Em ambientes americanos... "não obrigado"!

O ambiente continua na ordem do dia. E a conferência de Bali também. Para os distraídos, quem não sabe esta conferência reúne cerca de 190 países na paradisíaca Bali, sendo uma discussão pós Quioto num local onde os aromas tropicais se devem fazer sentir em pleno.

Ao logo destes dias tem-se discutido o futuro ambiental do planeta, que é o mesmo que dizer que estão ali a discutir colectivo da Humanidade e individual de cada um de nós.

Na cimeira têm sido dados à estampa diversos relatórios e estudos; diga-se que todos os que saíram são preocupantes e a pedirem reflexão séria.

O último, da autoria da Organização Mundial de Metrologia, afirma preto no branco que a década de 1998-2007 foi "a mais quente de que há registo", seguido de que se atingiu o "nível mais baixo de sempre de extensão de gelo no Árctico".

Continuando a ler, a plataforma de gelo diminuiu de tal forma "que levou à primeira abertura de que há registo da Passagem do Noroeste do Canadá".

Considerando que alterações climáticas estão bem a vista no buraco de ozono da Antártida e com o desenvolvimento do «La Niña» no Pacífico Equatorial central/oriental e cheias devastadoras, seca e tempestades de areia em muitos lugares em todo o mundo.

E não faz o remate final sem aduzir mais algumas afirmações preocupantes: "o nível do mar continuou a subir a ritmos substancialmente superiores aos da média do século XX de 1,7 milímetros por ano"; "Os dados disponíveis indicam que o nível do mar é cerca de 20 centímetros mais alto do que a estimativa para 1870"; e ainda que "medições por satélite nos últimos anos indicam uma subida do nível do mar de 0,3 milímetros por ano".

Mais preocupante não poderia ser. Penso eu.

Este é mais um a juntar a dezenas de relatórios que constantemente são apresentados, a mostrar que as coisas estão más.

Mesmo assim existem muitos que continuam a enterrar a cabeça na areia ou ignorando estes resultados em função de factores económicos.

Na conferência de Bali, por exemplo, e como sempre, temos um país a emperrar a coisa. Depois da Austrália ter rectificado Quioto, os Estados Unidos continuam na sua saga de criar factos artificiais para não se comprometerem com nada.

Continuam fora de Quioto, argumentando que só serviria para atrasar a industria americana, e em Bali discutem todas as matérias, estando sempre em oposição ás propostas europeias.

A Europa pretende números, sejam anos para aplicação das resoluções, sejam metas de diminuição da emissão de gases poluentes, seja números com dados sobre a actual situação e os americanos continuam a recusar tudo. A tudo dizem que não.

Curiosamente, a própria China, que não é nenhum modelo de desenvolvimento sustentado, adoptou Quioto, pelo que ainda mais incompreensível se torna a relutância americana em relação a estas questões.

Entretanto o Sr. George W. Bush, querendo chamar para si o protagonismo, atitude perfeitamente normal vinda de quem vem, avança com a proposta de uma reunião em Janeiro para discutir o aquecimento global, evidentemente com organização americana.

Ou seja, esvazia-se o conteúdo de Bali, organizado pela ONU, e assume-se a liderança do mundo em questões ambientais, convidando-se as maiores economias do mundo para discutir algo que já está a ser discutido.

Desta vez, diga-se que muito bem, levou a resposta adequada.

Para a União Europeia, a iniciativa de Bush só pode servir, se for para alimentar um processo negocial no âmbito das Nações Unidas.

Por isso, terá de levar em conta o roteiro que for acordado agora na conferência de Bali.

"Se falharmos em Bali, deixará de fazer sentido uma reunião das maiores economias", disse o secretário de Estado do Ambiente, Humberto Rosa, numa conferência de Imprensa, falando em nome da presidência da UE.

Dando assim a entender que a União Europeia vai boicotar a reunião dos líderes espirituais do mundo.

Esperamos é que tal posição se mantenha firme, pois está na altura de a Europa mostrar que é uma potência e não anda a reboque americano ou sempre sob a sua protecção.

Não é só assinar tratados a dizer que somos uma gigantesca união. É preciso demonstrá-lo. Com actos!

24 comentarios:

SILÊNCIO CULPADO disse...

Pois é, Tiago, é preciso demonstrá-lo com actos mas o actos que são demonstrados são sempre os dos ricos e dos poderosos.E sempre para defender os interesses na proporção da sua interveniência. A minha esperança é que a natureza, tal como a morte, não implacáveis e são implacáveis independentemente de se tratar de rico ou de pobre. Claro que o Sr.Bush tem formas de se defender que não têm as populações miseráveis assoladas pelo Katrina. Porém se não se respeitar a natureza haverá o dia em que não haverá para onde fugir. E é essa constatação que me fará acreditar que medidas drásticas irão ser tomadas.

Tenho estado ausente por motivos de saúde de familiares próximos e amigos e por deslocação a Bruxelas.
Assim que pude vim logo visitar-vos. Tenho hoje no Silêncio Culpado um texto de opinião em que me identifico e me mostro com o nome e o rosto que tenho.

