"Billary" Clinton "alive & kicking"!

Quintarantino - 23.04.2008

Mais uma vez a Senadora Clinton mostrou a sua raça.
Quando muitos vaticinavam que já havia tido o seu canto de cisne, eis que ela consegue uma vitória que, não sendo esmagadora, representa manter aberta a janela de oportunidade que já teve escancarada e alguns (e muita asneira sua também) iam fechando.

A diferença pontual de 10 pontos face ao menino bonito de tudo o que é Comunicação Social, ao “promete, promete mas não me perguntem que raio é a minha promessa” não é um “match point”, longe disso, mas um estanque da correnteza pró-Obama.

Contudo, e dando mostras de grande civilidade e espírito democrático, ainda há quem persista em apelar a que Hillary desista.
Até em Portugal!

Quer dizer, um candidato que Obama, mesmo com telelixo como Oprah e “turn coats” com Ted Kennedy a apoiarem-no, não consegue esmagar como prometia, que tem vencido nos estados mais populosos (e está por explicar a história da anulação das votos da Florida), que disputa com os superdelegados a nomeação tem de desistir?
Ah, já sei, para os nossos inteligentes, deve ser por os superdelegados de Hillary não representarem o voto popular.
Gostava que me explicassem o porquê disso e porque é que os de Obama contam. A sério que gostava!

Prossegue assim a luta entre dois candidatos, vaticinando-se que no fim ganhe … McCain!

9 comentarios:

Tiago R Cardoso disse...

No entanto num entrevista de um super-delegado, ele a firmou que por muito escasso que seja a vantagem no final de um candidato, eles iriam respeitar o voto popular.

Vamos ver se cumprem o que afirmam.

Sinceramente entre o mediatismo de Obama e o falso de Clinton, prefiro nenhum deles, muito menos o McCain.

C Valente disse...

Não concordo com o método de escolha e eleição do presidente dos EUA, acho pouco democrático, e muito á base de dinheiro, mas eles lá sabem
Saudações amigas

lusitano disse...

Entre os três, dois "democratas" e um "republicano", (que raio de nomes arranjaram os americanos para definir os partidos), não sei qual escolha, mas também como não sou americano, isso não os preocupa nada...

No entanto e até para mostrar ao mundo que "somos todos iguais", gostaria que ganhasse o Obama.

António de Almeida disse...

-Tiago, McCain nada tem de falso, é um herói de guerra, alguém de quem os americanos gostam, concordando ou não com as suas ideias e propostas, e vergonhosamente difamado nas primárias republicanas por W. Bush e pelos evangélicos em 2000. Razões porque a sua vitória causou muitos embaraços, ao ponto de Ann Coulter, por falar em lixo, vir apoiar Clinton. Deixemos pois McCain de fora, os superdelegados são congressistas, senadores, e destacados membros do partido, muitos deles irão a votos, têm os seus próprios lugares para defender, dentro e fora do partido, pelo que a tendência será para votarem de acordo com o resultado dos circulos que representam. Quanto á Florida, não alteraria nada, para além de que antes, muito antes, há cerca de um ano, ambos os candidatos afirmaram não fazer campanha, pois nem reconheceriam os resultados. Já ouviram falar em dignidade? É algo que falta para o lado dos Clinton!

Carol disse...

Go Hillary!
Para mim, ela é, sem dúvida, a candidata mais credível. Obama cheira-me a esturro...

quintarantino disse...

ANTÓNIO DE ALMEIDA, eu juro que não é embirração, mas falta dignidade aos Clinton onde?
Por favor, se me responder, não use o argumento das caneladas de campanha pois, mesmo que não pareça, também passeio os olhos na imprensa americana e na CNN e sei ver o que se passa.
E a recente entrevista na ABC foi uma gota num oceano de carneirismo a favor de um candidato!

Aliás, e como bem aponta, até no lado republicando elas foram usadas contra McCain em 2000 por parte de Bush e dos evangélicos.

Marcos Santos disse...

Pois para mim, qualquer um dos dois me serve, desde que substitua o quanto antes o malfadado que lá está.

Compadre Alentejano disse...

Para apear o Bush, qualquer um serve, embora prefira o Obama.
Quanto ao modelo de votação, não percebo, é muito esquisito. Veja-se o caso de Al Gore, teve mais votos que Bush e perdeu. Infelizmente...
Um abraço
Compadre Alentejano

Pata Negra disse...

Quintarantino, admiro a tua disposição - há lá pachorra para comentar as campanhas americanas! Só se for para nos prepararmos para chegar a esse charco democrático!
Um abraço de compaixão pela USA