O manifesto do protesto

Protesto contra tudo; aliás, hoje apetece-me mesmo por tudo em causa.

Protesto contra a divisão do país em dois, em três, em quatro ou no raio que os parta a todos.

Protesto contra as divisões de partidos, contra a estupidez daqueles que se mantêm só num caminho, como burros com palas que só olham para a frente.

Detesto estas "novas" definições Esquerda, de Direita, de Centro mas pior detesto o sítio onde estamos.

Protesto contra reformas a torto e a eito, não interessa se bem ou mal, detesto reformas que queiram transformar o mau em pior, protesto que queiram deixar nome numa página da Historia a qualquer custo.

Protesto contra a Utopia de José Sócrates, detesto o populismo de Filipe Menezes, não percebo o resto dos partidos, odeio o conformismo, o só olharem daquela forma, todos fiéis a ideologias e dogmas que o povo não entende.

Detesto o conformismo, o estar sempre ali, imóveis, cada um no seu lado, sem pensarem nos outros.

Odeio o egoísmo, protesto contra o "primeiro EU", contra o tacho, contra a panela, contra a frigideira, contra todos esses que andam só para ganharem algo, que só querem é o lucro e a fama.

Protesto contra a falta de unidade no País, onde cada um rema para o seu lado, detesto a falta de união em torno de um bem comum.

Protesto contra a Justiça lenta, a degradação da Educação, da Saúde, detesto a aniquilação do Estado Social sem equilíbrios, o retira daqui para dar ali, o "toma lá e eles que se lixem", como odeio o estado "ama seca" do cidadão.

Protesto contra o povo, que se deixou iludir, que se deixa iludir com esmolas, com doces e chocolates e que se deixará iludir, dando autorização para continuarem, detesto a oposição diluída que de oposição só tem nome e alternativas nenhumas.

Protesto contra os que protestam sem apresentar soluções, os que não pensam só se queixam, que não gostam de diálogo, apenas de gritos.

Protesto contra todos aqueles que se retiram dos seus deveres de participar, que apenas vivem o presente, que se ausentam do futuro, que apenas reclamam quando são atingidos.

Protesto contra censores, contra os donos da verdade, aqueles que acham que o que dizem é lei, mas também detesto os mal educados, aqueles onde o insulto fácil é normal, onde a participação, para eles, apenas significa um bocejo e um "que se f**** todos !"

Protesto contra o protesto, contra os que se manifestam e não dizem nada, detesto os que não protestam e aceitam tudo como normal, protesto contra todos os que acham que o normal é anormal.

Detesto o pessimismo, os pessimistas, os fantasmas do passado, do presente e do futuro, contra todos os que querem e ressuscitam esses fantasmas.

Mas acredito, tenho esperança em algo melhor, acredito no futuro, como acredito que tudo tem uma causa e uma consequência.

Agradeço o que me aconteceu, agradeço o meu presente, como agradeço o meu futuro e o meu regresso.

E já agora protesto contra este manifesto.

46 comentarios:

quinTarantino disse...

E eu protesto por aqui se fazerem sempre textos impecáveis, se ter comentadores de primeira apanha e por termos um número razoável de visitas.
Nem parece que somos portugueses!

António de Almeida disse...

-Este manifesto parece tirado do baú dos tempos, e olha que é um elogio Tiago, refiro-me ao facto de estar escrito com alma e sentimento, e tal passar para o texto, o que nem sempre conseguimos. Pois também eu ando por estes tempos contra tudo e contra todos, pela liberdade e pelo respeito, valores sempre colocados em causa, mas que convém defendermos.

joshua disse...

Meu Bom Jovem, quem dera a muitos a tua barra de aço acidental que, cadente do megamagneto, mais que macerar o teu pobre membro inferior, com que te levavas por levar ao longo da tua Estrada, te acordou uma Chama, uma Alma, uma Pureza-Desejo de Progresso e de Verdade inextinguíveis.

