A outra face da crise mundial

António de Almeida - 14.07.2008

"A empresa alemã "Steiff", que inventou os ursinhos de peluche, fez regressar a Portugal parte da produção deslocalizada há apenas cinco anos para a China. E não é caso único - em outros sectores da economia, como o calçado, as grandes marcas estão de volta, devido às dificuldades logísticas e ao aumento dos custos de transporte resultante do agravamento do petróleo".

A frase acima, que transcrevo do DN, é reveladora que não existem certezas absolutas e que a própria economia se altera com o passar dos anos.
Muitas empresas olharam para os mercados asiáticos, em particular a China, com a certeza que poderiam aumentar a sua rentabilidade com a deslocalização da produção.
Contudo, se o aumento do petróleo e consequente aumento do custo dos transportes são a primeira prova que as coisas não serão assim tão lineares, há que considerar ainda que a inflação e crescimento económico nesses países farão abrandar os "milagres" à medida que os custos salariais também aumentarem.
O mundo e a Economia não são a preto e branco. Funcionam, com erros é certo, mas funcionam e calculo mesmo que esta não será a única empresa a regressar!

3 comentarios:

lusitano disse...

Apetece dizer a esta gente que se está borrifando para as pessoas e só pensa nos lucros:

«Cá te espero...na volta!»

quinttarantino disse...

Eu costumava levantar uma interrogação a amigos economistas e, na fase inicial do NOTAS, tinha-a aqui levantado uma vez num artigo por mim assinado, interrogação essa que se prendia com a curiosidade que eu tinha em saber a quem iriam vender a sua produção tais empresas se aqui levassem o desemprego a níveis consideravelmente elevados e lá quisessem manter os salários baixos como os têm agora.

Eu dou um exemplo para perceberem ... um desempregado europeu, em princípio, não compra umas sapatilhas "ALL STAR" a 80,00€ o par, mas também um vietnamita ou chiêns que ganha 1,00€ por mês as compra!

Aduzo mais esta perplexidade em complemento à excelente reflexão do António de Almeida.

Tiago R Cardoso disse...

Alem disso muitos já viram que a qualidade do fabrico por lá não é a melhor, falo pelo calçado, tenho aqui em casa um especialista que me mostrou muita coisa...