Combustíveis & Asneiradas, Lda

Quinttarantino – 28.05.2008

A propósito do preço dos combustíveis que aqui têm sido motivo de farta produção literária e onde, invariavelmente, se chega sempre à conclusão que a culpa é do Governo, vou dar mais uma achega a ver se nos entendemos nalgumas matérias!

Em França há protestos, mas não tenho visto cartazes a dizer que a culpa é do Sócrates.
Hoje de manhã, na SIC, canal televisivo que está nitidamente ao serviço do PS, dava-se conta de protestos de pescadores espanhóis pelo preço do gasóleo.
Epá … espera aí, em Espanha? Protestos? Não pode … ah, já sei, a culpa é do PSOE!

Porque a coisa vinda de mim pode ser suspeita, cito agora um socialista de primeira apanha chamado José Manuel Fernandes, director do jornal “Público”: "Ao olharmos para estas listagens podemos encontrar uma das origens do nosso problema: o preço final dos combustíveis coloca Portugal mais perto dos países onde este é mais elevado, o peso da carga fiscal atira-o para o meio da tabela. Conclusão? É só fazer contas de somar e diminuir (…)”

Aliás, para os que cismam que é baixando os impostos que o preço da gasolina desce miraculosamente, aguardemos pela descida da taxa do IVA.
Iremos ver, na altura, como se comporta o mercado pelo lado da oferta.

Já agora, mesmo que se baixasse o ISP e o IVA, onde propunham que se recuperasse a margem orçamental perdida?
É que parte da que existia já se foi com a descida do IVA e com a economia pelo caminho que leva ...
É por isto que até Ferreira Leite afirma que o caminho não é pela descida do ISP e IVA!

Caso ainda não tenham percebido, e seria bom que percebessem, estamos metidos num poço, e começa a não ser só Portugal ... e dali já não saímos mais. Só falta saber se conseguimos, ao menos, subir um pouco mais de modo a que nem os pés estejam dentro de água!

6 comentarios:

António de Almeida disse...

Já agora, mesmo que se baixasse o ISP e o IVA, onde propunham que se recuperasse a margem orçamental perdida?
R: reduzindo despesa pública!
-Gostaria de ter a certeza que não ando a pagar ISP para financiar SCUT's, pelos vistos a única promessa eleitoral com valor, já que outras como o referendo europeu eram a brincar.
-O petróleo entretanto hoje sofreu uma forte baixa, veremos os próximos dias, no entanto o que não vi por parte de ninguém, governo e oposição, discutir, pelo menos discutir outras opções energéticas, nuclear por exemplo, vá lá, pelo menos discutir de forma séria.

joshua disse...

Há efectivamente um enorme filho da puta responsável por tudo o que de depressivo e oprimente está a ocorrer na nossa economia que vai a pique como o Titanic, mas não vou dizer quem é. O tipo é inimputável e quando a recessão técnica estiver aí, não digam que eu não avisei. Eu estou a dizer simplesmente isto: de que vale manter preços e com isso aniquilar, por selecção natural, parte da base tributária nacional, irremediavelmente compromentendo receitas? Não é melhor uma economia mais forte, mais sustentada que, graças à eficiência da cobrança fiscal, possa menter e até ampliar as fontes de tributação?

Falta mais imaginação a varrer a sociedade e as lideranças por soluções limpas e económicas para todos e efectivamente não se deveria descartar nada, nem o nuclear. O Estado é fraco e abaixa-se em tudo a Espanha e ao UK, mas quer ser monopolista da opinião e do rumo por cá. A Economia vai fraca porque foi levada ao tapete, mas não são os boys e girls das assessorias e prebendas PNFUM (Para Não Fazer Um Caralho) de sempre que o sentem.

Somos nós, os cidadãos mais explorados e abusados e emigrados da UE. Uma só Península numa só Europa e nós, sempre tão desiguais: não me venhas dizer que os políticos são o espelho do Povo. É mentira. Esse argumento já não colhe. Quando um cidadão político profissional se converte em Poder transforma-se noutra coisa inefável, um transportuguês, alguém que já não precisará de abraçar as peixeiras da feira e sentir-lhes a eloquente sovaqueira. São do Mundo e pedem ao mundo que os venha foder à canzana. E o Mundo não resiste e vem, a começar por Espanha.

O Luxemburgo é a prova de que o português nunca é lastro, mas motor. As lideranças é que do PSD ao PS não valem a ponta de um corno. Não valem um caralho. Não valem o que o gato enojado enterra, segundo a sua natureza.

PALAVROSSAVRVS REX

Carol disse...

Como se pode ver, há quem queira continuar cego e surdo...

joshua disse...

Carol, isso vale para os dois lados. Eu também li o Sarsfield Cabral.

PALAVROSSAVRVS REX

Tiago R Cardoso disse...

Gosto, José Manuel Fernandes, compara Portugal com os outros países, muito bem visto, comparar realidades diferentes, economias diferentes, muito bem.

joshua disse...

Por falar em cegueira, Carol, se outras razões não houvesse para nos indignarmos e ficarmos profundamente ofendidos hoje (ontem), Teixeira dos Santos, no-las deu.

Pela insensibilidade, pelo mais descarado desrespeito com os cidadãos. Disse que «a queda no consumo de combustíveis que o mercado nacional está já a registar, como consequência dos elevados preços, que desviam também muita da procura para Espanha, custou já aos cofres do Estado uma descida de 2% nas receitas do Imposto Sobre Produtos Petrolíferos (ISP), o equivalente a 20 milhões de euros» e «não se mostrou preocupado» porque «em contrapartida, o Estado encaixou mais receita de IVA, por força do aumento dos preços» que é «claramente superior à perda registada no ISP, ou seja, uma coisa mais que compensa a outra e o Estado acaba por ganhar mais».

Não que nos tenha dado alguma novidade. Não! quem sabe fazer contas e quem saiba como funcionam o ISP e o IVA sobre os combustíveis sabe que é assim – a receita do ISP é proporcional ao consumo enquanto o IVA é função quer do consumo quer do preço. É a todos os títulos miserável, é uma pulhice! Quando o ministro assim diz confirma que é possível encontrar uma fórmula em que o ISP flutue de acordo com o preço da matéria-prima de tal modo que a receita gerada para o Estado se mantenha e que, mais, o preço dos combustíveis no consumidor final sofra menos oscilações. Uma fórmula que, em termos de receita, resulte neutra. Garante a receita, minimiza os impactos no consumidor e tem efeitos benéficos na economia.

Não sou eu que o digo... foi Teixeira dos Santos que o disse. Com certeza falou de mais mas se falou de mais, ainda assim, chamar-lhes miseráveis talvez seja pouco. Tem razão como é óbvio todo aquele que exige ao governo que mexa no ISP. Foi o ministro que o confirmou!

PALAVROSSAVRVS REX