Gosto de modas, são fixes !!!

Não sei porquê mas gosto de modas, são fixes.

Um gajo ali todo bem "vestidinho", cheio de boa aparência, algo confortável, mas sem o espartilho do correcto para a ocasião, onde sem se realçar na multidão se dê um ar de "estou aqui, sinto-me bem."

Estar na moda é "porreiro" (viram? uma expressão da moda), uma pessoa mostra que sabe do que fala, muitos aliás juntam-se à moda para mostrarem que sabem, embora a maioria vai porque viu na televisão ou achou que ficava bem noutro e resolveu também ir por ali.

Esta divagação (isto hoje está bom, está na moda divagar sobre os assuntos), serve para nos levar à sociedade de modas e respectivas perguntas existenciais.

Alguns exemplos da moda e de modas.

Está na moda dizer mal do politico e Primeiro-Ministro José Sócrates, cai bem, faz-se um "brilharete", ele é isto, ele é aquilo, então se for numa roda de amigos ou ai numa manifestação, estamos na moda e temos um espírito reivindicativo, que não se cala, não dobra… muito bem!

E então surge a pergunta: porque será que se todos dizem mal, se todos o acusam de tudo, as sondagens dizem que ele venceria outra vez as eleições? Com ou sem maioria, mas que ganharia?

Está na moda dizer mal do Governo, muitos só pelo dizer mal, mas não será este governo apenas a imagem do PM? (Questão que nos leva à pergunta anterior)

Está na moda dizer mal do político Luís Filipe Menezes... quer dizer, estaria se existisse politicamente. Assim, é uma pena que não se possa dizer mal do que não existe ainda pareceríamos tolinhos a falar do "vazio"

Gosto particularmente do exemplo "moda verde"... alto, alto, alto... eu falo de ecologia (é que não sei porquê mas desde domingo a noite, depois do jogo do Benfica, não gosto de falar de futebol).

Subitamente todos são ecologistas, pelo menos dizem-se a favor da protecção do ambiente, fica bem, dá assim um ar de moderno, de preocupado, alguns esperam até transmitir um certo charme.

Um parênteses, atenção que para discussão sobre charme de indivíduos já chegou ontem e o Quintarantino viu-se aflito para as segurar, mas se algum jovem quiser deixar umas referencias femininas, esteja à vontade.

Voltando ao ecológico, o interesse seria saber exactamente quem sabe o que é ecologia e o que é realmente a protecção da natureza?

Saber exactamente todas as coisas erradas que fazemos e que contradizem aquilo que apregoamos, que somos a favor da protecção da natureza.

A lâmpada acesa, a água a correr enquanto lavamos as mãos, os dentes ou nos ensaboamos no duche, o "papelito" para o chão, o ar condicionado de janelas e portas abertas, a folha de papel só usada de um lado, a compra de bebidas em garrafas de plástico ou em tara perdida, o uso de sacos de plástico para tudo (que saudades do saco de pano com que eu ia buscar pão), a "beatazita" a voar pela janela do automóvel, aos quais poderia juntar milhares de outros, tudo pequenas coisas, que nós, ecologistas e defensores do ambiente fazemos, acredito que não de propósito, mas por hábito, acredito eu que a maioria seja assim…

A pergunta final seria generalista, somos realmente uma sociedade de modas ou sabemos exactamente do que falamos e acreditamos ?

26 comentarios:

António de Almeida disse...

-Muitos não sabem do que falam, ouvimos umas teses, vamos a reboque, e depois esbarramo-nos. Por exemplo, está na moda a ecologia e a defesa do ambiente, defender o protocolo de Quioto, mas reduz-se realmente o consumo de energia? Não! Aposta-se no bio-combustivel, que reduz as emissões de gases poluentes, mas consome a maior parte da produção de cereais, está na base dos problemas com trangénicos,e dispara os preços. Resolveu-se um problema, criando outro. Isto em resultado das modas, quando as prácticas não são estudadas, apenas são seguidas porque sim...

joshua disse...

Tiago, cada vez gosto mais da liberdade e cada vez mais sinto que as bases têm de ser ouvidas para tudo. Este Poder governamental tem tentado governar e decidir para além das pessoas e apesar delas. Os empresários de sucesso gostam de este governo e têm razão e eu dou-lhes razão: eis um governo que beneficamente desbloqueia a modernização e a expansão dos negócios dos Fortes e com Sucesso Planetário. Este tem sido um bom governo para a Feliz e Boa Globalização Portuguesa. Honra lhe seja feita.

