Kosovo independente e punição do genocídio étnico

Onde começa e acaba o direito de um povo à sua auto-determinação e independência?
Qual o direito de invadir outro povo exigindo a sua anexação e reconhecimento internacional do acto?
Que peso real terá a opinião de um povo quando expressa democraticamente?
E qual o papel da comunidade internacional na mediação de conflitos étnicos?

Questões importantes que emergem da notícia explosiva deste fim de semana:
Contra a vontade da Sérvia e da Rússia, o Kosovo vai declarar a independência!

Possuindo uma história rica em estatutos de maior ou menor soberania territorial, o Kosovo oscilou sucessivamente entre os domínios otomano, albanês ou sérvio. Após anuência à dominância política de base equalitária fortemente defendida pela Jugoslávia de Tito, o Kosovo vê a identidade fortemente abalada com a morte deste e a posterior intervenção oportunista do dirigente comunista da Sérvia, país “hospedeiro”. O seu nome: Milosevic.

É Milosevic quem magistralmente vai utilizar os habituais complexos de vitimização histórica, que tão bem servem para justificar despotismos políticos de vária ordem (a juntar aos judeus, flamengos e outros do mesmo estilo), de forma a defender a intrusão abusiva naquela região autónoma . Convence assim, e infelizmente, a comunidade internacional que na altura decide "fechar os olhos". Milosevic ordena a abolição de todos os traços de autonomia e subjuga a maioria étnica albanesa às sua autoridade. Dissolve o parlamento, destitui o governo kosovar dos seus poderes e apresenta-se como acérrimo defensor da supremacia política da minoria de 8% de kosovares servos...

Após desencadear, por razões semelhantes, a guerra com a Croácia e a Bósnia - mais fortes política e militarmente que o Kosovo, Milosevic declara a retirada das famílias da etnia albanesa de suas casas visando o acolhimento de refugiados sérvios, entretanto expulsos daqueles países. Como se não bastasse e porque, convinhamos, o número demasiado elevado de kosovares albaneses (mais de 90%) não lhe agradava, inicia aquilo que poderá ser considerado como o maior massacre dos últimos anos registado às portas da já formada União Europeia: o genocídio do povo kosovar!

Se bem que a eliminação deliberada da população kosovar albanesa tenha começado lentamente, uma intensificação desesperada tem início com a entrada da NATO no teatro de guerra. Furiosos por verem os seus intentos mais uma vez contrariados, lançam-se no massacre cego da população, sem poupar crianças, mulheres e idosos. Entre outros, ficam gravados na História os terríveis massacres de Cuska, Podujevo e Velika.

Uma sensação de déjà vu invade o espírito dos europeus... Destroiem todos os símbolos da cultura e tradição de etnia albanesa; mesquitas, igrejas, monumentos históricos otomanos de valor incalculável, nada escapa à fúria sérvia...

Preso e levado ao banco dos réus, Milosevic não sobreviveu à confrontação destes factos realizada no Tribunal Internacional de Haya que pretendia julgá-lo por crimes de guerra, crime contra a humanidade e crime de genocídio.

De nada lhe valeu negar a soberania deste Tribunal. Nem apresentar como desculpa um pretenso massacre da minoria sérvia que habitava a região, apesar da compreensiva hostilidade da etnia albanesa face à sérvia quando a autonomia foi colocada em causa. A guerra nesta região foi sempre, mas sempre, iniciada pelo desejo de dominação da Sérvia sobre as regiões limítrofes.

Morreu de ataque cardiaco, dizem...
De qualquer forma: cobardemente! À imagem do suicídio do congénere Hitler, politicamente oposto, mas de “veia” partilhada.

O Kosovo tem agora o direito de fazer finalmente justiça, de vingar os seus mortos, de fazer a sua cultura renascer das cinzas, recuperar as suas igrejas e mesquitas. De se levantar, de se afirmar como povo!

E, mais importante ainda, de mostrar com a sua independência que o Genocídio de Povos não será recompensado!

Haverá melhor forma para um julgamento post mortem de Milosevic? Não creio...

Viva a independência do Kosovo!

Be wellcome!

47 comentarios:

António de Almeida disse...

