As aventuras de Joe, o justiceiro de negro.

Ninguém sabia bem de onde tinha vindo, sabiam apenas que tinha atravessado desertos, lutado contra tempestades, que tinha chegado no meio do nevoeiro; muitos acreditaram que seria o regresso do D. Sebastião, mas não, ele afirmava-se um homem como todos os outros.

Muitos, antes da sua chegada, já o tinham anunciado como o Profeta, o herói, o libertador, aquele que iria fazer regressar a justiça.

Chegou e logo mostrou que trazia consigo todos os seus tesouros, quadros de enorme valor, jóias, tapeçarias e muito, mas mesmo muito, dinheiro.

Num acto de "boa vontade" tratou de negociar com as autoridades locais um lugar para expor as suas riquezas e claro o "povo" também teria direito a ver semelhantes maravilhas. "Humildemente" mostrá-las-ia a todos, já que por aqueles lados só se poderia sonhar em ter algo assim, claro que tudo feito segundo as suas condições, senão levaria os seus pertences para outras paragens.

Com os enormes recursos que tinha, aos poucos foi entrando em tudo, adquiriu negócios, empresas, investiu em bancos, na Bolsa, fez-se ainda mais famoso do que era.

Sempre vestido de preto, começou a aparecer em todos os meios de comunicação Social, tentando dar opinião sobre tudo e sobre todos, como se fosse o detentor da verdade, o justiceiro, o opinador mor.

De um jeito um pouco turbulento, metia sempre a "colherada" em tudo, mesmo que muitas vezes tivesse de engolir em forma de "golos" alguns disparates que dizia, mas desculpava-se sempre com o facto de as pessoas o interpretarem mal.

Viu a corrupção, o compadrio, o roubo e não se deteve, avançou, denunciou, gritou aos sete ventos as misérias dos banqueiros, esses mesmos de quem era tão amigo. Em triunfo saiu em ombros levado pelos "pequenos" amigos, de polegares levantados, sentiu-se nas nuvens, era o maior...

Mas como sempre, tinha detractores, pessoas que o olhavam com desconfiança, afirmavam que aquilo era tudo negócio, que no fundo tentara comprar a águia da cidade, não por amor, nem por amizade, mas sim com vista a mais um negócio.

Que correra com o presidente amigo fundador banqueiro, não para salvar estabelecimento mas sim para tentar ficar com ele.

Quando olhava para algo pensava logo em dinheiro, por mais insignificante que a coisa fosse.

Em momentos de desespero pensou em voltar para o deserto, mas sabia que o Lino andava por lá e que num futuro próximo outros colegas dele iriam pelo mesmo caminho, possivelmente ficaria demasiado apertado para seu gosto.

Nessas alturas era bom ouvir o que gritavam na praça, onde se destacava o Filipe, empresário de créditos firmados:

"O sistema financeiro português está em dívida com ele e devia agradecer-lhe."

E subindo ao palanque da Comunicação Social, gritou, sem medo das consequências, "Joe Berardo, foi o único homem em Portugal que teve a persistência, além da coragem, para denunciar, com conteúdo, insistir e exigir que se investigue a fundo."

Mas desta vez no meio da multidão, alguém retorquiu "Obrigadinho, eu também se tivesse o dinheiro que ele tem, coragem era coisa que não me faltaria !!!"

35 comentarios:

António de Almeida disse...

-Pessoalmente não sinto qualquer simpatia por alguém que não cria qualquer espécie de riqueza, não produz rigorosamente nada, limitando-se a investir na especulação do mercado de capitais. Confesso que até me dá um certo gozo, quando estes agiotas perdem dinheiro. Joe representa o que de pior existe, no mercado, a chico-esperteza. Para mais, dão-lhe atenção excessiva, em qualquer país mais desenvolvido, ninguém lhe ligaria nenhuma, bem faz a "CVM", que não lhe passa cartuxo.

Manuel Rocha disse...

Muito bem, Tiago !!!

Só foi pena ter-se esquecido do caso do "MarBello"...

O caso é que conheço muita gente que não se importava nada de estar no lugar do dito senhor e que se o conseguissem mudavam certos "discos" num abrir e fechar de olhos : ))...

O dinheiro tem virtudes terapéuticas que nem a medicina consegue explicar...

Zé Povinho disse...

