arrependido do PRD. Abddicar ou lá o quê de tanta massa é mais nobre que muito perorar sobre isso. Amadureceu e deu um exemplo e um sinal DIFERENTES. Detesto o Almeida Santos precisamente por razões opostas.

PALAVROSSAVRVS REX

o que me vier à real gana disse...

Vale a pena vir aqui. Parabéns!

pedro oliveira disse...

ainda bem que continuo a não ler MST nem a vê-lo na tv.
PO
vilaforte

Carol disse...

Um país de anjinhos...

Ainda bem que me esclareceste quanto a este assunto.

lusitano disse...

"Quer-se dizer", o General Eanes renunciou a algo que era seu direito. E daí?

Pode isso significar que todos os outros que não renunciaram são "piores"?

Não me parece!

Se é um direito não há motivo, julgo eu, para a ele não aceder.

O problema é se o direito é correcto ou não, e sobretudo este acumular de "reformas", quando tantos não o podem fazer e quando tantos recebem reformas de miséria.

Já me "calaria" se ele tivesse renunciado a uma das reformas como "pedagogia" para os outros.

Ah, não tenho nada contra o Gen Eanes, mas a meu ver, às vezes "endeusam-se" atitudes que não passam disso mesmo atitudes que não vão até ao fim, ou seja, ele podia ter renunciado a uma das reformas e ter feito um comunicado dizendo que era contra essa acumulação num país onde há muitos com reformas de miséria.

Demagógico? Não me parece! Mas tinha então o impacto que deveria ter uma atitude destas.

Peter disse...

Motivos pessoais levam-me a não simpatizar muito com o senhor.
Tens razão, fala-se dos 260 mil euros de rectroactivos e esquece-se o PRD. Do antecedente conheci pessoalmente o tal Martinho em Cabinda e não fiquei freguês.
Ainda voltando aos rectroactivos, a mim não me os pagaram quando me fizeram justiça. Parece que a um deputado também em situação idêntica pagaram, mas eu não me queixo, apenas citei o caso "en passant".

Blondewithaphd disse...

Ai homem por onde te foste meter!
Sinceramente acho muito pouco o que ganha um Presidente da República. Não acho que devam existir pensões cumulativas. Acho sim é que se deva auferir uma única pensão com base nos rendimentos obtidos durante a vida activa.

António de Almeida disse...

-O Gen Ramalho Eanes é um homem integro de coluna vertebral, daqueles portugueses que já não se fabicam, enquanto P.R. nunca o apoiei, no 1º mandato era criança, no 2º adolescente, não votei, mas fiz campanha por Soares Carneiro. Contudo relevo o papel deste militar no 25 de Novembro, apesar de tudo, o PCP deve-lhe a ele, e a Melo Egídio a sobrevivência, pois não faltou na época quem os procurasse ilegalizar, mas Eanes nunca cedeu, nem à Direita quando esta o idolatrou, nem à esquerda, quando a Direita o diabolizou e hostilizou, manteve-se firme, neutro como lhe competia, o que lhe valeu a guerra pessoal com Mário Soares, que não possui a meu ver, qualquer autoridade moral comparavel ao general. Dito isto, ao recusar receber, esteve bem, se tivesse recebido e doado, não estaria pior, mas não teve a entação de se enredar em fundações, como tantos outros que por aí andam, sem que alguém lhes ligue.

DANTE disse...

Vou tentar explicar...é que neste país uns são filhos da mãe...e outros são filhos...da outra.
Simples né?
Fácil , barato , e como se pode constatar , dá milhões!

Um abraço

Manuel Rocha disse...

Não venho comentar o post, mas apenas cumprimentar o Notas pelo regresso a um formato que me é bastante mais simpático.

Continuação de boas "notas".

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Excelente apontamento para reavivar a memória dos portugueses, mas não só... também lembrar-lhes que muito mal anda um povo que avalia um político pelo seu eventual desapego aos bens materiais.

Dalaila disse...

Não fazia a mínima.... às vezes sinto que o melhor é mesmo irmos ao fundo das questões

Zé Povinho disse...

Ramalho Eanes não será um santo, disso estamos todos conscientes, nem um herói por ter recusado "mais" esta prebenda, mas o que não se pode negar que foi dos poucos que passaram pela política que o fizeram. Há gestos que se devem realçar, como exemplo, como também se devem denunciar outros pela indignidade que representam.
Abraço do Zé

Daniela Major disse...

Curiosamente, não desgosto de Ramalho Eanes, mas as vezes dá me para pensar que ao fim de um tempo acabam por ficar todos iguais.

Tiago R Cardoso disse...

Passei ao lado de uma enorme historia, 1 milhão, muito bom.

Sou menos "generoso" que Eanes, perdoaria ai meio milhão.

Compadre Alentejano disse...

O Mira Amaral recebe 18.000 euros pelos vinte e poucos meses que esteve à frente da CGD, independentemente de outras reformas e é presidente duma filial de banco angolano em Portugal...

Maria disse...

Compadre Alentejano disse... O Mira Amaral recebe 18.000 euros pelos vinte e poucos meses que esteve.
Esse era um dos que me ocorreu, quando comentei o Post. Mas, acho que é "SÓ" 15.000 euros, tadito ;)

João Castanhinha disse...

Quando se escreve sobre "projectos politicos pessoais" repticiamente se pensa em agenda oculta (e desculpe-me caro Ferreira-Pinto por assim o me fazer lembrar) coisa que em completo discordo, bastando para isso ver a aceitação que o partido teve quando sujeito a eleições, existia então esse espaço, ou direi antes esse custo de oportunidade;)por ele obviamente criado, enfim com reforma ou sem ela, um político à antiga.

António disse...

...alguém me sabe dizer quem era o primeiro ministro ou qual a composição da Assembleia da República quando foi apresentado o tal diploma que impedia que o vencimento do Prresidente da República fosse acumulado com outras pensões ou vencimentos auferidos pelo Estado