A estrada

Dalaila 23-04-2008


Imagem: Marzena Gregier

Por onde vão as estradas? por onde caminham longas avenidas?

Entre verdes campos, entre montanhas que aparecem no relento das manhãs, e nas noites frias, as estradas cruzam-se em cada caminho, são estradas perdidas, que nos levam e nos transportam para outras estradas, que não conhecemos, não têm placas, nem nomes, nem destinos.
São as estradas da vida, com pontes, tunéis, claras, escuras, em alcatrão, em pedrado, ou terra batida, são as estradas que devemos caminhar, percorrer, apanhar boleia, ou parar à espera que outra estrada, outro entroncamento se cruze, se encarregue de nos fazer viajar...

Ai as estradas locais de passagem, de viragem, de caminhos, de aventuras, de chão firme, ou não... que importa!
O importante é olhar a estrada, e com ela às costas no peito, andar,
e ir,
ir,
ir,
ir,
ir sempre,
na viagem no caminho da estrada,
e não fazer inversão de marcha,
descobrir o que há para lá...
no fim da estrada deve ser sentido, admirado, chorado, mas vivido.

Ai as estradas da vida! que boas que sois, sem elas estaríamos sempre, no canto à espera de construções.

Quero ir nessa estrada, na companhia da lua da melodia dos pássaros, e derreter-me no alcatrão até me esculpir no tempo.


E assim começo por cá hoje a escrever-me em páginas brancas e até onde a estrada me levar, e é nestas estradas que todos caminhamos e todos descobrimos o nosso lugar.

Agradeço o convite para me juntar a um blog onde todas as ideias contam.

8 comentarios:

quintarantino disse...

Estreia auspiciosa e significativa.
Por caminhos e estradas que, mesmo sem placas ou setas, nos levarão sempre a qualquer lado.
Outrora um farol conduziu-nos até ao teu canto secreto, hoje são as estradas que a seguir entroncam em caminhos e destes em veredas que te trazem até nós!

Marcos Santos disse...

Aprendi na vida, que muitos caminhos difíceis e lamacentos, nos levam a uma auto-pista, uma freeway.

Portando devemos sempre seguir em frente, sem temer o atoleiro, sem desistir no meio do caminho. Sempre existirá um momento em que deslancharemos e sentiremos o vento na face.

Dalaila disse...

Sim QUITARANTINO a estrada é um farol terrestre, e que de todas as que escolhermos que a sintamos como nossa, sintamos que é essa estrada, nem que depois se cruze para outra.

Olá MARCOS, e em frente rumo ao desconhecido, mas com vontade.

Tiago R Cardoso disse...

excelente começo, excelente estreia.

Tantas e tantas estradas que podemos apanhar, onde podemos andar, elas que dão a outras, mas nós temos de seguir o nosso caminho, escolher a melhor, mesmo quando ele está toda estragada, temos de continuar, com a certeza que mais à frente o piso vai melhorar.

E assim desta bela forma o Notas Soltas abre novos caminhos.

Carol disse...

E que essas estradas nos conduzam a muitas alegrias conjuntas!
Bela estreia!

bluegift disse...

"Quero ir nessa estrada, na companhia da lua da melodia dos pássaros, e derreter-me no alcatrão até me esculpir no tempo."

Nem mais. Bom Dia, Dalila!

Dalaila disse...

Carol, Tiago e Bluegift, e assim se começa, nesta estrada onde todos estamos, que pertencemos e que temos que garimpar, como garimpeiros de histórias e actores de realidades.

um abraço a todos e obrigada

Marzena Gregier disse...

nice to see my image here :)

marz*