Porque é Natal...

Porque é Natal, queremos todos ter palavras oportunas e gordas de significado. Queremos evitar os chavões em que sempre, e invariavelmente, caímos, mas que pronunciamos num fluxo inovador, convencendo-nos da nossa originalidade. Queremos evitar as redundâncias e as repetições. Queremos o contágio do espírito da época numa forma nunca antes tão sincera e sentida. Enfim, queremos. Porém, já tudo foi gasto.

Porque é Natal, compramos a caridade dos postais da Unicef. Enchemos o coração de dó e comiseração pelos pobres e andrajosos, pelos párias, pelos “agarrados” a alternativas de vida que nos chocam. Pensamos nos meninos sem presentes e enfastiamos Pais Natal de mentira com a obrigatoriedade de alegrar os coitadinhos dos orfãozinhos. Contudo, nenhum alívio advém da nossa munificência natalícia aos desgraçados desta Terra.

Porque é Natal, esgotam-se em discursos os chefes laicos e as eminências eclesiásticas. Elegem-se as personalidades do ano, os altruístas exemplares que devemos admirar e imitar (excepção feita a 2007, porque esta do Putin ser o homem do ano engasga até o Inominável ele próprio). Batem-se palmas aos planos para o futuro e às conquistas do ano que finda. No entanto, é tudo vão, vazio de intenção.

Porque é Natal, partimos desgarrados em frémitos consumistas. Sucumbimos aos enganos publicitários. Atravessamos estoicamente as multidões que fazem o mesmíssimo que nós. Tornamos exangues a casa carregados de inutilidades, quinquilharias, bugigangas massificadas e informes. Todavia, não é aqui que encontramos o valor das coisas.

Mas porque é Natal, o mundo não deixa de girar e lembrar-nos da nossa mortalidade e da nossa insignificância cósmica. A própria Natureza não se apieda: Bam, tsunamis… As guerras olvidam-se da quadra e a mortandade prossegue ao seu ritmo diário. A mentira continua. A falsidade não abranda (ironicamente até se compraz da época que tudo lhe permite e a promove).

Mas porque é Natal, lembramo-nos que há cerimónias de vago fundo religioso. Afinal, o pinheiro (importação do paganismo teutónico que nos legou D. Fernando de Saxe-Coburg) não deixa de ser um símbolo apenso à religiosidade. E, bem vistas as coisas, o Presépio até conquistou o obrigatório laicismo chinês que agora produz figurinhas incaracterísticas a rodos.

Mas porque é Natal, e eu ainda creio, com uma confiança obstinada e profunda, nos Homens de Boa-Vontade, aquecemos o coração com a presença anímica dos que já partiram. Reunimo-nos na energia emanada dos que nos rodeiam e preenchem os afectos. Iluminamos a alma numa aura de alegria por mais um ano que nos foi dado, mais um momento precioso e recatado nos nossos espaços da privacidade.

Mas porque é Natal não reverberamos na nossa Humanidade? Não nos tornamos humildes ante o fascínio místico desta celebração imortal, cíclica, ritual? Não nos agigantamos na força telúrica dos nossos sentimentos? Não nos magnificamos no dar e no receber? Não nos recatamos das crueldades mundanas?

Sim, porque é Natal, o Homem ainda se humaniza. Num resquício primevo que nos vai restando celebramos o maravilhoso, a família, a infância, o amor, o sagrado e o profano (como Mircea Eliade juntou irremediavelmente). Exaltamos a paz e a concórdia entre os povos. Somos Homens, imperfeitos, é certo, mas ainda Homens.

E porque é Natal: a todos Boas Festas (no sentido mais ecuménico da expressão).

32 comentarios:

quintarantino disse...

Assim como nunca ninguém se banha duas vezes no mesmo rio, também o tempo se assume como um escultor que, de forma quase imperceptível mas certamente perene, traz ventos de mudança… cada porta que se abre, cada janela que não se fechou recebem-nos… fortes e inclementes, às vezes, suaves e cândidos, nas outras… o Natal é sempre o Natal, mas, como diz o poeta, mudam-se os tempos, mudam-se as vontades… onde antes era musgo, agora plástico; onde antes era Missa do Galo, agora vinho espumante…

Shark disse...

Permita que lhe diga o quão extraordinário é o seu texto. Lindíssimo. Com uma conclusão notável a partir de um autor injustamente olvidado.

antonio disse...

Quint, profunda a tua reflexão... e eu que vinha aqui só dizer que a Blonde se esquecera das prendas.

Natal sem prendas é como o Natal sem presépio... mas porque é Natal sejamos humildes em celebrá-lo.

Blondewithaphd disse...

António, há tantas coisas tão melhores que presentes...

Joshua disse...

BlastingLightningBoltBlondie, sabes o que senti ao ler este teu escrito absolutamente genial?