Mas o Povo para além das sondagens prontas-a-servir, detesta-o, seguramente.

Cada vez detestam mais o lado negro da força, o lado negro de este governo e do seu primeiro-ministro insólito.

Por reacção à grande moda detractora, que vi claramente vista contra Sá Carneiro, cada vez me encanta mais a porventura incipiência de Luís Filipe Menezes e já não consigo embarcar na poluição imagética empolada de acordo com a moda em que muitos papagaios convenientemente se entretêm hoje para contrabalançar o que aí grassa de filha-da-putalhice nos sectores mais amordaçantes e acossadores do Polvo Socratino.

Enfim, filho, Tiago, pensar pela própria cabeça, ouvir, observar, ler, e decidir.

Normalmente, os filhos da puta não passam. Esta legislatura prova que há excepções.

E eu prefiro erráticos, improvisadores, pontualistas, surfistas da contestação, oportunistas e populistas aos filhos da puta verdadeiros, vulperinos cretinos na mó de cima, indiferentes a nós, olhando-nos como ralé, governando-nos como gado desinformado conduzido ao matadouro das medidas mais lesivas da Pessoa Humana e da sua esperança e confiança no futuro.

PALAVROSSAVRVS REX

Fragmentos Culturais disse...

... apenas gostamos de falar, opinar! Apenas...

Sempre em jeito de crónica satirizante, Tiago!

Sensibilizada pelo olhar 'fiel' em 'fragmentos'!

Excelente semana!


... já recuperado completamente?
Lamento o meu atraso :(

lusitano disse...

Agora o que está verdadeiramente na moda é...querer parecer que não se liga à moda!!!
Bem há certas coisas em que vou na moda, mas há outras em que prefiro a moda dos meus tempos mais recuados, sobretudo nos gostos pessoais.
Quanto ao verde, tudo bem, desde que não haja fundamentalismos e que não haja "outras cores" camufladas de verde...
Quanto ao dizer mal do governo e do PM isso é um desporto nacional que muitas vezes tem razão de ser...

Compadre Alentejano disse...

Faço minhas as palavras do Joshua, especialmente quando diz que os filhos da puta não passam, mas que esta legislatura prova que há excepções...
Eu não sou adepto de modas, sou antes um indivíduo que luto por causas. Daí, a minha luta contra esta espécie de governo, que nos tem tratado tão mal.
Um abraço
Compadre Alentejano

Carol disse...

Olha, meu querido, eu cá não sou de modas, nem vou em modas: votei Sócrates e não falo mal dele a torto e a direito, ainda que algumas posições minhas choquem aqueles com quem mais de perto lido, nomeadamente na questão do ensino.
Sinceramente, nem sei se não voltarei a votar nele, apesar de alguma desilusão e de ser daquelas pessoas que estão a apertar o cinto e de que maneira!
Santa paciência, mas o problema do país não está só em Sócrates. São anos a fio (desde o 25 de Abril) de políticas incoerentes e incongruentes. Agora, também não podemos exigir que tudo se resolva de um momento para o outro!
Alternativas credíveiis, há? Não me parece...

Quanto à questão do "verde", eu é mais azul... Fora de brincadeiras, não sou uma ecologista acérrima e também cometo os meus atentados ambientais (a conta da água é a prova disso), mas procuro sempre economizar em luz e promovo/ faço a reciclagem e reutilização de materiais, tanto em casa como no meu centro de explicações.

De moda, propriamente dita, gosto mas faço a minha própria moda.

Dalaila disse...

Somos de modas, mas estamos a mudar, se é pela moda ou não não sei, mas acho que estamos mais conscientes, mais civicos, pelo menos noto isso, as crianças neste momento são os inspectores das más atitudes, ralham criticam e são mesmo irónicos quando os adultos tomam atitudes que eles acham erradas, como deitar lixo pela janela do carro, etc... mas parece-me que cada vez mais isto vai diminuir.

O Guardião disse...

Modas, politicamente correcto... não sei, pode ser que haja quem se preocupe com isso.
Cumps

antonio disse...

Afinal, pode-se dizer mal do Sócrates ou não? Isso é que me interessa... agora a beata atirada para o chão não me interessa, ele já está sujo na mesma!

quintarantino disse...