-Algumas questões, existem enclaves Sérvios no Kosovo, e se estes vierem reclamar eles próprios a independência face ao Kosovo? E se os Bascos vierem agora invocar este precedente? E que meios terá o Kosovo para assegurar a sua independência? Vai viver á conta da U.E., policiado pelos EUA? Em troca irá a U.E. oferecer á Sérvia a adesão? Segundo li, o resultado dos massacres foi ampliado, o que é diferente de dizer que não existiu. Não estou a dizer que o Kosovo não deva ser um estado independente, tenho apenas muitas dúvidas, e julgo que não têm meios para sobreviver como estado independente.

Sniqper ® disse...

E que tal colocarmos a mão na nossa consciência e pensarmos?
O que será que fizemos em África? Foi diferente? Ainda é diferente?
Porquê falar dos outros?
Talvez porque falar de nós é sempre a última coisa a fazer, mais fácil é apontar o dedo e guardar na gaveta as recordações.

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

BlueGift

Que assunto escaldante este que escolheu! :)
Partilho algumas "dúvidas" do António de Almeida. Mas, se eles desejam ser independentes, que sejam independentes. Afinal, a UE podia ser uma imensa associação de pequenos Estados. A isto chama-se babelização integrada na UE. Curioso, fogem de uns e entregam-se aos outros! Mais curioso: Reencontram-se na "Europa Unida". A irracionalidade dos lideres dos povos dá este resultado... Viva a Independência!

quintarantino disse...

Tenho sérias, mas talvez infundadas, dúvidas sobre o que realmente se passa nos Balcãs e que políticas quer a Europa seguir em relação a assuntos tão escaldantes quanto estes.

O Kosovo já alguma vez foi ou se assumiu como um Estado independente?
Existe a dita nação kosovar ou serão estes, maioritariamente, albaneses?

E sendo-o, se a Albânia se lembrar que quer recuperar (chamar ao seu seio) estes filhos tresmalhados?
E os sérvios que lá vivem?

Retiram para Belgrado ou passam a ser cidadãos de segunda num país e numa região que também sempre viram como a sua casa?
E os EUA apoiam a independência do Kosovo (população maioritariamente muçulmana) porquê?

E os países da União Europeia que a apoiam e aceitarão negociar a sua entrada que farão quando os turcos insistirem?

E se os kosovares têm direito à independência os bascos e os catalães também têm?
E a Alemanha pode exigir que a Polónia, que cresceu para ocidente no fim da II Guerra Mundial, lhe devolva o que é seu?

E se eles se pegam outra vez no Kosovo, na Bósnia-Herzegovina e na Macedónia que vamos fazer?

Manuel Rocha disse...

Blue, Carissima:

Gostei muito desta tua recensão de feição kosovar.

Partilho algumas dúvidas já expressas nos comentários anteriores, mas o meu comentário irá noutro sentido.

Este hábito da história imputar a um homem ( Hitler, Milosevic,Bush, Franco, Salazar ..) todas as responsabilidades pelas ocorrências do seu tempo, é uma magnifica forma de "branquear" a má consciência de quem viu tudo e fez de conta que não viu nada e as culpas objectivas de quem participou activamente nesses processos e nunca terá culpa formada por isso.

Só para dar um exemplo que já vai ficando bem esclarecido, que foi que sucedeu de facto com a deportação dos judeus franceses na França de Petain ? Quem foi que os apontou ? Quem foi que lhes ficou com propriedade e bens ? Hitler ?!

Sinto que branquear responsabilidades individuais concretas não é caminho para eventualmente melhorar a mesquinhez e a hipocrisia do cidadão comum. Há "ordens" que não se cumprem se houver integridade bastante. Ora não foi Milosevic in persona quem passou kosovares à bala! A verdade é que há humanos que " são bichos feios, porcos e maus". São eles que "fabricam" e suportam essas lideranças e era bom que a história não fizesse de conta que eles não existem...

Blondewithaphd disse...