Que me traduziste todo do meu léxico particular, o Loucorês, porque de facto sou um Louco e falo a Língua Louca da Poesia, para Linguagem. Naquele ponto e neste e naqueloutro, senti que percorreste e sintetizaste o que todos vamos reflectindo por esses milhares de blogues que algumas bestas querem apoucar.

Ler-te isto fez-me, portanto, Feliz e sentir-me, como hei-de dizer isto?, CABALMENTE COMPREENDIDO. Se há alguém na blogosfera que me Lê e Saca e Entende, fibra a fibra, definitivamente és tu, BlastingLightningBoltBlondie.

Ora isso é de fazer um ser Humano mais feliz! Bem mais feliz, no meio de tanta deserção de pensar e de sentir com o pensamento e a imaginação e o afecto e a pele onde lateja um coração!

Mi casa es su casa, BlastingLightningBoltBlondie!
De Ahora Hasta Siempre!

Beijos

joshua

Manuel Rocha disse...

Dizia o outro que a tradição já não é o que era. Não só pelo Natal, cujo simbolismo se abastardou nas naves das catedrais do consumo, mas pelo facto de surpreso, ter verificado que a blond escreve em português !!!

Ou será que ao contrário do Sem Penas as Notas Soltas têm serviço de tradução simultânea?!

Seja como fôr gostei da forma limpa da prosa. Se das ideias eu disser que são os clichés esperados na época, espero que me leiam pelo que intento: um desafio a quem seguramente é capaz de nos surpreender !

António de Almeida disse...

-Blondie permita-me uma observação, "nada é melhor que um presente", mas este não terá de ser forçosamente um bem material superfluo. Independentemente da convicção religiosa de cada um, esta é uma época de paz, boa vontade, onde, ainda que por pouco tempo, as pessoas reecontram familiares, por vezes até conseguem reencontrar-se consigo próprias. É um pouco isso o "espírito de Natal", julgo eu! E já agora, "Feliz Natal" a todos!

O Guardião disse...

Com ou sempresentes, úteis ou mais ou menos inúteis, o homem merece, apesar das suas imperfeições, passar uns dias a pensar em paz, tolerância e sobretudo na família. Não conseguimos esticar por muito tempo essa disposição, é certo, mas é o que se arranja, enquanto nos vamos aperfeiçoando (?).
Cumps

ana disse...

Nasce um deus, outros morrem.
A verdade nem veio, nem se foi.
O Erro mudou.
Temos agora uma outra Eternidade.
E era sempre melhorou o que passou.
Cega, a Ciência a inútil gleba lavra.
Louca, a Fé vive o sonho do seu culto.
Um novo Deus é só uma palavra.
Não procures nem creias:
tudo é oculto!

Miss Vader disse...

Miss Blonde, gostei do teu texto. Bom Natal para ti.

bluegift disse...

Hi Blondie, I'm back for xmas ;)
Just to tell one thing I learned in these past few years, when I couldn’t understand why so much people could be so cold, rational and sceptic about Christmas. Christmas is money and hypocrisy, ok; can you tell me one thing in this world that people don’t take advantage to earn money and being hypocrite with? Even love, sex or children! That’s not a reason to stop falling in love, making sex or having children, is it?
Each person lives Christmas the way his family did. For me it’s the great family celebration and it became friends’ celebration too. I love my friends and family and Christmas always seemed the right time to celebrate our ties, especially by the magic of the story of a child being born to bring Hope and Peace. No matter if it’s true or not. Magic, in love or whatever you want, is the only “reality” that can make us happy.
But, no matter what you think about it, have a nice Holiday!

Carreira disse...

Desejo um bom Natal aos autores do blogue e a todos os seus leitores.

José Carreira

(www.cegueiralusa.com)

Márcio disse...

Talvez n seja altura de estarmos a criticar as más intenções e darmos apoio, amor e compreensão com aqueles que precisam… Este é o momento de confraternização, respeito e cumplicidade nas famílias!
Feliz Natal, desde já a toda a equipa do Notas.

JOY disse...

O meu Natal é o momento de convivio com a familia com os meus filhos, mulher,sobrinhos,passar mais tempo com as pessoas de quem gosto e que devido ás distãncias torna a ausência prolongada.É isto que para mim torna aquela noite mágica.(relegiosidade á parte ).

Somos Homens, Imperfeitos,é certo mas ainda homens. Que esta frase continuie verdadeira.
Desejo aos autores deste blog um FELIZ NATAL

JOY

Tiago R Cardoso disse...

Agora seria a altura de eu entrar também na conversa, evidentemente apresentar alguns "lugares comuns", mas é isso que tenho de fazer porque por muito que digamos já tudo foi dito.