Com esse baptismo de Aço, tornaste-te um Protesto Vivo, Activo, Contagiante e em tudo Positivo!

Despertassem outros e outras também de uma letargia de Existir-em-Lesma.

PALAVROSSAVRVS REX

antonio disse...

Estou com o Josh, protesta, mas não contra o aço e quando estiveres assim zangado recomendo-te a minha trilogia do aço...

antonio disse...

Quint, estás a esquecer-te dos teus textos... ;)

Zé Povinho disse...

Hoje vai por aqui um mau humor desgraçado. É certo que se protesta muito mas que cada um o faz quase que só quando se sente atingido, e outros até por hábito. Causas comuns há muitas, mas o coro está muito mal ensaiado, desafina e canta cada um para seu lado.
Somos portugueses, e esta é uma característica nossa, muito barulho mas pouca organização. Não sei se conseguimos mudar com facilidade, nem sei se há quem seja capaz de congregar vontades em torno do que é essencial.
Folgo em ver que há quem não se lamente da sua sorte e procure melhorar o futuro.
Abraço do Zé

lusitano disse...

E eu junto-me ao teu protesto e protesto pelas mesmas razões, pelos mesmos motivos e...até protesto de mim, que às vezes me acomodo e não protesto como devia protestar...

Tiago R. Cardoso disse...

quinTarantino,
acho que ainda não me passou, por isso protesta à vontade, afinal somos amigos, temos aqui uma bela equipe e comentadores como nós gostamos.

Joshua,
Pois é amigo Joshua, ainda hoje afirmo que tirando a dor foi uma bênção o que me aconteceu.
Alguns precisavam também de algo parecido.
Hoje protesto contra os que andam por ai dia após dia e chegam ao fim e não viveram, não sentiram e não se realizaram.

Tiago R. Cardoso disse...

Antonio,
estava eu a tentar me acalmar do protesto e tu avanças com o fantasma do aço, diga-se que foi dos momento mais densos da tua criatividade.

Protesto contra a analise do aço, que serviu como pesadelo nas noites escuras de inverno.

A sorte é que agora andas mais arejado.

Zé Povinho,
Mau humor ?
Um pouco, mas um protesto desgraçado, isso sim anda.

Tem toda a razão, por Portugal mesmo quando é para defender causas nobres e o bem comum, aprece sempre alguém a puxar para outro lado.

Muitos fazem-me lembrar o Ministro que foi lá para fora dizer, venham invistam em Portugal, porque nós lá somos uns miseráveis com salários baixos.

Tiago R. Cardoso disse...

António de Almeida,
colega, muitos consideram valores como a liberdade e o respeito coisas obsoletas, já de pouco valor, mas acredito que enquanto existir uma voz critica, um protesto verdadeiro, uma pessoa que pense, nunca seremos dominados pela depressão que se instalou por este país.

Lusitano,
já somos dois, o esforço é combater o marasmo para onde todos os dias somos tentados, perante uma sociedade de protesto da "moda", mas com falta de protesto com "ideias".

quinTarantino disse...

ANTÓNIO, explica lá essa dos textos ... sabes que desde que ando em más companhias tenho tendência a esquecer-me das coisas ... explica lá ...

Fa menor disse...

Olaaaaaaaaaaaaá!!!
Temos Tiago em força!!!
Ah, ganda homem, protesta p'raí, qu'eu estou contigo nesse protesto!

Tenho alturas em que tb sou assim... olha, mesmo agora só me apetece dizer: Mand'ós ganir!!!

Francisco Castelo Branco disse...

É um bom manifesto!
Mas em vez de protestar porque não actuar?
Em portugal, existem muitos protestos.
Muitas Manifestações, muita luta , mas poucos actos.
Acho que é uma tentativa de fazer sentir a nossa indignação mas querendo que os outros façam o resto.....
Tipo, eu lamento, mas tu trabalhas.
É um pouco isso!!!!!