Não tenho grande apreço pelo senhor, até porque sei o que me disseram muitos "magaíssas" que voltaram aMoçambique depois de trabalharem em minas da South Africa, como o dito diz. Quanto à "benevolência cultural" do senhor, creio que ele fez melhor negócio do que o Estado, mas é só a minha opinião. Talvez seja incómodo para os seus pares, mas certamente que tem em vista lucrar com isso, e o dinheiro é um excelente respaldo para falar como fala.
Mas reconheço que por vezes pessoas destas até fazem jeito para abanar a "barraca".
Abraço do Zé

osbandalhos disse...

Comentário sobre "Deixar o seu comentário"
Devem os nomes levar a algum lado? Achincalhar e ofender debaixo dum nome, ou caminho, que leva a lado nenhum.
Não precisam pedir desculpa por serem assim. Com a idade perdem-se luxos, não se ganham.
A criação dum blogue não dá poder algum sobre ele, com excepção de colocar e retirar mensagens. Não é espaço privado, não está registado no cartório.
Qual o problema de achincalhar e ofender? Depende muito mais do ofendido. E com um governo destes, alguém se sente ofendido por qualquer outra coisa?

The stars are not wanted now: put out every one;
Pack up the moon and dismantle the sun;
Pour away the ocean and sweep up the wood.
For nothing now can ever come to any good.

Tiago R Cardoso disse...

Os bandalhos,
permita-me discordar, aqui o local está registado , é dos autores que têm todo o prazer de o partilhar com os leitores e com os comentadores.
Agradeço a participação e analise que fez ao texto.

sniqper ® disse...

Mais um dos muitos que cairam do espaço, esse enorme campo que ainda é um mistério, como tal dele só podem cair mistérios. Como Portugal também é um mistério, pela forma como vivemos e somos governados, é um local agradável para tais personagens viverem, em liberdade absoluta e disfrutando este jardim onde quem sabe usar euros é rei e senhor do burgo.
Fui dar uma voltinha pela Internet e encontrei umas histórias e citações do Joe, perdão do Senhor Comendador Joe Berardo...

Com 61 anos, é um dos poucos bilionários portugueses, dono de uma das maiores colecções de arte moderna do mundo, investidor com participações financeiras em empresas como a Sonae ou a Teixeira Duarte e ainda com negócios que vão dos tabacos da Madeira aos vinhos JP.
Com 19 anos, pobre e com poucos estudos na bagagem (deixou a escola aos 15), José Manuel - mais tarde "Joe" Berardo, partiu para a África do Sul em busca de trabalho e fortuna. Começou por penar nas minas de ouro sul-africanas e em menos de nada já tinha uma empresa de camionagem para transportar os resíduos do minério.


“Não sou tão importante como Gulbenkian mas quase”, “Portugal não é bom para enriquecer. Só para trazer fortuna...”
JORNAL DE NOTÍCIAS, 20.Agosto.2007


Podem ler muito mais neste site:

http://www.acores.com/a/joe_berardo.html

Estar informado faz parte do nosso crescimento, mas por outro lado penso no porquê de dar tanta importância a estes personagens! Cada dia que falamos sobre estes seres iluminados, estamos a fazer um trabalho de divulgação grátis que eles agradecem e quem dele vive, a Comunicação Social.
Gostei do texto, sem dúvida alguma, mas muito sinceramente começa a chegar o tempo em que devemos pensar em NÓS, a tomar atitudes, senão meus amigos e amigas continuamos a servir de diversão e fonte de rendimento de meia dúzia de senhores.

A Blogosfera pode e deve ser um instrumento de divulgação de vivências, onde cada um de nós pode contribuir com as suas experiências, fazendo dela uma fonte de crescimento humano, de preparação para todos podermos começar a MUDANÇA.
Continuar a ser um eco da Comunicação Social é um erro, que eles agradecem. Vamos ser A VOZ, esse é o caminho certo, pensem nisso.

Carpe Diem...

Tiago R Cardoso disse...

Siqper,
Tem toda a razão, no entanto temos que nos rir de alguma coisa, é que no estado que as coisas andam dá é para chorar.

SILÊNCIO CULPADO disse...

