Notas Emprestadas - O fluxo da vida.

Dando sequência à divulgação e cooperação com outros autores e projectos, o NOTAS SOLTAS avança com mais umas Notas Emprestadas.
E é uma dupla novidade dado que é uma autora nova e ao mesmo tempo, é o primeiro texto vindo de além-mar.
É uma excelente escritora, uma pessoa fenomenal e uma amiga que acompanhamos e lemos com prazer há muito tempo. Conceição Britto de seu nome...

Eu não quero me acostumar à beleza da luz do amanhecer.

Eu não quero porque desejo desfrutar diariamente como um presente inesperado.

A cada minuto, o céu muda suas cores e à medida que a poderosa luz do sol abre caminho fazendo com que as sombras nocturnas fujam apavoradas e incapazes de resistir à beleza que a claridade faz ao surgir um novo dia.

Eu sempre gostei de contemplar as paisagens, estender o olhar até as coisas mais impossíveis.

Lembro-me quando menina saltava com toda as minhas forças e tentava ver o que se escondia além da linha que unia num só beijo o céu e a terra, e estava segura de ter visto que o que ninguém jamais havia podido contemplar.

Lá, atrás da última fronteira, eu pude ver a Dona Dulcineia del Toro, na sacada de seu " castelo" esperando a chegada de seu cavaleiro Dom Quixote e seu fiel escudeiro Sancho Pança. Havia também piratas, princesas. E juntos lutavam contra as forças do mal.

Hoje já não é a mesma coisa.

Nem os sonhos, nem os objectivos, nem sequer as ilusões são as mesmas.

Eu vou mudando e comigo uma vida. A qual eu agarro, mas as recordações eu as levo comigo.

Sempre me questiono e chego à conclusão que a única coisa que permanece inalterável é, ao mesmo tempo, o que nos muda.

Veremos o mesmo céu e desfrutaremos de suas mil cores. Transcorrerão as mesmas horas e os dias seguirão dormindo suas noites.

Passaremos pela vida descobrindo novos mares, descobrindo novas terras, até que um dia, sem sabermos chegaremos ao nosso último horizonte.

E ao lançarmos nossa visão, o passado saberá que o Tempo que a tudo muda e nada respeita, continuará jovem em sua senilidade, tirando sarro daqueles que não souberam desfrutar o que estava diante dos seus olhos e assim, conheceremos à alegria e a tristeza em doses iguais.

Transbordou-se o fluxo da vida.

Agora só se sabe dizer adeus.

Autora : Conceição Britto - Escritora convidada do Brasil

20 comentarios:

António de Almeida disse...

-Um ponto de vista interessante, que aborda a nossa passagem efémera pela vida. Um pequeno reparo ao editor, indicaram a autora do texto, mas não onde a costumam ler, caso queiramos descobrir a sua escrita, isto caso ela costume escrever nalgum espaço é claro, eu julgo nunca ter lido nada da Conceição Britto.

NuNo_R disse...

Muito Bonito!!!

Bjs abr...prof...

Tiago R. Cardoso disse...

António de Almeida,
Não foi esquecimento, foi pelo facto de se tratar de uma escritora Brasileira que nos deu o prazer de enviar textos para contribuir para o NOTAS EMPRESTADAS, temos seguido o trabalho dela não num sitio especifico, mas em vários lugares, tendo eu em particular já ter publicado textos delas no blogue "Com Imagens".

Tiago R. Cardoso disse...

Publicamente agradeço a participação da Conceição no Notas Emprestadas, tenho lido textos delas, como já disse em vários lugares incluindo no meu outro lugar já publiquei textos dela, é de facto um maravilhosa escritora.

Avançando num linha diferente, este texto faz-nos pensar na vida, nas mudanças que fazemos e na avaliação final.

Onde se começa na infância cheia de sonhos, isenta de preocupações, inocente, onde tudo é fantasia.

Depois adultos que "combatem" todos os dias, uns na tentativa de alcançar sonhos, com saudades dos tempos em que tudo era inocência, outros deixam-se trucidar por este mundo, esquecem-se de viver.

No final faz-se um balanço, procura-se saber se realmente vivemos, se conquistamos todas as batalhas e sonhos, se valeu a pena.

bluegift disse...

