Foi você que pediu uma fraude?

Depois do escândalo brasileiro dos cartões de crédito, veio a lume a história de uns quantos casos de fraude por uso ilícito de dinheiro no Parlamento Europeu.

Ao que parece, uma auditoria interna descobriu quatro a seis casos de eurodeputados que usaram indevidamente os dezassete mil euros mensais de que cada um dispõe para remunerar os seus assistentes. Ao todo, a coisa ronda os 140 milhões de euros em operações indevidas, que vão desde gratificações ( um assistente recebeu o equivalente a dezanove salários como bónus), pagamentos fictícios, fugas à segurança social até à transferência para partidos políticos.

De acordo com o eurodeputado que denunciou publicamente o assunto – Chris Davies, os casos descrits são “situações chocantes” e “deveriam resultar na prisão de alguns eurodeputados”. Ele chega mesmo ao ponto de afirmar que é lamentável que o sistema do Parlamento Europeu permita que “alguns parlamentares consigam contornar as regras e pôr dinheiro ao bolso”.

A questão que se levanta, agora, é a do secretismo que envolve este relatório da Comissão de Controlo Orçamental. Na opinião de Davies, “não há nada no relatório que deva ser mantido em segredo” e defende que os europeus devem ter conhecimento de todos os factos. Paulo Casaca, membro da comissão que levou a cabo a auditoria e deputado socialista, por seu turno, considera que o relatório deve ser mantido em segredo “para que os envolvidos não sejam crucificados na praça pública” sem que se analisem todo os factos. Carlos Coelho, eurodeputado pelo PSD, defende que os nomes só devem vir a público quando as averiguações chegarem ao fim. Ilda Figueiredo, do PCP, adianta que “ninguém sabe do que se trata ao certo” e que “se há suspeitas, elas têm de vir a público”.

A comissão anunciou, para já, que todas as averiguações serão feitas, pelo que só daqui a cerca de dois meses haverá mais dados concretos.

Eu, como cidadã europeia, defendo que temos o direito de saber o que fazem na Europa aqueles que elegemos e que é um dever identificar e punir severamente todos os que prevaricaram.

E vocês, o que acham?

32 comentarios:

António de Almeida disse...

-Desde que efectivamente divulguem o nome dos responsáveis, e os mesmos sejam processados judicialmente, nada tenho contra que se guarde sigilo por ora, até porque pode existir algum suspeito inocente, e não sejamos ingénuos, amanhã seria um cadáver político, injustamente. Agora espero que o tempo que o parlamento europeu necessita, seja efectivamente aproveitado para separar o trigo do joio, e não apenas protelar para que o assunto caia no esquecimento. Doa a quem doer. Desejo contudo que não exista qualquer eurodeputado português implicado, mesmo aqueles com quem não simpatizo, um pouco de nacionalismo não faz mal a ninguém, mas se algum se colocou a jeito, que pague como os demais...

Peter disse...

Não é de admirar: os deputados portugueses se acalhar até já votaram para a constituição imediata de uma comissão de inquerito, da qual nunca se chegará a saber o resultado.

bluegift disse...

Carol, esses deputados só podem ser uns tontos. Eles sabem que desde 2000 há auditorias mistas, quase impossíveis de corromper e que apesar da imunidade diplomática as consequências serão desastrosas para a imagem do país e do partido que representam. Aqui não se aplica a justiça palhaça à portuguesa (ou à italiana), "bate-se" a sério doa a quem doer.
É verdade que há grandes discrepâncias na remuneração dos Assistentes - eles são pagos pelo país de origem e não pela UE, mas falta saber se é desses menos pagos que os abusos partiram...
Entretanto, estamos a falar de um universo de 785 deputados, só após as eleições de 2009 será estabelecido um limite máximo de 750 independentemente do número de países que entrem. A Itália é o país que melhor paga os Assistentes e foi o que mais chorou por não perder um lugar na redução prevista... Se por acaso um dos deputados é italiano, bom, nem quero ver a bronca.... Só espero que não haja nenhum barão português...

Carol disse...

António, perfeitamente de acordo. Receio é que tanto sigilo sirva para adiar e fazer cair este caso no esquecimento.

Peter, não me admirava nada!

Blue, há sempre quem queira testar os limites e tente contornar as regras do jogo. E nisso os latinos são peritos, mas esperemos que os portugueses se tenham portado bem. Nacionalismos à parte, espero que sejam todos punidos exemplarmente e denunciados.

missixty disse...

