Não percebo porquê!

António de Almeida - 20.05.2008

Presidente elogia Governo por pedir investigação aos combustíveis

Não sei que necessidade tem o governo de pedir uma investigação quanto a uma eventual cartelização por parte das gasolineiras, acontece que a GALP detém o exclusivo da refinação em Portugal, e também possui a maior quota de mercado, sendo uma empresa participada pelo estado, será que os homens de confiança de Manuel Pinho não lhe entregam relatórios periódicos? Das duas uma, ou escondem uma eventual prática do chefe ou são incompetentes por não perceberem o que se passa na empresa.

8 comentarios:

quinttarantino disse...

A ver se eu entendi ... se o Estado abandonasse a GALP e não houvesse ISP, os combustíveis ficavam automaticamente mais baratos?

E como se explica que estando a comprar combustíveis no mercado internacional pagos com dólares americanos, os quais valem um bom pedaço menos que o euro mesmo assim tenham argumentos para aumentar o preço?

O IVA aumentou? O ISP aumentou? Não ... então?

E admitindo que o Estado saía da GALP, não havia IVA e ISP os preços iam automaticamente baixar?
Azar ... a resposta é não. Basta ver que nos EUA não há ISP (que se saiba), nem o Estado é dono das maiores gasolineiras e basta ir à blogosfera para ver o quanto por lá também rangem os dentes!

Se calhar, se calhar é porque vivemos tempos esquisitos em que a estados e governos fracos se associa uma política económica assente no lucro imediato!

António de Almeida disse...

-Não disse tal Quint. Não se trata do estado estar ou não na GALP (pessoalmente defendo que não, mas para este caso é irrelevante),e sim não necessitar de qualquer entidade para averiguar o que quer que seja. O estado tem administradores na GALP, homens da suposta confiança de Manuel Pinho, não sabem responder á tutela se existe prática concertada? Estão a dormir ou obedecem a outro poder? Quanto á questão do ISP, que não abordo no post, já ouvi uma proposta interessante, por sinal julgo que do PCP ou do BE em passar a taxar o litro de combustivel e não o valor percentual do litro.

quinttarantino disse...

António, eu também não disse que tinha sido o meu caro amigo a ir pelos caminhos que eu abordei ... era mais em jeito de deitar mais umas canhotas no lume.

Aliás, você na sua réplica vem ao meu encontro num ou outro ponto.

Por exemplo, eles não estão a dormir, obedecem é a outro poder.

Discordo que tenha de ser o Governo à Autoridade da Concorrência que investigue e acho que esta já devia ter agido.

Manuel Pinho, meu caro, não existe!

Falcão disse...

1º- O ministro tem de tapar os olhos aos contribuintes, fingindo que é um outsider, para ver se mantém o lugar;
2ª- Os PR especializaram-se em só mandar «recados» para o ar e este faz o mesmo;
3º- Os EUA não são exemplo de nada para ninguém pois já Oscar Wild dizia que "eram o único império que tinha passado directamente da barbárie para a decadência sem passar pela civilização". Para além disso, sempre gastaram "à tripa forra" a gasolina como se fossem os donos mundiais dos recursos naturais, pagando por um "galão americano" (quase 4 litros)o mesmo que qualquer europeu pagava por 1 litro. Só há poucos anos começaram a produzir carros que gastam menos do que os costumeiros 8 litros/100 km. São o maior poluidor do planeta e não cumprem o protocolo de Quioto.
4º- Quem range os dentes só de pensar nesses anormais que dominam o mundo sou eu (para além das vezes em que sou obrigado a olhar para o Sócrates!)

Falcão disse...

perdão, Oscar Wilde

Falcão disse...

idem, 18 litros em vez dos 8 que o teclado...

quinttarantino disse...

... para tanto rigor, já é erro a mais, raio de teclado chinês!

Tiago R Cardoso disse...

ainda à pouco passei numa bomba do Intermarche e menos 12 cêntimos.

Esta subida, agora sobe um agora sobe outro não é estranha é simples concertação de preços.