Mas gostei do manifesto e também do NOtas soltas ideias tontas...
Continuem assim.......
Acho que têm bastante futuro.....
Mts Parabens

jo ra tone disse...

Que adianta comentar de todo este mau-estar?!
poetas, engenheiros, povo de doutores...
vão aliviando assim as suas dores, sem resultados alcançar. Serão meras recordações para à posteridade mostrar?
Também o sacristão se preocupa com o estado da nação!
Um dia dirá também que fez parte d'uma revolução.
Qual revolução?
Do pão , que tarda em chegar!

Vamos mas é pegar, em cacetes e correr com eles à paulada, que ontem já era tarde.
Já não sabem que mais fazer, para ver o povo sofrer.
Alguém nos dá ouvidos? Claro que não!
Votos, não são votos,
são cacetes que lhes passamos p'ás mãos, a contribuir para fazer a nossa arruinação.

antonio disse...

Quint, gosto de te ver assim irritado, mas para te compensar vou tentar lembrar-me de um texto teu, que realmente... como é que tu dizes?... ah, seja impecável!

Bem, tens razão, são todos. ;)

Cati disse...

Andas muito PROTESTANTE!

Pois deixa-me que te diga que foi o melhor texto teu que já li aqui. Gostei tanto deste espelho da nação - e da minha opinião, que coincide com a tua! - que vou fazer um link na minha chafarica só para este post.

O nosso país tem esta absurda particularidade: não é unido, é adepto do "eu safo-me e ou outros que tentem safar-se mas se não conseguirem azar"...

Eu pergunto-me muitas vezes onde estão as pessoas que fizeram o 25 de Abril. Pergunto-me o que pensarão elas do actual estado de coisas...

Para quando uma nova revolução?!?

Um grande beijinho para ti e para o Quint!

Lampejos disse...

Tiago,

Eu protesto contra várias coisas, não dá para dizer exatamente sobre o quê!
Isso porque não sei dar ordem aos fatos...ahãm!

Mas com a promessa de uma tarde de sol...

Eu “acredito” em todas as pessoas, até que me contradigam.
Acredito em pessoas como você, que criam e alimentam com lápis de cor Protestos como Este!

E já agora, agradeço a vida por te mostrar que uma oportunidade conduz diretamente a outra, e assim como risco leva a mais risco, a vida, a mais vida...


(a)braços e flores :)

quinTarantino disse...

Ó ANTÓNIO, tu andas-me cá um brincalhão ...

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

Tiago

Boa ideia "protestar contra o protesto"! :)
Nietzsche falava do "cansaço da humanidade"! Está tudo cansado! Daí o desencanto com a vida. As pessoas pensam que a fome se mata apenas como "comida" mastigada nas praças da alimentação! Ainda não descobriram que estão cansadas de si mesmas! :(

Miguel Ângelo disse...

Bem! Cuidado, Tiago, se detestas os fantasmas do passado, vê lá se Salazar, sai da campa e...Marcelo, não este, o outro, o Caetano, ou do catano...ainda ressuscita.
É normal ficarmos revoltados contra este marasmo social, em que todos se conformam, não têm os "cojones" no sítio, como dizem nuestros hermanos para dar a volta, acomodam-se, deixam-se ir.
São ludibriados, como diz o brasileiro, "me engana que eu gosto, ou estou gostando."
A propósito, gostaria de ser espanhol, defendo a União Ibérica, infelizmente, essse grupo popular, de burgueses, nobres e até os padres, de então, que manifestaram, descontentamento e revolta perante a monarquia dualista, já cá não estão. Deveriam pedir perdão e dizer nós queremos ser Espanhóis, já, imediatamente!
Penso que o meu coração, da outra vida, era espanhol, estou em crer nisso, embora, se diga que de lá, não vêm, nem bons ventos, nem bons casamentos....

Tiago R. Cardoso disse...

Fa menor,
tomara que fossem mais a protestar, não por tudo e por nada, agradeço o teu apoio.