Vou repetir o que alguns comentadores já disseram sobre Joe Berardo. Primeiro acho que ele não merece a atenção que lhe damos. Ele fez fortuna através da especulação dos mercados financeiros e não através de indústrias que desenvolvam o país e criem postos de trabalho. Sinceramente dá-me voltas ao estômago cada vez que o vejo na TV e constato as deferências com que é tratado. É com estes "Joes" que conseguimos diminuir o déficit sem criar autêntica riqueza e mantendo o desemprego a subir.

quintarantino disse...

Sobre o texto, Big Joe é um personagem que não se enquadra no "mainstream" e por isso é malquisto por alguns sectores.
Como empresário é capaz de não ter sido, nem ser melhor ou pior que muitos outros que por aí campeiam.

Tem é o fascínio de surgir aos olhos de quem pretensamente é gente bem como um parolo e aos olhos de quem é pretensamente parolo como um tipo cheio de dinheiro que até manda umas piadas de mau gosto sobre Rui Costa, por exemplo.

ana disse...

Pessoalmente acho que há muita gente que adoraria estar no lugar daquele cêpo.

O tipo não sabe falar, acusam-no de não produzir riqueza e de andar a pavonear-se, mas a verdade é que os alegadamente poderosos lhe beijam a mão. Banqueiros incluídos.

Shark disse...

Noto que a nação se divide a propósito, ou será que é a despropósito, do Joe, o justiceiro.

Devo dizer que a personagem me é indiferente.

Discutir Joe Berardo porquê e para quê?

Porque tem uma exposição patente no Centro Cultural de Belém e mandou o Mega Ferreira dar um passeio à beira Tejo?

Porque quis ganhar dinheiro no BCP em vez de ter de estar a ver apenas os outros a acobertarem-se com generosas maquias e perdões convenientes?

Porque comprou acções do BCP com dinheiro emprestado pela CGD e agora aparece com grande defensor da candidatura do homem forte da CGD e do seu escudeiro, Armando Vara?

Porque insultou Rui Costa e, a dada altura, quis ajudar o seu clube com uma pretensa operação de aquisição?

Daniel J Santos disse...

Penso que o autor não quis discutir o individuo, pelo que entendi apenas pretendeu por a nu uma sociedade que diverge perante estes iluminados que nos chegam numa noite de nevoeiro, envoltos numa capa de salvadores e "self made man".

antonio disse...

Tiago, uma pergunta? Porque é que os homens que despertam paixões em Portugal têm que ter um lado excêntrico e desequilibrado? Joe, Alberto João, Scolari... e o grande Madaíl!

Tiago R Cardoso disse...

António,
Talvez a culpa seja do povo que se revê neles, eles talvez sejam a imagem daquilo que a maioria queria ser e nunca poderá ser, acentuando-se assim ainda mais esse lado excêntrico e desequilibrado aos olhos das pessoas.

Márcio disse...

Independentemente disso, que também concordo um pouco, a verdade é que esse senhor sempre teve muita participação activa na sociedade... não visto aos olhos de todos, porque infelizmente a Arte é pouco acompanhada e divulgada.
Achou por bem agora dar-se mais visibilidade... noutras áreas que também tem poder e conhecimento de causa.

antonio disse...

Somos assim tão pobres? Talvez... não me atrevo a continuar.

JOY disse...

Muito sinceramente também eu não consigo perceber a atenção e a deferência com que esta personagem é tratada pelos midia.Joe Berardo tem procurado esta exposição mediática para preparar o assalto ao BCP ,é ver as cambalhotas que já deu neste caso e esperar os próximos capitulos.

JOY

Fa menor disse...

Tiago,
O Joe faz umas manobras e tal, mas pode com elas! acho que não é só pelo facto de ter dinheiro. Coragem é o que é preciso, independentemente de se ter dinheiro ou não!

Carol disse...

Tiago, pelo que percebi, querias pôr a nú a forma deslumbrada como a nossa sociedade encara algumas personagens do nosso país, certo? Se é o Joe ou outro qualquer, é indiferente.
O que é certo é que tens razão no que dizes, o dinheiro permite tudo! Podes ser parolo, burro, inculto, não sber do que estás a falar mas, se tiveres dinheiro, ninguém te incomoda ou chama à razão!
Quanto à fortuna dele, não foi feita de forma escrupulosa e honesta certamente. Por alguma razão, os madeirenses (e não os portugueses) são das maiores vítimasda criminalidade sul-africana. Há sempre uma explicação para tudo...