E aqui está mais outro caso absolutamente interessante para um estudo em Ciência Política! Perdoem-me recorrer ao Inglês mas não tenho o vocabulário específico em Português de que vou precisar.
This is a matter of nation-building arising out of the imposition of a frame of government and a setting of boundaries that splinter the ethnic and geographic identity of a group of people that, altogether, share traits, a common history, a language or dialectal forms and therefore are considered a people.
The huge problem facing Kosovo is that it has, all throughout its history, been a surrogate state of whatever nation held power at the fringes of its borders. It has never managed to be a completely fully-fledged nation. It will, of course, be a mock-state for decades to come, depending on the direct intervention of major international organizations.
This said, I'm in favour of self-determination for the peoples that wish so (even in the case of the Basque country, to name but an instance already mentioned above). Identity and recognition of ourselves as a people is one of the the first requirements for our recognition of self. Thus, this is very close to people's hearts. It's the human sense of belonging, of rooting our identity. It's fundamental. Wars are mostly the fight for a people's identity or the fight for a people spreading its identity.
I think Kosovo has a right to be independent. But... Kosovo will face the payment of the independence it seeks. Very hard times are looming and we should not forget the chronic instability of the Balkanic region.
I subscribe to Blue's last remark: Welcome Kosovo!

bluegift disse...

antónio de almeida,
Independentemente da minha opinião relativamente à independência de certas regiões europeias que albergam povos distintos, há uma pequena grande diferença entre povos que vivem em autonomia e povos que são subjugados e sobre os quais o país hospedeiro exerceu acções segregadoras de aculturação e extremínio.
Quanto aos meios de sobrevivência, não me parece que um povo por ser pobre deve obrigatoriamente ser adoptado por um rico. Voltamos ao raciocínio colonialista?
Nem os EUA nem a UE alimentam seja quem for sem contrapartidas acordadas com os respectivos países. Os resultados estão à vista. Altruístas? Só entre o povo que faz donações.
Provavelmente os resultados foram ampliados, concordo que é possível. Em vez de terem sido assassinados 10 mil se calhar foram só uns "míseros" mil... certo... Afinal a NATO interviu porquê? Deixá-los terminar o "serviço", não é verdade?

bluegift disse...

sniqper,
Dou-te toda a razão, não somos nenhuns santos. Porém o grau civilizacional do mundo mudou e atrocidades a que antes se fechava os olhos hoje transformaram-se em crimes graves a punir internacionalmente. Felizmente nem todo o Ocidente parou no tempo.

bluegift disse...

Francisco,
A Europa já está dividida em regiões, por uma questão prática de gestão, tal como acontece num país. Há limites de identidade cultural e territorial, mais um acquis communautaire a respeitar. O resto são peanuts a menos que alguma crise de guerra grave despolete. Mais vale ter "autonomia" e trabalhar em conjunto, em grupo, que viver sob a anulação permanente da sua identidade e cultura em troca de um punhado de milho. Pelo menos há respeito!

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

Resumindo e concluindo: Ninguém aqui vê com bons olhos a independência do Kosovo, com excepção da Blondewithaphd, que volta à carga com a autodeterminação e a identidade, esquecendo que esta última pode ser uma arma ideológica manipulada por interesses escusos! Isto seria "ciência" política! :)

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

Concordo BlueGift. Tenho estado a pensar na defesa das autonomias nacionais. Como dizem: O Porto é uma Nação! :)

bluegift disse...

Dearest Quint,
A Europa quer a Paz nas suas fronteiras europeias. Se outras negociações houver prevendo a ligação a outros países será o povo a decidir. Será a Democracia e não a Tirania. Quando se fala incorrectamente de albaneses, dever-se-ia falar de albanofónes. Os flamengos falam neerlandês e não são holandeses, nem os valónios francófonos são franceses. O mesmo relativamente à Suiça, Austria, Luxemburgo, etc.
Tu esqueces que os kosovares viviam em paz com a sua autonomia até que o Milosevic decidiu segregar as regiões vizinhas. Mais um bocadinho e daqui a pouco a Espanha também devia se apoderar de nós... pois...
Os EUA querem equilíbrio territorial face à Rússia. Se eles se pegarem novamente, teremos que intervir. Os turcos são da Ásia menor e cada vez têm menos condições democráticas para aderir à UE.
Mas que raio de questões dear general!

bluegift disse...

Manuel,
Não há nada a fazer, é o princípio do carneirismo. Por isso eu ter insistido na importância da ideologia e do mentor outro dia quando falávamos nestes temas. Há pessoas que têm a coragem e determinação de pensar e sentir com os próprios neurónios mas a grande maioria busca o líder. É assim e sempre será, infelizmente. Nos "humanos" predominam os tubarões, crocodilos, hienas, abutres, cães de caça e ataque, o pior que a Natureza pode oferecer.

bluegift disse...