Francisco Castelo Branco,
concordo come eu disse no texto :

Protesto contra os que protestam sem apresentar soluções, os que não pensam só se queixam, que não gostam de diálogo, apenas de gritos.

Protesto contra todos aqueles que se retiram dos seus deveres de participar, que apenas vivem o presente, que se ausentam do futuro, que apenas reclamam quando são atingidos.

Agradeço em Nome do Notas Soltas o apoio aqui ao lugar.

Tiago R. Cardoso disse...

jo ra tone,
que em todos os momentos da nossa não nos resignemos, não baixemos a cabeça, a revolução está em cada um, no protesto construtivo, no avançar de ideias, no olhar para o bem e objectivo comum, mas que ninguém na hora de decidir se ausente do dever de dar por escrito aquilo que quer para o país.

Cati,
desde já o meu agradecimento pelo link, pode até não ser um dos meus melhores textos, apenas escrevi uma pequena revolta que andava aqui dentro.
Reconheço que esta até a versão mais suave, a primeira era mais forte na linguagem.

Tiago R. Cardoso disse...

Lampejos,
como eu escrevi :
Mas acredito, tenho esperança em algo melhor, acredito no futuro...

Sem esta esperança, facilmente seria engolidos pela sociedade e desapareceríamos de viver, apenas limitava-mo-nos a andar por ai.

Também eu agradeço por aquele segundo me ter aberto os olhos.

J Francisco Saraiva de Sousa,
cansadas de se aturarem até ao dia que vão olhar e repararam que se limitaram a sobreviver e não viveram.

Tiago R. Cardoso disse...

Miguel Ângelo,
olha que tem muito gente por ai com vontade de trazer essas personagens todas de volta.

Sinceramente ser espanhol não gostaria, em relação aos bons ventos, acredito que até trazem, estou numa multinacional Catalã, bons casamentos,foi mais acima em França.

Cati disse...

Pode não ser, para ti, o teu melhor texto. Provavelmente nem é!!! Apenas é o que EU gostei mais. ;)

Beijoca

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

Tiago

É triste descobrir isso no final da vida: "até ao dia que vão olhar e repararam que se limitaram a sobreviver e não viveram." Significa "EM VÃO". Por isso, defendo umas guerras... :)

bluegift disse...

Eu também protesto! Quanto mais não seja por princípio...

(isto de acordar com os pés de fora tem muito que se diga...)

Compadre Alentejano disse...

Eu também protesto, não contra tudo e todos, mas contra o sr.Sócrates. Penso que com ele fora do governo, Portugal seria melhor...
Um abraço
Compadre Alentejano

Carol disse...

Protestas tu, protesto eu, protestamos todos ou quase todos! ;)

Tiago R. Cardoso disse...

Cati,
obrigado.

J Francisco Saraiva de Sousa,
par já fico-me por umas guerras de fisioterapia e já dão que fazer.

Tiago R. Cardoso disse...

Bluegift,
nem foi com os pés de fora, foi depois de duas horas de luta, mas não interessa toca lá a protestar.

Compadre Alentejano,
olhe que não é o único que merece um protesto,a grande maioria merece uns assobios e umas vaias, esta sociedade merece um protesto.

Sniqper ® disse...

PROTESTO...
Palavra forte, bastante usada pós 25 de Abril, por uma classe, alguns, claro, nem todos que desconhecem parte da história. Quando refiro história, leia-se o percurso que ceifou muitas vidas até podermos dizer a simples palavra PROTESTO...
Mas, como tudo na vida, protestar é um acto que implica consciência e sequência, logo protestar pelo simples facto de ter liberdade de o fazer é dar um tiro no pé...
Vamos então, como seres inteligentes juntar os ingredientes, ou seja unir os nossos PROTESTOS, condimentar tal acto com a dose necessária de informação e finalizar a obra, colocando a dita mistura no regaço de quem a terá de colocar no forno e fazer dela o alimento que acaba com a fome, com a injustiça e todos os restantes derivados que fazem uma sociedade ser uma caos...
Como vamos então começar...?
Só a falar...?
Sem nada fazer e deixar continuar...?
Talvez seja um boa reflexão que o Tiago nos deixou, gostei.

lua prateada disse...