P.S.: Oh, António, olhe que aquilo que pensa ser excentricidade e loucura no Madaíl é só mesmo álcool a mais (do bom, claro está!). A esse conheço eu bem!

Dalaila disse...

Não consigo suportar o Homem, estou farto de o ver entrar todos os dias na minha casa, e não percebo, o que é que ele fez pela humanidade para isso.... Portugal sempre no seu melhor

Cati disse...

Assim que comecei a ler vi logo que estavas a falar do Joe Berardo!

Joe Berardo, para mim que percebo pouco de Economia (pelo menos a Economia que vai além da minha carteira... LOL), é uma espécie de José Castelo Branco da Economia...

Só que este é rico...

Beijos grandes!

PS -Obrigada pelas visitas Tiago... Xuac!!!

Joshua disse...

Um entretainer, é o que ele é. Agora temos alguém que nos diverte grátis, além de ser um modelo de máximo oportunismo e de máxima 'civilidade'.

Com efeiro, está frio.

Blondewithaphd disse...

Hmm, my, oh my, what a Quitanratinian text!! A very effective way of saying what we all think about Berardo and are afraid to say. Well, as far as I'm concerned, f**** him! Why should I even discuss this?

NÓMADA disse...

Joe Berardo é para mim o símbolo daquilo que não deve ser nem gosto de ver. Pedante, com as deferências dum Estado de cultura mediocre que lambe o chão a quem o ajuda a fazer descer o déficit mesmo que esse alguém seja um agiota de ética discutível.
Tem dó, Tiago. Eu quando vejo o Joe na TV mudo de canal e logo o vim encontrar aqui!... (A coleccção de arte é excelente. Está uma exposição em Sintra, no Museu de Arte Moderna, que aconselho vivamente).

Mas gostei do texto. Está muito bom. O que eu não gosto é do Joe.

Sei que existes disse...

Gostei desta história realista, acabei por me rir um pouco! No entanto, não sinto simpatia pela personagem real!!
Beijocas grandes

NuNo_R disse...

Já tou como o outro, com o guito dele também so fazia o que queria... e muita gente iria levar comigo... eheh


abr...prof...

Maria P. disse...

Será o Quarto Rei Mago?!...

Um abraço*

sol poente disse...

No País dos pequeninos qualquer fulano pode ser rei desde que tenha guita. Agora nós é que temos que ter dignidade para não lhe prestar vassalagem. Gostei do texto.

Francisco Castelo Branco disse...

Gosto de Joe Berardo.
Aparece em tudo o que é assunto.
É um homem dos sete ofícios!!!!
Berardo para Presidente

David disse...

Passei por cá só para dizer que voltei... comentários já de seguida :)

um abraço

Laurentina disse...

Por aqui se vê como o País esta na trampa , para não dizer na merda por respeito aos donos da casa.
Enquanto se der tempo de antena a gente desse calibre ...não se vai longe.

Os magaíssas devem te apanhado poucas por causa dele, não é em vão o que se ouve os negros das minas falar dele.

Não gasto mais tempo com esse tipo.


Beijão grande para todos

MIMO-TE disse...

Confesso que só consigo pensar que é mais um, num país pequeno como o nosso em que a esperteza supera a inteligência. Nem discuto, para quê? Como ele andam tantos por ai, tentando ser conhecidos o que até é bastante fácil!!! Não me revejo nessa gente, não lhes reconheço qualquer mérito.
Quando será que vamos começar a valorizar a cultura e a inteligência de muitos que deixamos sair para fora e que tanto tinham para dar a este país???

Miminhos meus para essa equipa fantástica!!!

ANTONIO DELGADO disse...

Um portugues que adpta em adulto, um nome ingles é curioso em termos da mentalidade com que se estrutura. Joe havia um na minha escola quando andava no ciclo era o JOE KIT CARCAÇAS.

um abraço
António

Lampejo disse...

Tiago,

Seja como for, com dinheiro e humanidade tudo fica tão mais fácil.

Pugnamos por uma sociedade que diverge daquela que vivemos.


Com tu, ficou em festa com os teus textos.!

(a)braços :)

FERNANDA & POEMAS disse...

Olá meu querido Tiago, lindo texto!
Sem mais comentários.
Grata pela tua presença, no FOTOS-FERNANDA.
Muitos beijinhos, Amigo!

Fernandinha