Blondie dear,
Subescrevo também inteiramente o que afirmas. É exactamente essa a ideia subjacente a este tipo de política. Respeito pela autodeterminação dos povos e pelas minorias. A perspectiva puramente economicista e territorial cega muitas pessoas nestas situações.

bluegift disse...

francisco,
Relativamente à Blonde estás a tentar ensinar a missa ao padre... mania!!!
Na independência do Porto, pois acho que sim_ee, e o maióre come presidEnte! O Pinto da Cóosta pois então_ee! Livra! Tenho a impressão que não vais arranjar muitos adeptos ;)

António de Almeida disse...

-Bluegift
-País hospedeiro? Acaso a Jugoslávia algum dia foi um país? Aquilo foram as sobras duma divisão regra e esquadro, traçadas por dois abutres no final da 2ª guerra mundial, com a presença dum terceiro fortemente debilitado, estando o seu staff mais preocupado com uma guerra no pacífico que ainda combatiam, do que com uma realidade que face á distância e pouca importância, quase nem sabiam existir. A Jugoslávia foi uma invenção, construida em cima dum mito, a resistência partizan tem muito que se lhe diga, e duma figura ditatorial, Tito, que sendo croata governou na Sérvia, secando tudo á volta, ante as desconfianças do próprio biltre vermelho. Para se compreender aquela região, terá de se recuar aos impérios Otomano e Austro-Hungaro. De facto o Kosovo nunca foi mais que uma região, nem tão pouco é uma nação, pois enquanto tal os seus habitantes identificam-se com a nação Albanesa. A Catalunha ou o País Basco são nações, têm identidade e lingua própria. Vamos abrir aqui a caixa de pandora. Não estou a defender a Sérvia, longe disso, nem os massacres, e muito menos Milosevic, tenho é mesmo muitas dúvidas de toda esta proliferação de estados nos balcãs, a partir de regiões, que nunca passaram disso mesmo.

adrianeites disse...

esse milosevic mete-me tanto nojo.. tanto...

boa semana

bluegift disse...

Manuel,
Certo, Mas a Sérvia demonstrou da pior maneira possível que não preenchia o papel de albergador desta região; E não é por um povo nunca ter constituido nação que o será pior que outros. Não vai ser fácil, mas nisso não estão sós ;)

Repara: e a Bélgica? E a Suiça, a Rússia, o Ulster, e tantos outros? Acabas por dar razão à independência. Afinal, são povos muito diferentes e com identidades próprias!

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

Pinto da Costa é um bom dirigente desportivo: ao contrário dos outros, traz prestígio e vitórias. Mas as pessoas são invejosas..., hienas invejosas! Não defendi a sua candidatura presidêncial! Apenas disse que a mania das autodeterminações leva ao "disparate". Fazia "ciência" política irónica! :)
Quanto a este último tema, não há ciência política: é uma contradição nos termos! As pessoas abusam da "ciência" para legitimar as suas opiniões! Um estudo burocrático não é ciência! Salvemos a ciência destes usos ideológicos! Por favor... É preciso transparência e devemos ser consequentes com os princípios. Se aceitamos a autodeterminação do Kosovo e as razões que alegam, então regressamos à fase das tribos! Rigor... é científico.

bluegift disse...

adrianetes,
Ele e tantos outros como ele. O povo é muito trouxa quando segue pessoas deste calibre.

bluegift disse...

francisco,
Seguindo o teu raciocínio também não tens legitimidade para afirmares que estamos a regressar às tribos. A História é prova disso. Tudo uma questão de Ciência Política ;)

Sniqper ® disse...

Cara Bluegift,
Partilho da tua opinião, bem como do teu texto, o que simplesmente fiz foi dar um abanão em certas mentes adormecidas, essas que só poderão entender a dimensão dos crimes praticados, contra a vida humana quando colocarem de lado conversa vazia e cegueira social.
São muitos os que aqui falam, mas será que sentem 10% do que escrevem nos comentários? Duvido, mas espero que espaços como este sejam o caminho para educar os que falam por falar e lhes ensinem o caminho para a construção de uma sociedade justa e que respeite a vida humana.

jo ra tone disse...

Então ninguém me dá os parabéns pelo meu aniversário!
Sinto-me como o”calimero”.

Blondewithaphd disse...