Isso não me admira mesmo nada! Toda a gente sabe que os fundos europeus foram usados de forma indevida! Mas além do governo,muitas pessoas arranjaram forma de ficar com dinheiro que não deviam. Alegaram compras que nunca efectuaram e melhorias a nível de trabalho que também nunca fizeram! Em vez disso compraram jipes e mercedes! Portugal está podre! Começa no governo e acaba no povo! Somos um país de ciganos, uma vergonha
Tiago como gostaste dos meus trabalhos fotográficos de espéctaculo, agora convido-te a ver os meus de estúdio, no meu blog!
cumprimentos a todos e desculpem a ausencia em comentarios, mas a minha vida anda mesmo muito ocupada!

lusitano disse...

Ao que parece não há deputados portugueses envolvidos. Já não é mau!
Claro que se devem apurar os criminosos e depois de tudo apurado dar-se a conhecer porquê e quem!
Ah chamei-lhes criminosos de propósito, porque estamos habituados a chamar este nome aos ladrões de bancos, lojas, etc, mas estes ainda por cima fazem-no à pala do povo que os elegeu.
Por muitos processos de controle que inventem há sempre um malandro que descobre o método de lhes fugir.
Só quando perceberem que têm de devolver o que roubaram e forem para a cadeia é que outros "candidatos" a vigaristas poderão pensar duas vezes!

O Guardião disse...

Atenção que a auditoria só incidiu inicialmente sobre 160 deputados, numa escolha alietória, e que os eueurodeputados são muitos mais, por isso estes 4 a seis casos casos podem vir a ser bastantes mais se o assunto for levado a sério, como devia.
Aguardemos por notícias mais concretas, embora eu não espere que daqui saia mais do que umas tantas substituições "por motivos de de demissão devido a questões de índole pessoal ou de saúde".
Cumps

Carol disse...

Miss Sixty, não extrapolemos! Eu nunca disse que havia eurodeputados portugueses envolvidos nesta polémica! Apenas desejei que não estivessem, como alguns dos que já comentaram. Para além disso, não estamos a falar de fundos comunitários, mas sim de regalias de que os parlamentares podem usufruir.

Lusitano, são criminosos, sim senhor! Fez muito bem em chamar-lhes isso, porque nem sequer precisam de roubar para viver!

Sim, Guardião, tem toda a razão. Como já foi aqui referido, há bem mais de 160 eurodeputados no Parlamento Europeu. Se todos fossem alvo de uma auditoria, não sei quantos permaneceriam incólumes...

bluegift disse...

Se a estatística não nos trair serão cerca de 2% a 4% os deputados a cair em tentação. Multiplicando por 5 teremos entre 20 a 30 possíveis pecaminosos que neste momento devem estar a rezar a todos os santinhos para não serem descobertos. Muito provavelmente sê-lo-ão pois que a auditoria terá agora que ser estendida a todos, a menos que a despesa seja superior à recuperação estimada, o que duvido.

Carol disse...

Blue, que rezem e que as preces não sejam atendidas!

quintarantino disse...

Foram ou terão sido poucos e ainda bem.

Imagine-se agora que tinham sido todos... o rombo que não era.
Nas finanças e na credibilidade.

Contudo, tenham sido 2 ou 20, portugueses ou não portugueses, que se apurem responsabilidades ... ou também aqui a culpa morre solteira?

bluegift disse...

1 português que seja, já é mau...

Tiago R. Cardoso disse...

Fico satisfeito de saber que não somos os únicos em malabarismos, acrobacias e "armados em espertos",
mas sinceramente não sei se a satisfação seja assim tanta, a imagem dos políticos anda pelas ruas da amargura.

Carol disse...

Quin, estás coberto de razão. Esperemos que, desta vez, se apurem responsabilidades!


Blue, um já seria demais, de facto!

Carol disse...

Tiago, calma rapaz! Olha que ainda não se sabe quem são, nem de onde vêm os prevaricadores!

Budas disse...

queria avisar que deixei de escrever no meu blog mas vou continuar a escrever comentarios a outros blogs


budas

João Castanhinha disse...

Em que medida um parlamentar necessita de imunidade para o livre exercício da representatividade do povo que o elegeu?

Sempre achei isto esquisito, mas se calhar sou só eu...

Blondewithaphd disse...

Ora bem, nós "fraudulamos" mas eles também "fraudulam"! Calha a todos meu povo!

bluegift disse...

A imunidade parlamentar não permite que os deputados violem as leis e escapem à justiça: « L'immunité ne peut être invoquée dans le cas de flagrant délit et ne peut non plus mettre obstacle au droit du Parlement européen de lever l'immunité d'un de ses membres ».
Destina-se a protegê-los de possíveis perseguições fictícias por parte da oposição política, algo muito comum também no nosso país, diga-se de passagem...
Uma vez a culpabilidade provada, será levantada a imunidade.

