Carlos Queiroz e muito bem.

Tiago R Cardoso - 11.07.2008

De todos os nomes que andaram por ai, desde Zico a Manuel José, sem duvida que Carlos Queiroz será o melhor para agarrar na selecção nacional.

Numa altura que se exige a continuação da renovação na selecção, que deverá ainda ser mais radical, sem duvida que Queiroz, um treinador sempre conotado com a formação, será essa renovação.

No entanto, não espero, nem acho que o país espere, resultados imediatos, teremos pela frente o construir de um projecto, que levará com toda a certeza a grande triunfos.

Lembro que os campeões de Riade e de Lisboa, não cairão do céu, foram sim o resultado de muitos anos de trabalho.

Vamos ver o que dizem agora os “velhos do Restelo”, que estavam sempre prontos a enterrar Scolari por ele não ser português.

Provavelmente ficaram para já calados, na expectativa do primeiro desaire de Queiroz, para e como sempre num criticar por criticar, dizerem mal e arrasarem o que é nosso.

7 comentarios:

António de Almeida disse...

-Medo, muito medo de ver o prof Pardal no banco, ele não sabe fazer uma substituição. Veremos!

quinttarantino disse...

Espero enganar-me redondamente e digo-o com toda a sinceridade, mas acho que Carlos Queirós cometeu um erro estratégico tremendo.

Ele vai pegar numa Selecção que há muito precisa de fazer transições nalguns sectores e lugares e não sei se vai conseguir fazer esse trabalho de forma meritória.
Registe-se que Queirós falhou miseravelmente no Real Madrid.

O Guardião disse...

Os portugueses não costumam ter muita pachorra, e ao 1º desaire os bestiais passam a bestas, por isso não sei se o Queiroz terá grandes chances.
Cumps

Miguel Ângelo disse...

O meu comentário nada de novo vai acrescentar a este complexo e enigmático problema de escolher um treinador português de gema, português de alma e coração. De qualquer modo, apraz-me dizer que prefiro Queirós a Scolari. Depois não me digam que "o BURRO sou eu". Queirós, com o seu estilo de gentelman, honrará convictamente o compromisso de levar a selecção nacional a bom porto. Como refere o meu amigo, Quintino, que Queirós "falhou miseralvelmente no Real Madrid", até seja verdade, mas tratar-se-á de uma nova fase, de uma lufada de ar fresco treinar a selecção lusa. É melhor dar tempo ao tempo...

Carol disse...

Critiquei e critico Scolari, não por ser brasileiro, mas por se achar o dono da verdade, o imbatível quando, na verdade, desde cedo cometeu erros crassos.
O que é curioso ver é a forma como se aceitaram esses erros a Scolari, mas não se perdoaram a outros nomes que foram seleccionadores de Portugal.
Achei, também anedótico, o pseudo-nacionalismo das bandeiras nacionais nos carros e janelas. Quem é nacionalista, não o é por exibir uma bandeira, nem porque lho pedem. É-o porque ama o país em que vive, porque contribui para a sua evolução, porque sabe escrever e falar na sua língua ou, pelo menos, procura sabê-lo porque sabe cantar e conhece a história do seu hino nacional, entre muitas outras coisas.
Que Queiroz faça um bom trabalho, porque é para isso que lhe vão pagar, é o que eu desejo.

Carol disse...

Queria dizer: "Achei, também, anedótico (...) procura sabê-lo; porque sabe cantar...".

É o que faz publicar, sem ler antes!

Compadre Alentejano disse...

Não concordo com a vinda do Carlos Queiroz, e nem compreendo como ele aceitou o convite da FPF. Ele tinha continuado no Manchester, e daqui a mais um ano, era o seu treinador principal.
Aqui, é mais um treinador...
Um abraço
Compadre Alentejano