Um peso no governo, outro na oposição

António de Almeida 9/06/2008

Quando um grupo profissional ou sindical decidir paralisar à força a entrada numa cidade ou a circulação numa auto-estrada, que vai fazer o Governo?

-Concordo com as palavras acima proferidas pelo prof. Vital Moreira, mas não posso deixar de recordar o célebre bloqueio á ponte 25 de Abril em 1994, estávamos no último governo do prof. Cavaco Silva, e Mário Soares, então Presidente da República afirmou que as pessoas tinham direito á indignação. Não me recordo do prof. Vital Moreira ter escrito nada semelhante, convém sermos coerentes, e não assumir uma postura no governo, outra na oposição, a não ser que as pessoas apenas tenham direito a indignarem-se com os governos do PSD. Aliás em matéria de Código do Trabalho já vimos algo parecido pelas bandas do largo do Rato, um ataque fortíssimo quando o documento foi publicado no governo PSD/CDS-PP, passou a ter qualidades merecendo um aperfeiçoamento agora que o PS é governo. Coerências...

6 comentarios:

quinttarantino disse...

Meu caro, só assim é que eles se distinguem!

Margarida Balseiro Lopes disse...

Análise sublime!

No-Me disse...

De faco, em políica "mudam-se os governos, mudam-se as vontades".

E isto é repetitivo. Caramba, haja um pouco de memória e coerência!

Estou a olhar o telejornal, Espanha, Portugal...

E agora?

Bem, há sempre a justificação preferida: o défice.

Zé Povinho disse...

A crise veio para ficar, e os descontentamentos também. Como dizia um outro comentador do regime: habituem-se. Vital Moreira defende o indefensável, mas ele sabe bem porquê.
Abraço do Zé

Compadre Alentejano disse...

Havia um dirigente desportivo (Pimenta Machado) que dizia: no futebol, o que hoje é mentira, amanhã pode ser verdade...
Na política, e se ela for de direita (Sócrates), ainda é mais veridica,,,
Um abraço
Compadre Alentejano

Irene disse...

«Coerências» de quem olha apenas pelo prisma conveniente ao momento. Lamentável estas atitudes de políticos que só contribuem para o descrédito total!
Trata-se de uma pergunta retórica em que todos sabemos a resposta: o governo ignora.
Um blogue que faz sentido, este.