Carol disse...

Oh, Budas, que pena! Mas fico feliz por saber que serás um comentador atento.


João Castanhinha, como já elucidou a Bluegift, a imunidade será imediatamente levantada assim que se prove o delito.


Blondie, esse é um verbo que muitos gostam de conjugar!


Blue, mais uma intervenção pertinente da tua parte. Obrigada pelo esclarecimento.

Compadre Alentejano disse...

Chicos espertos há em todo o lado, e aposto que os nossos 25 deputados não estão interessados no inquérito, nem sequer o nosso Zé Manel.
São todos, ou quase todos, uns corruptos...

Sniqper ® disse...

Como sempre Carol os teus textos são textos, ou seja falas com nomes, não com suspeições, ingrediente bastante usado pelas sanguessugas que vivem da e na politica, mas com ar de justiceiros dizem mal do cozinheiro (leia-se Poder)que lhes enche a barriga, essa que cada dia na sua ganância mais e mais alimento precisa, tal é a sofregidão com que comem, no medo de acordarem e o cozinheio ser outro e, claro isso depois dá muito trabalho fazer novos acordos com o chefe da cozinha.
Quanto ao que eu acho sobre o tema é simples, quero que a Europa passe muito bem, simplesmente porque só serviu e continua a servir para encher os bolsos de alguns, por isso que tal começar por cá, no nosso Portugal a levantar os colchões e ver os euros que por ai andam escondidos!
O que é que acham?

João Castanhinha disse...

A minha questão mantêm-se, porque existe? Possíveis perseguições fictícias?!!? Deixem estar, eu irei continuar com as minhas duvidas igualitáriamente existenciais.

Carol disse...

Compadre Alentejano, infelizmente se essa não é a verdade, é o que parece...


Sniqper, obrigada pelos elogios. Quanto à questão de se investigar lá e cá, eu concordo em absoluto! Portugal precisa de transparência, caso contrário não sei que rumo tomará este país.


João Castanhinha, a resposta jurídica e legalista já foi dada, Claro que podemos sempre duvidar...

quintarantino disse...

A imunidade existe e não é só para os parlamentares; basta ver o texto constitucional da nossa República, por exemplo.

Um argumento a favor da dita imunidade é impedir que a dignidade do cargo possa ser afectada por acusações sem nexo que possam ser levantadas e que, sendo investigadas, conduzem à constituição de arguido.

Mas isto sou só eu a pensar alto ...

Carol disse...

E pensas tu muito bem, Quin!

Zé Povinho disse...

Porque será que eu estou com a impressão de que nada se vai passar? Talvez porque vão começar mais cedo as escaramuças para os lugares do parlamento europeu, porque as votações são já para o ano! Se calhar sou um pessimista...
Abraço do Zé

Carol disse...

Oh, Zé Povinho, esperemos que esteja errado! Mas nunca se sabe...

Sniqper ® disse...

Imunidade. Quem precisa dela?
Existe um conjunto de regras a que se deu o nome de Justiça, pelas quais e com as quais a sociedade se conduz, certo?
Mais tarde, quem as elaborou viu no erro em que caiu, pelo simples facto de precisar da dita cuja imunidade para a seu belo prazer contornar a sua própria criação.
Ora perante este facto, terrível eis que se fez lume e nasceu o Direito, a tal arte que existe com moldes circenses, ou seja um espectáculo de contorcionismo, onde culpados se transformam em inocentes e vice-versa, verdade?
Então imunidade é o que e serve para quem? Para os inocentes? Esses não precisam dela, simplesmente porque são inocentes, ou será que para ser inocente é preciso primeiro ser acusado, depois constituido arguido e finalmente voltar a ser inocente, será?
Realmente chego a uma conclusão, simples no meu ponto de vista, o Direito é para punir quem quebra as regras da Justiça ou medicamento para adormecer os inocentes e fazer deles culpados, enquanto, claro os outros a coberto da imunidade, a vacina da sacanagem continuam na senda do mal a seu belo prazer!
Confusa esta sociedade, não acham?

Carol disse...

Muito confusa, Sniqper!

quintarantino disse...

Os problema que o Sniqper levanta levariam a discussão para o campo da Filosofia do Direito... mas eu a esta hora já só quero dormir.

Pode ser que um dia se abra aqui discussão quanto a isso.

poetaeusou . . . disse...

*
estão todos feitos,
como diz o zé do laço,
,
até o miguel sacadura cabral,
"des-pia"...
,
povo, povo eu te lamento ...
,
conchinhas
,
*