Lá está, quando se lê sem parar para notar que existem conjunções adversativas dá generalizações melífluas totalmente enviesadas da mensagem original. "But", que em Português é "mas", implica uma oração subsequente em contradição com a precedente. E isto em todas as línguas.
Ademais, ser uma excepção também tem a sua dignidade e originalidade intelectual. Posso justificar cabalmente as minhas opiniões, recorrendo à Ciência Política (que, sendo uma ciência humana e social jamais é uma ciência exacta) ou ao pensamento individual devidamente fundado (ou não).
Não confundamos a honestidade opinativa com rigor científico, apesar de uma e outro não se auto-excluírem.
Outra coisita. Tudo serve de pretexto ideológico. A identidade é a grande matriz da ideologia. Por conseguinte, não sei como seria possível olvidar-me de tão pequeníssimo detalhe.
E sim, a Ciência Política estuda a ideologia, mas sem um cariz normativo-valorativo que é o que se tem andado à força a tentar dizer.
Exemplo: Intentemos o estudo do "Mein Kampf". Eu tomo uma posição em relação à obra. A Ciência Política, por sua vez, analisa as contingências em que a mesma foi produzida, contextualiza a sua temática e explica o seu conteúdo. Não vai afirmar se a obra é válida, correcta, incorrecta, se os indivíduos a devem aceitar ou não. Dá conta da ideologia lá vertida, mas demite-se de valorá-la. Isso é com quem lê.
Continuamos num diálogo de surdos.

Francisco Castelo Branco disse...

Pois é...
Hoje em principio nascerá Pristina....
Com ou sem guerra, apos a declaraço de independência vai haver fricções.
De um lado a Sérvia e a Russia, do outro a UE e os EUA.
o que poderá dar isto? Uma espécie de guerra fria...
Curioso é o facto de os novos países na Europa estarem a nascer daquele lado...
Depois de Montenegro, o Kosovo
Porque será?
Nao sei o que será, mas parece que a Ex-Jugoslávia irá morrer dentro em breve. Se que ja nao morreu...
Agora a independência coloca um problema:
Se der certo, outras províncias irao reclamar também a independencia....
Nomeadamente as provincias russas.
Daí o medo russo em relação ao Kosovo
mas sim, todos os povos têm direito á sua autodeterminação

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

Já não digo nada para não ser mal entendido: faz parte do espírito "democrático" cada um dizer o que entende sem ser questionado ou problematizado! Enfim, o fim do pensamento! :( Muito complexo isto: as pessoas são ideias e as ideias são pessoas! Donde resulta a impossibilidade do debate!!! :(

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

Contudo, deixo uma ideia para a chamada "ciência" política, que afinal é mera "sociologia": o que trouxe de novo à abordagem filosófica do problema do poder? Avançou em relação a Platão e Marx? Ou será mera "anexação burocrática" do património da Filosofia? Como dizia H. Arendt, as "ciências sociais" são "treta"... Já não falo de Heidegger ou de Davidson para não ser acusado de estar a "masculinizar" o conhecimento, embora ele seja uma criação masculina, tal como a indústria pornográfica! Batalha naval! :)))

bluegift disse...

sniqper,
É preciso sensibilizar as pessoas e fazê-las modelar um pouco os automatismos ligados ao poder e ao materialismo. Faz parte de uma certa realidade cultural.

jo ra tone
Então parabéns!

blonde e fsaraivadesousa,
Pois...

fcastelobranco,
Aquela zona não estabilizará tão cedo. Desde a queda do muro de Berlim e do poder imperialista da Rússia que aqueles países e povos entraram em convulsão, buscando desesperadamente novas referências. Outros "filmes" se seguirão.

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

Blue

Estive a ver o telejornal e as multidões exibiam bandeiras americanas! Isto vai trazer-nos problemas: Chipre, as ex-repúblicas soviéticas... etc. Mais guerras! :(((

António de Almeida disse...

-E se agora a República Sérvia da Bósnia desafiar o status quo, reconhecer a independência, ou dois pesos duas medidas? Só espero, e desejo, que tudo isto acabe bem, aquela zona da europa já foi palco do início de demasiadas tragédias.

antonio disse...

Sim, mas recordemos que no Kosovo, os cidadãos de origem Sérvia~não cnseguem emprego... Também aqui a comunidade internacional tem qe prestar uma particular atenção.

bluegift disse...

