Bloco Central

Tiago R Cardoso - 25.08.2008

Muitos acusam este Governo do PS de estar ao centro; pois, se tinham dúvidas, elas estão agora desfeitas.

O PSD, pela voz do deputado Hugo Velosa, considerou positivo o acordo entre Governo e parceiros sociais para a revisão do Código do Trabalho (Publico).

Estamos realmente a caminho do Bloco Central, onde brevemente PS e PSD se tornarão num só, com as mesmas ideias, os mesmos objectivos, liberalizando de forma destruidora e sem olhar a meios.

Em breve este país será dominado pelo centro, sem alternância política. À Esquerda existe um vazio político, onde poucos apresentam algo de inovador, continuando a falar em nome dos trabalhadores, ou pelo menos é o que dizem mas eu que sou um não me lembro de passar procuração a ninguém; safa-se o Bloco de Esquerda com alguma capacidade de inovação.

À Direita temos um CDS com saudades dos poucos meses que esteve no Governo, agarrado a um líder que perdeu há muito a capacidade de dizer algo de novo.

A altura é, portanto, a de um enorme e cilindrador bloco central.

Entretanto, alguns irão assinar esta revisão do Código do Trabalho obedecendo à voz do dono, enquanto outros não assinam por ordem do dono.

11 comentarios:

António de Almeida disse...

Em breve este país será dominado pelo centro, sem alternância politica

-Em breve? Há mais de 30 anos que está dominado pelo centrão, só não vejo onde é que está o tal liberalismo de que falas, PS e PSD são as duas maiores empresas de colocação de trabalhadores na administração pública, alternância tem existido, alternativa é que não como afirmou P.P.C. Também não vejo o que é que o liberalismo poderia destruir, mas Portugal não está preparado para tal, aqui ainda existe a tradição do ditador que sabe qual é o nosso bem, do estado que nos dá garantias...

missixty disse...

Precisamos de uma nova revolução! Da forma que isto anda, acredito que já não falte muito! Os ânimos andam exaltados! O problema é que depressa os revolucionários, viram ditadores. O poder corrompe.....
Obrigada pelos teus elogios no meu blog!
beijinhos missixty

Adoa disse...

Sabes?
Começo a pensar que os dois partido juntos ficavam melhor... separados também não adiantam nada...

Pior não seria...
lolol

O Guardião disse...

Eu não encontro diferenças substânciais entre os partidos do centrão, e há muito que digo que a política está subordinada aos grandes interesses económicos, que financiam descaradamente, e por igual, os dois "parceiros". O nosso sistema partidário é apenas uma fachada de interesses e esgotou-se completamente.
Apesar das críticas que me endereçam, que eu percebo, continuarei a votar em branco por não existir um quadrado que represente expressamente o meu repúdio pelos candidatos: TODOS!
Cumps

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Subscrevo o comentário do António de Almeida. Talvez tenhamos andado muito tempo distraídos e deu nisto. No entanto, convém a ambos que a opinião pública pense que são diferentes, porque ajuda a mantê-los no poder. O problema, infelizmente, não é português. É um problema europeu, resultado de uma democracia cheia de vícios, qu conduziu ao poder os filhos da geração de 60 que muito prometeram, mas logo se deixaram enredar pelo apelo do capital que lhes garante o futuro.

Pata Negra disse...

Vota Manuela Sócrates e nada será como antes!
Um abraço sem espaço

joshua disse...

O Código do Trabalho é um Código de Desemprego. Agiliza processos de contratação e de rescisão, traz flexibilidade de horários. Lá terá as suas coisas boas, imensamente boas... para o Patronato Mal Fodido Português.

O Desemprego também tem regras apertadas. A apresentação quinzenal e a busca activa de emprego são fantásticas. Isso da apresentação quinzenal, por exempllo, é humilhante e expositivo das pessoas mais simples e desprovidas de futuro, são imposições estigmatizantes, instauradoras da vergonha social e da desmoralização pessoal.

Passo por esse sistema também, de quinze em quinze dias, e sinto-me aparvalhado como se passou do oito para o oitenta, sendo que o Sistema vai alijando, eliminando muitos milhares de desempregados das suas listas caso não cumpram esse requisito de apresentação ou outros quaisquer ou por esgotamento temporal do direito ao subsídio.

O Desemprego vai, por isso, baixando nas estatísticas e subindo na Realidade Concreta da Sociedade dos Amordaçados Portugueses.