Podes António, podes dizer mal de quem quiseres ... conquanto te lembres do Código Penal!

Lá quanto a isso das modas, eu há algumas que até nem desdenho. Outras, pelo contrário ...

E nem sempre saber exactamente do que se fala e manter aquilo em que acreditamos implica que se desdenhe da moda ... seja ela qual for!

Tiago R. Cardoso disse...

António de Almeida,
agora é a moda da utilização do bio-combustível.
traçam-se objectivos e metas para utilização.

Agora surgem avisos que tal investimento, objectivos iriam prejudicar a luta mundial contra a fome, estamos a falar de 30 milhões de hectares de terrenos de cultivo, só na Europa seriam 16 milhões de hectares.
Modas para salvar o planeta e matá-lo de outra maneira.

Joshua,
"pensar pela própria cabeça, ouvir, observar, ler, e decidir."

Exactamente era isso o pretendido, que não se vá em modas, que cada um saiba o que quer e principalmente saiba ajudar a uma sociedade melhor.

Mas, infelizmente, desconfio que em 2009 eles continuaram, tenho quase a certeza.

Tiago R. Cardoso disse...

Fragmentos Culturais,
exactamente o problema é que quando são chamados realmente a pensar e decidir, rapidamente entram em outras modas...

Lusitano,
também vou um pouco na moda, muito menos agora, cheguei a um ponto onde muitas coisas não me dizem nada.

Concordo, tudo deve ser feito de forma equilibrada, sem fundamentalismos, se não um dia destes andamos todos a marchar em cima de campos de milho.

Tiago R. Cardoso disse...

Compadre Alentejano,
é isso mesmo causas que defendemos e acreditamos, que consideramos justas porque pensamos, le-mos e decidi-mos, essas sim, agora causa de modas, rapidamente se transformaram naquilo que são "fast-food", que não sabe a nada.

Carol,
dai eu remeter para o meu texto do protesto, onde se protesta por tudo e por nada, onde se vai na moda e se atribui a culpa só a alguém, seja governo, seja oposição, seja o chefe, seja o patrão, quando a culpa é de todos, nós incluidos, quando deixamos de participar, de ter opinião própria e apenas ir na corrente.

Tiago R. Cardoso disse...

Dalaila,
sinceramente vejo a coisa um pouco mais escura, basta ver exemplos nas novas gerações que nem sabem sequer quem manda ou dirige, claro que quem passa a mensagem são os que se ausentam da participação, que passam cheques em branco aos partidos e depois protestam.

O Guardião,
pois existe, acredite que existe, anda ai muita gente que gosta é de modas e andar sempre na crista da onda, não interessa para onde vai, interessa é estar presente.

Tiago R. Cardoso disse...

Antonio,
se o problema fosse só ele, então era malhar forte e feio, mas o problema está quando ele, infelizmente, ganhar em 2009 de quem vai ser a culpa.

quintarantino,
depende, depende...

Por exemplo agora estou "apaixonado" pela moda que me passastes, a máquina, não sei muito bem ainda o que é aquilo tudo, mas gosto.

bluegift disse...

Como em tudo na vida, nada melhor que o meio termo nestes assuntos. Irrita-me a moda "cega" que mais tarde nos revela a idiotice e falta de capacidade crítica. Lembro-me da moda da expressão "um copo com água" que todo o bom e fino português deveria proferir sob risco de ser olhado como plebe inculta e reles ao optar por "um copo de água". Bonito foi ver alguns anos mais tarde o desmentido oficial de tal barbaridade, cuja origem agora envergonhadamente se evaporou. E as frases repetidas em efeito dominó reveladoras de um "up to date" com acesso directo à casta superior e que algum tempo depois caíem na fossa de classificação underground. Desde o grunho "vous l'avez bien compris" ao voyarismo das janelas descobertas, passando pela depilação total para ele e para ela, há que parar um pouco e reflectir. Só uma há uma moda que nunca se extingue e é sempre a preferida : a do maldizer. Essa até na idiotice é imortal...

Blondewithaphd disse...

Bem, como Blonde que se preze, a moda até se vai seguindo (este ano voltam as cinturas mais subidas e as wedges vão começar a ficar outdated, cores fortes mas não em look total).

De resto, a moda faço-a eu! Nem que vá contra a corrente. E isso que tão bem dizes do saquinho de pano e reciclar o papel e etc. não é moda, é uma tendência a seguir por quem é civilizado. Se seguirmos todos essa moda isso deixa mesmo de ser moda (como convém)!