Confesso que o que me assusta mais ainda que todas as guerras possíveis, kosovos e cia, são os vossos comentários...
Ainda bem que em 1640 houveram uns doidos como eu que se estiveram a borrifar para o "perigo impressionante" de desagragação da Espanha e expulsaram os espanhóis aqui do burgo! Porque pelo que eu vejo e se este blogue pode constituir uma amostra representativa da mentalidade do povo português do sec. XXI, andariamos aqui todos hablando castellano!!!
Mas o que é que se passa? Será o medo medonho da mudança? Será por isso que quando alguém tem a coragem de mudar algo em Portugal toda a gente reclama? Vá lá, já começo a compreender um pouco melhor o que se passa. Afinal, os portugueses têm pânico à mudança! Reclamam, reclamam, mas quando algo muda ai santo Deus que a casa vai abaixo!
Ó santinhos, desculpem lá, mas eu nem acredito no que estou a ver.

Compadre Alentejano disse...

Por tudo o que houve nos Balcãs. o Kosovo já merece a independência.
Na realidade, a Sérvia, minoritária nessa região, tratou muito mal a população de maioria albanesa.
Agora a ONU e a NATO terão de estar vigilantes. Eles até já usam a nossa moeda! Pois é, é o primeiro país que não aderiu ao euro a usar a moeda.
Um abraço
Compadre Alentejano

Tiago R. Cardoso disse...

Gosto do ping-pong, agora oficialmente ténis de mesa, o desporto é praticado por atletas que têm a força e a técnica para o jogarem, de um lado para o para o outro anda uma desgraçada de uma bola, coitada da bola leva porrada dos dois lados, é usada como arma para ganhar ao outro, gosto é interessante.

bluegift disse...

francisco,
Sim, é isso, na realidade os kosovares deviam baixar a cabecinha esquecer as escaramuças e acolher de braços abertos os Séervios!!! Claro! Tudo isto em nome de uma bem amada paz podre. Então não é?

antónio de almeida,
Quem está a colocar dois pesos e duas medida és tu. As realidades de cada país são bem diferentes assim como a história dos acontecimentos. Mas, mesmo assim, se o povo o decidir assim será, porquê? Tens medo de outra guerra? Se tiver que ser vamos a isso. Pelo menos agora estamos prevenidos e preparados.

antónio,
Pois é, nem os albanófonos, vê lá tu! Olha que chatice, hein?! Pois é, ser independente e ficar como antes não está certo. Ah não, espera, tens razão, aos sérvios o emprego estava garantido! Pois lá terão agora que sofrer o que infligiram aos outros...
O que não vai acontecer porque a política interna agora será vigiada.

ai mãezinha... eu não acredito...

antonio disse...

Tiago, para não ficares triste, vou só dizer que li o teu comentário, que passo de imediato a ignorá-lo!

Quanto ao Kosovo, afinal o que são os direitos de meia dúzia de sérvios e ainda por cima mal intencionados...

bluegift disse...

compadri,
Cá por mim em 1640 um seu e outro meu antepassado andavam juntos a chutar espanhóis em vez de bolas ;)

tiago,
Diz lá se não te estás a divertir com o jogo? estás, não é?! Pronto.

antónio,
Essa foi muito bem apanhada ;)
Podes ter a certeza que esse deve ser o lado da cama onde os responsáveis vão dormir melhor...

Tiago R. Cardoso disse...

Não sei, quando a bola é um povo e os jogadores os americanos e os russos...

Blondewithaphd disse...

Blue dearest,
Pois... Estás certíssima! Não havia necessidade. Foram as tendências hegemónicas da Filosofia...

Back to Kosovo. Ouviram o discurso do PM? E já viram aquela bandeira? Muito interessante a estratégia diplomática. A Sérvia empreende o contra-ataque para não perder a face, mas a nação kosovar nasceu. Nem que a ONU agora se fosse colar à Rússia, right?

bluegift disse...

antónio de almeida,
Desculpa. O teu comentário das 13:01 foi respondido às 13:21 erradamente dirigido ao Manuel. Peço mais uma vez desculpa pelo engano no nome.

bluegift disse...