Tudo se fez para cercear os indivíduos, colocá-los na cerca da suspeita e da má-fé, e nada se faz para controlar, apanhar e punir quem, lá, no topo, vai brincando com a nossa cara, malbaratando os nossos impostos com remunerações escandalosas e usos estapafúrdios dos dinheiros públicos.

Mas a tragédia por esta vergonheira vem a caminho, o colapso económico português é iminente. Pensávamos nós que a China convergiria connosco-Europa laboralmente no plano dos direitos? Mas somos nós a convergirmos laboralmente com a China. E Portugal, o País das remunerações de Merda, tem sido uma espécie de tubo de ensaio experimental da tolerabilidade de um sistem de baixas remunerações e magnos lucros dos megapólios e mega-empórios económicos globalizados ou nesse processo.

Tudo é uma questão de tempo até se tornar indisfarçavel a farça em decurso: ver-se-á em breve que apesar dos sacrifícios extremados impostos aos portugueses, que apesar da política feroz de desactivação de tudo e de todos, apesar dos cortes, dos lanhos e das amputações e ainda mais cortes em domínios essenciais, apesar do grassar da desprotecção social, apesar de todo este assédio ao bem-estar das famílias com a emergência da fome e das mais diversas dificuldades, os resultados do défice ficarão escandalosamene bem aquém. Muitíssimo aquém.

Porquê? Porque pensaram que seria infalível foder largamente com todas as pessoas, com todos os sectores, oprimir o bolso de todos, mas deixar intocáveis as magnânimes remunerações da Corte Político-Partidária de Mamões alojados no Cerne da Administração Pública, gente paga a peso de ouro para ler o jornal de perna cruzada sobre a secretária, para ligar o computador e desligar o computador, para mandar buscar uns cafés e não fazer a ponta de um corno, para não fazer um caralho. E não estou a falar dos funcionários serviçais paus-para-toda-a-colher públicos. Estou a falar de dirigentes, chefias intermédias, altas chefias de departamentos que existem para dar um tacho e para na verdade não se fazer um caralho.

Por que motivo é que achas, Tiago, que a Comissão de Prevenção da Corrupção é uma sombra de impotências e de silêncios e a Operação Furação pariu uma brisa bufa de rata? É para manter tudo como está e não haver ondas. Para ondas está aí o João de Araújo Vale e Azevedo que tem as costas largas e faz esquecer a actividade de formiguinhas insaciáveis de estes filhos da puta insaciáveis, base de apoio agora do PS e antes como talvez mais tarde do PSD: puta que os pariu, puta que os pariu, puta que os pariu!

A Justiça não funciona. Nada funciona num sistema assim corrupto, nada tem transparência, nada é feito pelo bem geral, querem estes cabrões resultados de produtividade, de brio, de amor ao trabalho em Portugal, como? Onde? De quem? Assim vai podre e mentiroso o Estado da Nação. Vem a OCDE e o Bill Clinton elogiar o Portugal reformístico e económico, dar a mãozinha elogiadora à governação recente de Portugal? Mas nada é de graça. Qualquer palestra de Gente do Mundo custa muito dinheiro e nem todos têm colhões como Bob Geldof. Qualquer relatório de instituições internacionais não tem um módico de absoluta independência porque o dinheiro paga tudo, até estatísticas e nuances discursivas favoráveis, se for preciso. E os Media estão aí para maquilhar tudo muito bem, escolhendo a parte sem espinhas.

Ninguém perdoará a este Centro Merdoso e a este conjunto de bonecos de plástico intoleráveis Pinho, Lino, Jaime Silva ou a Lurdes das Estatísticas e a todos os outros, este Apogeu da Farsa chamado Governação de Portugal.

PALAVROSSAVRVS REX

quinttarantino disse...

Vá-se lá saber ... se não seria mesmo a única solução destes gajos se porem de acordo com qualquer coisa!

Compadre Alentejano disse...

Infelizmente, corremos o risco de virmos a ser governados por um centrão. Como está hoje o PS, em nada se diferencia do PSD e vice-versa.
Mas também posso dizer que este PS, assim como está, jamais receberá o meu voto.
´Manuela Sócrates, nunca mais!
Um abraço
Compadre Alentejano

C Valente disse...

As moscas são quase sempre as mesmas e até a m...., já não muda
Saudações amigas

Dalaila disse...

o centro anda muito desviado com curvas à direita