Não chore, porque chorar é sofrer.
Não sofra, porque sofrer é perder.
Não perca, porque perder é morrer.
Só ame, porque amar é viver.
E viver é amanhecer neste fim de semana
A alegria o amor a magia ...
Feliz fim de semana

SOL

Blondewithaphd disse...

Eu esta semana de cada vez que aqui venho lembro-me sempre de qualquer coisa. Hoje lembrei-me do "Manifesto Anti-Dantas"! Também estás irritado homem!

Tiago R. Cardoso disse...

Carol,
o problema está no quase todos, muitos estão ausentes do protesto, da opinião e do fazer algo.

Sniqper,
é isso, o protesto que se pede é um protesto com ideias, um protesto com avançar e fazer algo, um protesto de união pelo bem comum.

Tiago R. Cardoso disse...

Lua Prateada,
Eu não chorei, sofri não mas não não perdi nem morri, ganhei e renasci.
Bom fim de semana.

Blondewithaphd,
diga-mos antes que estou com o espírito revoltado.
Diga-se que conheci o manifesto Anti-Dantas, uma vez recitado na televisão pelo José Viegas.

Peter disse...

Protesto contra isso tudo e como "só me saiem duques":
- protesto contra os imbecis;
- protesto contra os vaidosos;
- protesto contra os que se julgam importantes;
- protesto contra a prosápia;
- protesto contra os detentores da verdade única;
- protesto contra os que não sabem dialogar, porque sempre foram habituados a monologar: EU, EU, EU e mais EU.

Pata Negra disse...

Só para contrariar, não protesto. Comprei uma flauta, um rebanho de ovelhas e vou guardá-las. Vou beber o seu leite, comer a sua carne, fazer as minhas camisolas...
Será que nem isto posso fazer?!
Um abraço da montanha

Tiago R. Cardoso disse...

Peter,
Concordo e como eu escrevi no texto :

Protesto contra os que protestam sem apresentar soluções, os que não pensam só se queixam, que não gostam de diálogo, apenas de gritos.

Já agora sou solidário, protesto contra esses duques que te saem.

Pata Negra
isso sim, de volta à calma da vida sossegada, longe das preocupações, também estava a necessitar de férias das férias.

Maria P. disse...

Pois,
protestarei
protestarás
protestará
protestaremos
protestareis
protestarão

e algo será ouvido/feito, ainda acredito.

Bom fim-de-semana*

adrianeites disse...

protesto!

não tens o direito de protestar com o facto de no teu proprio protestares o teu próprio protexto (passe-se tanta redundância)...

tens razão ... protesto'

Tiago R. Cardoso disse...

Maria P.,
também eu tenho esperança que muitos ao conjugarem o verbo saibam o que ele significa na realidade.

Adrianeites,
ele anda ai, poucas vezes mas anda...

quinTarantino disse...

Eu regresso só para dizer que um MANIFESTO ANTI TODOS E TUDO, assinado pelo Tiago, no dia 29 de Fevereiro, não se admite.

Dia aziago que só daqui a quatro anos se repete!

Ou seja, o homem implicitamente já dá 2009 como perdido. Um dado relevante que escapou aos nossos analistas.

antonio disse...

O Tiago só protesta assim de 4 em 4 anos... bem visto Quint.

Dalaila disse...

E só com protestos, dos pr´+oprios protesto, se chega muitas vezes às soluções fundamentais, é pena que não se proteste com convicção, com sabedoria, que não se proteste realmente no que é importante.

Muito bom texto,
boa semana

Tiago R. Cardoso disse...

Dalaila,
o protesto em Portugal é um protesto fácil, pouco construtivo, só feito quando atinge interesses pessoais, é o que temos e contra o que temos de lutar.