Este texto lembrou-me uma sequência do filme "As Bonecas Russas" do Cédric Klapisch. Uma mãe tenta explicar ao filho de 3/4 anos a diferença entre a estória de contos de fadas que acabou de contar e a sua relação com o pai da criança. A princesa casava com o principe que tinha um grande palácio e viviam felizes para sempre, fim da estória. Mas a mãe, entre muitos principes falhados, tinha encontrado o pai que não tinha um grande palácio mas uma grande mota e não viviam juntos porque outros principes e princesas entretanto apareceram e acabava por ser difícil viver feliz para sempre... A pobre criança vê o conto de fadas desmoronar-se completamente e, quebrado o encanto, desata a chorar.
Será que temos de inventar outros contos de fadas mais adaptados aos dias de hoje? E que não façam as crianças chorar, de preferência...

adrianeites disse...

Bom texto.
boa semana!

quintarantino disse...

Gostei ... da participação e da abordagem cristalina e linear a um rito ... à passagem pela vida e como o podemos fazer.

A autora merece ser lida ... seria interessante que se pudesse divulgar os sítios onde costuma escrever, mas o trato estabelecido entre a nossa amiga Conceição Britto e o Tiago parece que tem lá uma cláusula destas!

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

É um textinho! Apenas isso! :)

Compadre Alentejano disse...

Um modo poético de ver a vida, desde a inocência até ao opúsculo.Gostei, e dou os meus parabéns à autora.
Um abraço
Compadre Alentejano

António de Almeida disse...

-Ok, esclarecido, mas não deixo de reafirmar que gostei muito do texto, e gostaria de pesquisar um pouco mais sobre esta autora.

Fátima disse...

Amigos,

Texto muito bom, revejo--me em muitos pontos!

:-)um abraço

Carol disse...

Gostei de ler este texto e de conhecer um pouco mais do trabalho desta escritora, que já conhecia do Com Imagens.
Também gostava de seguir o seu trabalho literário com mais regularidade, mas já que não é possível, paciência!

Marta disse...

As recordações são nossas; para amar e ajudar a enfrentar todas essas mudanças...
Mudanças que moldam a nossa vida.........

Lindo texto, Conceição...
Beijos e abraços
Marta

antonio disse...

Sobre a dobra que o céu faz sobre a terra fica o horizonte. Tudo é possível onde a terra acaba e começam os céus...

Lampejos disse...

.......


Este é o momento em que pensamos no que estamos fazendo com o nosso tempo!?

Mas o que é mesmo o tempo?

Se deixarmos, O tempo pára na porta da sala, não entra e nem senta, esvai-se pela janela e se abastece das ausências em algum andar de cima.

Continuamos sobrevivendo do que sobrou de todas as falhas: O tempo, esse não tem mais volta!
Já foi! Agora só consegue ser recordações, porque se eternizou na poesia escrita na pele.

Ah, mas a poesia? Essa sempre escapa para outros lugares fazendo tatuagem no tempo!

........

Amigos são assim...se revezam, se completam com a mistura.

Conceição: Neste exato momento nos encontramos nas palavras.

(a)braços e flores :)

Maria P. disse...

Sublime.


Um abraço a todos*

Sniqper ® disse...

Excelente texto e pena é não podermos ler mais sobre esta belíssima escritora, mas vamos confiar no Notas e no Tiago, tenho a certeza que mais e melhor vamos ter oportunidade de ler.
E, como não podia deixar de ser, raios partam certa gentinha, que tem a distinta lata de comentar desta forma...
É um textinho! Apenas isso! :), mas enfim, no mundo existe de tudo, até gentes desta, que é bem pior que a peste negra.
As minhas desculpas ao Notas, mas ficar calado, custa.

Latitudes disse...

não sei se o tempo que ainda resta flui para o açude que retém todos os momentos que usamos para construir memórias…
o que subsiste de nós é tempo que ainda descreve dias iguais a tantos outros sonhos…
a inocência repetir-se-á sem exaustão em todos os olhares que se deslumbrem ao amanhecer… sem nunca dizer adeus…

Blondewithaphd disse...

Life in its manifold manifestations so that we don't go by it not noticing. And a personal apprehension of such manifestations. A different approach here at Notas! Opinion but at another level:)

lua prateada disse...

Obrigada pelos parabéns amigo
Uma maravilhosa semana para ti
Beijinho prateado com carinho
SOL