Paulo Vilmar disse...

Tiago!
Não existe acordos que possam ser respeitados pelo Sr. Bush! O xerife do mundo pensa que leva a todos como quer e que o resto do mundo é terreiro dos EUA, infelizmente, falta um presidente sério, aos Estado Unidos.
Abraços.

Fly disse...

Deixo-te aqui um link para um blog muito interessante que fala acerca das alterações climáticas e do suposto aquecimento global devido a causas antropógénicas, i.e resultado de causas humanas:

http://www.mitos-climaticos.blogspot.com/

abraço

Zé Povinho disse...

O presidente mais anedótico dos EUA, e também pelo que demonstra, o menos inteligente dos que já ocuparam o cargo, está de partida, felizmente. Pode ser que com nova liderança se lá chegue, e não será por mero acaso que os americanos até queiram que o Gore se candidate. Façamos figas para que a posição daquele país mude muito rapidamente.
Abraço do Zé

Joshua disse...

Agora, com o oxímoro vivo Bush, esse 'cristão' apocalíptico íntimo da Divindade,
parece que os Estados Unidos querem organizar um encontro internacional qualquer
subordinado ao Ambiente e às medidas que se requerem por tão urgentes,
encontro que, de alternativo, rasgue ou secundarize
as resoluções a emanar de Bali, ainda em decurso,
e por aquele negligênciadas.

Parece também que o resto do mundo,
Europa Unida inclusive, se prepara para o boicotar,
a fim de que se releve devidamente o que está em trânsito de se deliberar agora mesmo
na Indonésia, onde as negociações têm sido crocantes-difícieis.

Tudo isto é o que parece, mas não sabemos qualquer desfecho.
O que sabemos são duas coisas:
primeira, este mandato Bush-iníquo está a chegar ao fim. Deo gratias, só mais um esforço!;
segunda, marcou-o a obediência aos interesses bélicos,
à indústria militar nacional, ao alívio da sua saturação de stocks vários,
e um amor apaixonado pelo business do Petróleo
com os seus ganhos-canto-do-cisne e que se foda tudo o mais, Planeta incluído.
Ora, isto não é política, não é assunção de responsabilidade de espécie e não é nada.
É, tem sido somente, uma texana-sacanice!
Esperemos que, após tão negro consulado, os norte-americanos tenham aprendido uma lição
e se afastem de duas coisas: o unilateralismo, o contempto do mundo,
e uma ignorância geopolítica confrangedora.

O Mundo está pior porque tem tido lideranças predadoras, maquiavélicas e maniquéias:
Bush e Putin. Está perigoso também porque a Europa tem dado de si uma imagem
de um gigantesca fragilidade com o lado desconexo e pernicioso do pluralismo,
negociando com o Diabo tão alegremente como com Deus.
Está perigoso porque a corrupção, violência e o desprezo da Democracia,
a ascenção das Mafias, são coisas em alta que revestem de cinismo tudo o resto.
Está perigoso porque há uma investida perigosíssima de um ultra-liberalismo
triturador dos direitos laborais, conversor da Gente-Massas em gado eficiente a balir baixinho.
Está perigoso porque tudo pende a favor dos grandes amealhadores de Capital,
dos grandes excluidores dos bens e da riqueza,
deles detentores exclusivos, as Massas famintas e esmifradas.

Enquanto todas as decisões e malfeitorias e abusos passarem por sobre as nossas cabeças,
enquanto nos baste que tudo se decida por cima das nossas cabeças,
seremos somente este rebanho imenso a balir a medo em blogue e mais nada.
Opressos de trabalheiras, esgotados e exaustos
(eu, que pensava que o futuro era o Tempo, o Lazer e a Cultura!)
lutando individualissimamente por pão e combustível, aquilo que já está perigoso
far-nos-á certamente perigar de insanidade e desespero.

Porém, há ainda o Cristo-Noivo-que-Vem
há as nossas Almotolias Cheias de Esperança-Azeite-Fé,
do Amor-Lâmpada Acesa.

Ou vazia e apagada?

António de Almeida disse...

-Em primeiro lugar, não dou totalmente para o peditório do sr. AL Gore, nem para a sua verdade inconveniente! Em segundo lugar também não dou para a actual admnistração americana, na qual o sr W.Bush nem é o pior, acredito até que Cheney seja o mentor de certas decisões políticas incompreensiveis, mas, falta um ano para o mundo se ver livre destes srs, penso que o falhanço de Bali não será grave, porque a entrada em vigor será para 2012, e até lá, será conseguido que a futura adm. americana assine, cumprir é que iremos ver, mas aí não serão só eles, quero ver també, a UE, India, Rússia, China, Brasil, Austrália, Canadá e Japão, é que no presente W.Bush tem as costas largas, quando ele se for embora, o resto do mundo terá também de prestar as suas contas. Mas se a UE, marcar posição, negando a presença no Hawai, faz muito bem, salvo se até lá, os americanos cederem, é preciso mostrar-lhes, que não são donos do mundo. Mas gostava de ver mais aprofundadas estas questões, sem a demagogia e oportunismo do sr Al Gore, e mais rigor científico, para não criarmos alarmismos falsos, e atacar sim de forma eficiente os problemas que existem. Esta matéria é tecnicamente muito complexa!

