Lições de Democracia

Carol - 22.04.08

Dalai Lama, líder espiritual tibetano e Hu Jia, um dissidente chinês condenado a uma pena de prisão no seu país de origem, tornaram-se, a partir de agora cidadãos honorários de Paris.
A atribuição deste estatuto surge na sequência de um pedido do partido Os Verdes e do presidente da autarquia – Bertrand Delanue.

Como já seria de esperar, a China reagiu de imediato a esta decisão através de Jiang Yu, porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros, demonstrando uma “enérgica oposição”. Para além disso, considerou este facto uma “grosseira ingerência nos negócios internos chineses, acrescentando que esta atitude atinge “gravemente as relações franco-chinesas”.

Parece que a China ainda não percebeu que, apesar de andar com os líderes mundiais pela trela na questão do Tibete, os conceitos de liberdade e democracia ainda estão vivos na Europa e a França, fazendo jus aos ideais da Revolução Francesa (Igualdade, Liberdade e Fraternidade), demonstra-o claramente.

Como é evidente, não estou à espera que este facto seja o ponto de viragem na questão que envolve a China e o Tibete, mas congratulo-me por haver quem não feche totalmente os olhos à vontade tibetana de viver em autonomia e num clima de respeito pela sua cultura e, acima de tudo, pelos direitos humanos.

10 comentarios:

quintarantino disse...

A Mairie de Paris se tivesse o nosso Luís Amado como número 1 a esta hora ainda estava a pensar ... sim, não, talvez, sim, não, talvez ...

Engraçado, não é?
Ser socialista em França parece que tem outro cunho!

Tiago R Cardoso disse...

De facto Carol, existe ainda gente que pensa primeiro nos direitos humanos e na vido, do que com a carteira.

Neste caso muito bem, tomara outros ter a mesma coragem.

Carol disse...

Não sei, não, Quin... Parece-me que com o Luís Amado seria mais: Está tudo doido?! Nem pensar!

Blondewithaphd disse...

Aliás, até ver, Sarkozy é que tem tido as atitudes mais anti-chinesas das nossas praças ocidentais.

Compadre Alentejano disse...

Paris fez aquilo que Lisboa seria incapaz de fazer.Há muito medo escondido na diplomacia portuguesa...
Pode ser que Paris seja uma porta aberta para outros actos mais importantes na questão do Tibete.
Por um Tibete livre!
Compadre Alentejano

missixty disse...

Muita gente não gosta dos franceses, mas afinal eles até tem coisas boas, pelos menos são fieis aos seus princípios!

lusitano disse...

O que eu acho espantoso, ou talvez não, é que se permite aos chineses dizerem o que lhes vem à cabeça e que são verdadeiras ingerências nos assuntos de outros estados e ninguém os manda à merda...
Deve ser poruqe a merda custa muito dinheiro...

Desculpem lá o vernáculo, que não é meu hábito, mas estes gajos irritam-me!

Carol disse...

Ó Lusitano, está mais que perdoado! A mim, os Chineses também me dão cá uma azia!

Peter disse...

A atitude da França merece o meu inteiro aplauso.

P.S. - Desculpa não escrever mais, mas actualmente não estou a 100%.

Carol disse...

Peter, o que escreves é sempre bom, seja muito ou seja mais sintetizado!