Tiago,
E a Rússia vai fazer o quê, Tiago? Neste momento está muito mais preocupada em levantar a economia e obter a abertura da Europa que em apaparicar as birras de um aliado ainda alucinado com questões de poder territorial. Não pode dizer que concorda com a independência, ficaria mal na fotografia, mas duvido muito sinceramente que vá armar guerra com a questão. Quanto muito poderá ganhar umas contrapartidas em outras áreas. Muito jogo meu caro, muito jogo.

bluegift disse...

My dear Blonde,
Não ouvi ainda o discurso, mas imagino.
E right, é isso mesmo.

Kalinka disse...

Neste final de domingo, e ouvindo a chuva lá fora a bater nas vidraças, gostaria de vos convidar a todos os amigos para um convívio, sentados nesta sala à volta da lareira, aceitam o meu convite?

Se quiseres e puderes, dá um saltinho ao blog da «pikena», minha sobrinha, ela tem tido poucos visitantes que deixam comentários...

Beijokas.

joshua disse...

Caguei para a Rússia e caguei para a Sérvia. Vejo com bons olhos a independência e demarcação do Kosovo assim como vejo com bons olhos a demarcação cultural e nacional da Catalunha e do País Basco que é um País, assim como da Córsega, assim como tudo o que houver por aí na Europa submetido à pata imperial e imperialista e territórial dos velhos hegemónicos França, Espanha, Alemanha, Inglaterra.

E digo mais: que se fodam os que têm medo das independências e têm medo das consequências. Que se fodam e se fodam e se fodam!

De cabrões medrosos e escravos está o Mundo cheio. Com esses não vamos a lado nenhum.

PALAVROSSAVRVS REX

Um Momento disse...

E o mundo seria tão diferente se a consciência de alguns pesasse mais e colocasse em prática todos os direitos que a cada ser vivo é devido...

(*)

bluegift disse...

kalinka,
Bem acolhedor o teu cantinho :)

joshua,
Ora, tiraste-me as palavras da boca, é que é isso mesmo!!! Haja alguém que leia o meu pensamento.

um momento,
Pois aí está uma grande verdade, só que infelizmente é como já aqui falámos, o mundo está cheio de gente horrível que é preciso ter coragem para travar.

bluegift disse...

Não posso deixar de transcrever aqui and for the records um dos comentários mais elucidativos nesta questão, recolhido do forum que se está a desenrolar no site da revista Newsweek, a propósito do artigo "Kosovo, a new failed state?". Aí vai:

Posted By: Dritero @ 02/18/2008 7:01:32 AM
Comment: Another Failed State? Co-authored by Rod Nordland and Zoran Cirjakovic (Serb) - can it be more biased?! To both authors, please tell us where in Resolution 1244 is written that Kosova is part of Serbia? Also, FYI Kosova was a constitutive part of Yugoslavia as per the Constitution of 1974 of then Socialist Federative Republic of Yugoslavia. In addition, to Zoran specifically, if anyone is responsible for the high unemployment in Kosova, that would be Serbia. Over 150,000.00 Albanians were fired from their jobs in 1990-ties by the government of Serbia. The same government continuously exploited the riches of Kosova without investing a dime to benefit the people that inhabited Kosova. "Small wonder then that its chief export is organized crime" come on, this coming from someone whose country (Serbia) is still run and still employees people in the highest hierarchy of police and army linked to the organized crime gangs and war criminals like Mladic, Legija and others. Your PM was killed

You (Serbia) should be the first to recognize Kosova's independence and ask forgiveness as a country not as single persons for all the victims and destruction caused by Serbia ??? over 10,000.00 killed among them women and children, thousands other women raped, thousands more tortured, and an entire generation of young Kosovars born 1980-ies deprived of their right to live and not worry about their future. I know it hurts but the pain will only go when you are able to face yourself and recognize the wrongdoing to others as a nation and as single person. Let us not forget that each one of you (Serbs) are individually responsible for all the destruction that occurred during the bloody dissolution of Yugoslavia ??? Slobodan Milosevic and the Socialist Party of Serbia won all the elections organized in Serbia since 1990 with a majority of more that 60 ??? 70% until he lost all the wars he started. He (Milosevic) only lost the elections in October, 2000 because he lost the wars and all he pledged for was and could not be accomplished, except the genocidal Republica Srpska. Eight thousand killed in Srebrenica in a matter of hours by the holly Serbs. Who knows, maybe they all went straight to haven! Hey, they were killed by angels, were they?!

Dritero