Paula disse...

O velho problema sempre foi o passar da teoria à prática!

A prática também contém muitas vezes imprevistos que a teoria não prevê!

Parabéns pelo blog

Abraço

Blondewithaphd disse...

This is an issue that makes think all the time. There's still a lot to say and I believe that we the public are not well informed. We only have the radicalism of a Gore and all the eco fundamentalists (which I don't believe in 100%) and we have the attitude of negligence of a Bush and of the majority of the world's population (which is a serious danger). I think truth lies somewhere in between. Still, I hope that Bali can be a landmark in the environmental cause (even if I personally think things will stay the same).

Pata Negra disse...

Nem dá para acreditar que esse Beto tenha afirmado uma coisa dessas! Cá para mim isso traz alguma na manga! Com estes senhores toda a cautela é pouca!
Aparentemente parece um acto de coragem enfrentar o gigante americano, mas conhecendo estes senhores, basta o Bush soprar, eles dobram!
Veremos!

FERNANDA & SONETOS disse...

Olá Tiago, meu querido deixo-te um abraço do tamanho do mundo.
Fernandinha

Daniel J Santos disse...

Concordo, será preciso que os europeus se mantenham firmes e não se deixem uma vez mais arrastar pelos americanos.
É preciso que da discussão em Bali saem resultados, no entanto não me parece que isso venha a acontecer.

quintarantino disse...

É, de facto estas matérias são muito complexas. Mas penso que as evidências estão aí à vista de todos...
Tempestades cada vez mais violentas nos trópicos e em locais onde nem sequer era suposto acontecerem; o calote polar a derreter e diminuir a olhos vistos; secas crescentes... aliás, eu não sou tão velho quanto isso, mas os invernos não andam menos rigorosos, com menos pluviosidade?
Será de quê?

No mais, Bush, que o mundo saiba, é o presidente do maior poluidor, mas há outros que pela calada também a fazem. Mas seria bom que os EUA dessem um sinal ao mundo assinando e ratificando Quioto!

ana disse...

Pobres americanos, ainda não perceberam que também a hora deles há-de chegar.

Metamorfose disse...

A ignorância é atrevida, arrogante e prepotente... e assim vai governando o mundo ou será brincando... Por cá as temperaturas são altíssimas, em pleno mês de Dezembro apetece andar de roupa de Verão, enfim...Beijos e bom fim de semana.

Compadre Alentejano disse...

Os americanos apenas olham para o seu umbigo, o resto que se lixe.
Este sr.Bush, se não houvesse tinha que ser inventado...
Um bom fim de semana
Compadre Alentejano

C Valente disse...

O problema é que os países industrializados, e em particular os EUA, pouco se importam, para eles o imediato o lucro isso sim é importante, o resto logo se vê, infelizmente como eu sou um céptico, vai ser mais uma passeata para uns e nada de muito positivo se adianta
Saudações amigas com um Natal de paz , amor e felicidade
não querem lara

Manuel Rocha disse...

Tiago:

Nem todos serão súbditos de factores económicos.

Nem todos serão subditos de demagogias pouco consistentes ao serviço de outras agendas.

Haverá alguns, que sendo criticos feroses de todos os factores em causa, preservam a seriedade como valor.

Bali, não é sério ! Mas...era suposto sé-lo ?!

NÓMADA disse...

A submissão ao americanismo é uma forma de hipocrisia das mais básicas e grosseiras. É também um atentado aos direitos humanos por tudo aquilo que esse senhor representa. No entanto, todos sabemos da subserviência longe ainda de solução, que os europeus prestam a esse gigante da desordem e da humilhação.

NINHO DE CUCO disse...

As medidas hão-de surgir e ser implementadas depois de uns puxarem interesses para lá e outros para cá.
Espero que se nós já não estivermos vivos pelo menos deixem espaço para que os nossos filhos possam viver. O que começo a recear que não aconteça.

Carol disse...

Hum... Estas questões ambientais têm muito que se lhe diga, mas o que é facto é que as evidências estão aí e só precisamos abrir os olhos para as ver.
Bush não me parece que vá ceder, mas devia... A Europa não me parece que vá fazer finca-pé, mas devia!

São disse...

pois...mas sempre foi mais fácil falar do que agir!
Vá lá, hoje não fiquei fechada na rua!
Abraço.

Vieira Calado disse...

Esperemos que sim.
Prefiro que as ideias, mesmo fracas, venham da UE do que do EU.
Estimo as suas melhoras.

Sniqper ® disse...

Continuamos com a mesma música do costume, actos!!!
Mas que actos, pergunto eu? Por um acaso....
Bem nem acabo, nem vale a pena.

Shark disse...

Já cá faltava o verdadeiro artista.
Aquele lá do Texas.
Mas agora o homem é o único culpado da opereta em que nos metemos?
Louvável a vinda do até agora desconhecido visitante que recomenda um blogue com posições contra corrente.
Penso que era isto que os autores do blogue sempre quiseram.