Mas já terminaram as negociações?

António de Almeida - 19.05.2008

O PCP e o seu braço sindical CGTP-in continuam a utilizar práticas inaceitaveis numa democracia. Por um lado negoceiam com o governo e demais parceiros em sede de concertação social, mas já nem procuram manter o decoro, enquanto as negociações ainda decorrem já têm agendadas manifestações e ameaçam com greves. Chama-se a esta prática má-fé, pois o normal numa negociação será todas as partes apresentarem o seu ponto de vista, procurando chegar a um acordo mediante cedências mútuas, mas a CGTP.in está amarrada á agenda comunista, que visa obter na rua o que não consegue nas urnas, Bernardino Soares foi muito claro a esse respeito quando defendeu a moção de censura ao governo. Com tal parceiro do meu ponto de vista o governo nem sequer deveria negociar, porque quem não respeita não pode exigir que o respeitem.

3 comentarios:

Tiago R Cardoso disse...

O PCP tenta a todo o custo meter-se nas negociações e condiciona-las, quer ser o lider dos trabalhadores, seja a que custo for.

António de Almeida disse...

-Exacto Tiago, e talvez esse seja um dos dramas dos trabalhadores portugueses, não serem representados por sindicatos independentes, que por não o serem também não conseguem aumentar a sua representatividade.

O Guardião disse...

Também não acho que se deva misturar política partidária com sindicalismo, se queremos ter um sindicalismo forte e mais influente. Agora, a alteração das leis laborais é marcadamente um acto político e desiquilibra as relações laborais, favorecendo os empregadores em detrimento dos direitos dos trabalhadores.
Mais, a posição do governo também é radicalizada, pois diz que quer chegar a um acordo, mas que sabe o que quer, e com ou sem acordo vai implementar o que pretende.
Não sei qual é a posição mais extremada, mas assim não há acordo possível.
Cumps