Miguel Torga

Tiago R Cardoso - 12.08.2008

Em 12 de Agosto de 1907,  nasce em São Martinho de Anta, Vila Real, Adolfo Correia Rocha.

Em 1934, aos 27 anos, Adolfo Correia Rocha autodefine-se pelo pseudónimo que criou, "Miguel" e "Torga". Miguel, em homenagem a dois grandes vultos da cultura ibérica: Miguel de Cervantes e Miguel de Unamuno. Já Torga é a designação nortenha da urze, planta brava da montanha, que deita raízes fortes sob a aridez da rocha, de flor branca, arroxeada ou cor de vinho.

 

Cobardia 

E não diz a palavra!
Já não consegue a pura claridade
Da raiva que se exprime
Num grito que trespassa o firmamento!
Parafraseia a dor, como um pinheiro
Que tem medo do vento
E se torce na duma, horizontal, rasteiro,
A enrodilhar a voz do sofrimento.

Filho do instinto,
Perdeu a força heróica de arrancar
O aço do punhal que o atravessa
Morre por não ter pressa
De se salvar.

6 comentarios:

O Guardião disse...

Um pseudónimo que lhe assenta como uma luva, e uma foto bem ilustrativa da sua personalidade.
Cumps

Peter disse...

Estou sempre a aprender: conhecia o motivo da escolha do pseudónimo "Torga", mas não conhecia os motivos da escolha de "Miguel".

Abraço

Sei que existes disse...

Grande poeta que escreveu poemas que perduram para além do tempo!

Compadre Alentejano disse...

O que mais me impressiona em Miguel Torga, é a força que imprime aos seus poemas, força essa da próprio natureza onde ele tanto gostava de estar.
Um abraço
Compadre Alentejano

António de Almeida disse...

-Confesso que conheço muito pouco, apenas li "os Bichos", e não gostei por aí além. Sem retirar o mérito, obviamente, apenas a mim nada me diz.

Fragmentos Culturais disse...

... gostei imenso desta singela homenagem a Miguel Torga!

E assim te deixo um excerto de um poema que transmite muito da sua personalidade:

'Orfeu rebelde, canto como sou:
Canto como um possesso
Que na casca do tempo, a canivete,
Gravasse a fúria de cada momento;
Canto, a ver se o meu canto compromete
A eternidade do meu sofrimento.'

[...]

Miguel Torga, Orfeu Rebelde

Sensibilizada pelo teu olhar em 'fragmentos'!