Eu detesto isto que esta sociedade nos serve e que chama de Natal, mas era este o Natal que eu gostava.

No entanto acho que este vou passar está diferente, tem mais cor, tem mais "cheiro", tem mais alegria, não sei está diferente, se calhar eu é que estou diferente...

Tomara que para muitos seja também um momento diferente, um momento realmente vivido no espírito do Natal e o que isso significa.

Sempre acabei por dizer uns "lugares comuns", mas não faz mal foram sinceros...

mac disse...

Mudam-se os tempos mudam-se os Natais, mas cabe a nós celebrar e viver o Natal que nos faz melhor ao coração.

Manuel Rocha disse...

Tiago;

A sinceridade não é um lugar comum. Esse estatuto é predicado da hipocrisia.

maria disse...

Adorei a sinceridade.
E o modo como caracteriza o Homem.

Daniel J Santos disse...

Um texto bem conseguido sobre o Natal que temos hoje, onde só por um dia todos se sentem contagiados por um saudosismo a um espírito de Natal que já pouco se vê.

Guilherme Santos disse...

Mais um bom texto, não tenho duvidas que este blogue tem subida de qualidade a um ritmo impressionante.
Uma boa descrição do Natal.

Ana Luar disse...

Completamente rendida a um texto magnifico.
Melhor do que todos os presentes embaixo da árvore de Natal é a presença de uma família feliz e do abraço de amigos sinceros.

Um abraço com os votos de um Feliz Natal.

DS disse...

Belo texto, a tragédia e a magnificência do ser humano, sempre juntas!
Já agora, um beijinho para todos os membros da tasca, como diz o Quint.
Boas festas, aproveitem o que ainda há de bom!

SILÊNCIO CULPADO disse...

Blondewithaphd

Também eu acredito nos homens de boa-vontade. Não das boas-vontades desta época do ano mas das daqueles que ainda são capazes de lutar por aquilo em que acreditam despindo-se do ego e vendo o próximo como uma extensão de si próprios. O consumismo desenfreado e o individualismo destas novas sociedades têm ocultado muitos dos sentimentos que creio ainda existirem. O Natal é bonito como festa de família, vivência de tradições e aproximação entre pessoas e povos.
Por isso, um bom Natal para ti com tudo o que desejares e com essa força extraordinária que dá à lingua de Camões uma nova dimensão.
Beijinhos

Alma Nova disse...

Depois de todas estas considerações sobre este tema pouco mais resta dizer, a não ser que O Natal é uma forma de Estar na Vida. Não se resume a dias ou tradições, mas deve preencher o espírito de cada um o ano inteiro.
Boas festas para todos.

FERNANDA & POEMAS disse...

Olá amigo, tem uma prendinha no Fotos-Fernanda.
Muitos beijinhos,
Fernandinha

Carol disse...

Blondie, my dear, adorei o teu texto e ia fazer um comentário a dar para o longo. Mas, aí, veio a Bluegift e disse tudo...
Que posso fazer a não ser desejar, a ti a a todos os que se reúnem nesta tasca, um Natal generoso em paz, amor, saúde, alegria e (porque não?!) algumas prenditas.
Beijinhos.

Compadre Alentejano disse...

Um abraço do tamanho do Alentejo
Boas Festas
Compadre Alentejano

Pata Negra disse...

No meio de tanta nota solta boa tinha que aparecer aqui uma ideia tonta muito boa! Não consigo transcrever o nome do autor, dá-me a ideia que era gago e deixou de ser.
Um abraço desnatalizado

NINHO DE CUCO disse...

Blondewithaphd
Que lindo texto que está aqui e que bem escrito. Eu também acredito nas pessoas e acredito que o Natal só é Natal para as pessoas que, fora desta época, têm em si o espírito natalício. Gosto da tradição sobretudo aquela tradição que é vivida na província. Estou a pensar em Barrancos onde, no adro da igreja, se faz uma fogueira que dura três dias e três noites, se canta em volta com sambombas, se repartem fritos,etc.
É este espírito que me apaixona no Natal.
Bom Natal para ti, Bondewithaphd

NÓMADA disse...

Sabes, Blondewithaphd, vivemos num mundo de corruptos e o Pai Natal já caiu em tentação. Já não há Pais Natal genuínos. Acho que deixaram de existir no momento em que as grandes superfícies, e não só, decidiram transformar o espírito natalício em consumismo desenfreado. Contudo, e eu acredito plenamente, ainda há quem não se deixe corromper e mantenha um verdadeiro espírito de Natal.
Um Natal com tudo o que desejares Blondewithaphd

NuNo_R disse...

FELIZ NATAL!!!!!!!

São disse...

QUE O GRANDE ESPÍRITO VOS GUARDE E A QUEM VOS ESTIMA, AGORA E SEMPRE!
Abraço fraterno.