Manuel Rocha disse...

Consta, Tiago, que o Vaticano incluiu recentemente a poluição na sua listagem de pecados.

Em Quioto, tinha ficado aberta a possibilidade a quem polui, de poluir um pouco mais desde que tivesse dinheiro para comprar o direito de o fazer a quem, tendo-o, não tem como lhe dar uso. Depois, criaram-se empresas especializadas para, contra pagamento, claro, trocar por árvores poluição. Fica-se agora a saber que a quota poluente eventualmente sobrante deste processo, desde que confessada, até pode ser perdoada !

Portanto, Tiago, estou como você : se isto não é moda ( e tanta coisa junta seria demasiada coincidência, não era ? ), então haverá pessoas de grande conhecimento e competência que sabem exactamente o que andam a fazer. Pena que nos transcenda…

Carol disse...

Vinha eu, toda lampeira, para dar a novidade deste novo pecado e, afinal, o Manuel Rocha antecipou-se!

FERNANDA & POEMAS disse...

Olá querido Tiago, belo texto... Boa parte não sabe o que diz!!!
Beijinhos de carinho e amizade.
Fernandinha

Tiago R. Cardoso disse...

Bluegift,
interessante é que aquilo que hoje é moda amanhã é "pinderico", mas tens razão, dizer mal está na moda, sempre esteve e sempre estará, não importa sobre o quê, importa é dizer alguma coisa.

Blondewithaphd,
embora as tendências não sejam bem essas, parece que a arrogância politica, o egoísmo, o individualismo, alguns traços de estupidez, ignorância e burrice dominam a moda "made in Portugal".

Tou a ver que estás bem informada sobre a moda, tens razão a que fazer jus a condição...

Tiago R. Cardoso disse...

Manuel Rocha,
pois transcende, transcende, quando um assunto passa para o plano do divino, só alguns é que passam a dominar o assunto, nós, simples mortais limitamos-nos a encolher os ombros e a ler os ensinamentos.

Essa da confissão está boa, já imagino o Bush a confessar que mandou Quioto às favas e mandou poluir à vontade, mas reza ali uma penitencia e está tudo bem.

Já estou a imaginar um suinicultor a arrasar um rio, reza uns padre-nossos e está perdoado.

"O senhor juiz não me pode multar, já me confessei e o senhor padre perdoou-me".

É melhor eu não ir mais longe para não ferir susceptibilidades...

Fernanda,
por acaso também está na moda...
Obrigado, volte sempre.

missixty disse...

olá Tiago! É mesmo verdade o que dizes, as pessoas falam por falar, mas actos é que não se vêem!
Mas o maior problema é que quem não está na "moda" é logo criticado! Eu gosto de ter o meu estilo pessoal e bem vejo os olhares críticos quando visto algo mais fora do comum, ou digo em voz alta que não acredito no milagre de Fátima! Aqui no Norte ficam logo escandalizados! Sinto-me completamente desenquadrada na minha geração, quase não conheço ninguém que seja como eu! Aliás, não sou eu só a dize-lo! Os meus amigos dizem que não conhecem ninguém da minha idade que seja como eu! Sou uma carta fora do baralho....mas eu gosto de ser assim!
beijinhos ,no sábado vou para o Algarve mas levo o portátil!

Um Momento disse...

Ah pois Tiago... falar de moda esta realmente na moda... mas qual?:)
Eu optei por tornar-me estilista e desenhei a minha propria "moda"
Sou eu e apenas eu , e os outros se nao gostarem da minha moda que a não acompanhem uma vez que hoje em dia e como tu dizes e muito bem , se acompanha a moda de qualquer coisa embora que muitos nem saibam o que isso é...
Beijo tradicional com carinho
:))

(*)

antonio disse...

Cruzes, credo! Profeta da desgraça, Tiago?

Tiago R. Cardoso disse...

Missixty,
também eu já fui olhado de lado por causa de uns gostos radicais de musica, mas agora aquilo que era olhado de lado, hoje é moda.
Fazes bem em levar o portátil, aguarda-se umas fotos da viagem.

Um Momento,
alguns revelam mesmo um fraco sentido de moda, vão mesmo em qualquer onda, também eu gosto de escolher uma moda que me diga alguma coisa.

Antonio,
da desgraça ?
Não só da realidade.