Mensagem de Natal em tempo de crise.

É época natalícia e eu quero escrever uma mensagem de Natal que dê prazer ler. Uma mensagem de Natal que não fale em desgraças, que fale em progressos e no que de bom está a acontecer. Penso no meu País, de lés a lés, este país que eu amo e que percorro insistentemente.

Penso no interior de populações envelhecidas e terras abandonadas. De infra-estruturas levantadas e unidades encerradas. Não, não quero ir por aí, é Natal, vamos pensar feliz. Nada melhor que as crianças para se pensar. Mas são cada vez menos, as escolas a fecharem e os pais a não ganharem para as sustentar? Bolas, é Natal e eu a dar-lhe com as coisas negativas.
E se eu falar dos professores? Não, isso é só horrores, estas reformas do ensino. Ensino para quê? Para quem é pequenino e depois há-de ser doutor? Doutor para quê, se já nem é senhor? Para emigrar porque cá, em Portugal, não tem valor? Cá doutor, só médico porque as pessoas ainda não desistiram de adoecer e morrer. Até para as certidões de óbito é preciso doutor. Bolas, lá estou eu com o negativismo!...

Mas estava eu a falar em professores e logo me ocorreu que os funcionários públicos, em autênticos clamores, falam que são os bodes expiatórios. Oh não, lá estou eu outra vez a fazer críticas de todo o jaez.
Talvez o melhor seja mesmo não fazer nada. Ah mas não fazer nada lembra-me o desemprego sempre a subir e o governo a mentir. As mentiras do governo lembram-me as manifestações porque há muito baixas pensões e um milhão a recibos verdes. Baixas pensões lembram-me reformados e reformados lembram os velhos tristes e abandonados.

Decididamente não consigo escrever coisas boas e positivas e é Natal. Vamos lá ver se é desta que vai acontecer.
Natal prendas, ai meu Deus que já me lembrei dos endividados e das Associações que deixam depenados os que já nada têm. Mudemos o disco. Os vencimentos mínimos foram aumentados. Será que 426 euros dão para trazer alimentados esses que trabalham e têm que pagar água, luz, casa, transportes, gás e telefone? Mas foi uma grande vitória, mesmo que morram à fome. Então não foi? Temos que ser positivos.

Os portugueses estavam era mal habituados. Estas desgraças são necessárias, sempre eu oiço dizer, para o País se desenvolver. Porque sem estas desgraças sabem o que nos iria acontecer? Íamos ser menos desgraçados!... Ora isso não podia ser. Viva, por isso, o poder de quem nos mete na linha para enfrentarmos a crise, ainda maior, que, por este andar, se adivinha.
E eu a dar com a negatividade. Também que solução haverá para tanta conflitualidade? Vejam só: se eu sou senhorio quero um governo que me encha o pavio ou seja: rendas aumentadas. Mas se sou inquilino quero um governo que não me toque nas rendas. E se for inquilino e senhorio ao mesmo tempo? Ah, tal vez uma lei versátil que possa ser aplicada de duas maneiras diferentes.
Se não sou funcionário público quero ir votar em quem põe um travão nesses malandros que não param de privilegiar e andam a protestar. Mas se eu sou funcionário público eu logo me vingo quando for votar. Então andei eu a politizar para depois me virem lixar? Eu sou contra o betão porque não tenho terrenos porque se tiver viva a construção. Ah não, mil vezes não! Lá estou eu outra vez a divagar.

Tenho que escrever uma mensagem de Natal positiva que realce as coisas boas, se não fico doente. Doente? Meu Deus com mais de 400 mil à espera duma cirurgia ou uma consulta da especialidade?!... Que fatalidade se ficar doente!... E lá estou eu novamente!... É Natal tenho que estar contente!... E há motivos para isso. Vai haver o jantar de Natal para os sem abrigo, brinquedos e roupas usadas para os pobrezinhos e até vai haver missa do galo. Um autêntico regalo. E eu aqui a barafustar. Não mereço perdão, mas vou continuar. Para a próxima.
Para já deixo-vos um abraço não negativo, com muito afecto e desejos de coisas boas.

FELIZ NATAL A TODOS

41 comentarios:

O Guardião disse...

Também queria encontrar coisas positivas que tenham a ver com o nosso dia-a-dia, mas está difícil.
Ainda hei-de conseguir fazer um post optimista, mas não sei quando.
Cumps

Vieira Calado disse...

Passei por cá para deixar-lhe votos de Bom Natal, em paz e harmonia.
Um abraço.

Paulo Vilmar disse...

Silêncio!
Virei fã do notas soltas! A lucidez dos escritos nos mostra que nós (filhos) não somos nada diferentes da Pátria Mãe(portugal). Tem uma canção, do Chico Buarque, que diz " E, a gente vai levando..."
Beijos.

Blondewithaphd disse...

Such misery and negativity. But, one of those texts worth reading!

Sniqper ® disse...

Como nada nem ninguém irá modificar a minha forma de estar na vida, falo e/ou escrevo o que penso, por isso mesmo sobre este texto só tenho de o comentar dizendo...
Parabéns, estas são palavras de realidade e verdade sobre um Portugal em queda, onde de facto quando se olha para o que nos rodeia só podemos escrever o que aqui li, este é o Portugal Real de 2007
Boas Festas e afins, não desejo porque na realidade o meu único desejo é que todos os dias se caminhe para um amanhã melhor, o resto não me interessa nada, se ser feliz se resume a dois dias, então de facto estamos mesmo mal.
Belíssimo texto, parabéns.

António de Almeida disse...

-Como comentar este texto? Desde logo é um excelente texto, parabéns por isso, mas traça um cenário negro do Portugal 2007, como também poderiamos ser capazes de escever um texto só com factores positivos, e exemplos de sucesso, aliás nem é necessário procurar muito, o governo traça-nos diariamente um cenário cor de rosa, julgo que a verdade anda por aí algures, talvez no meio, mas que Portugal necessita encontrar um caminho, um rumo, não há dúvidas!

Keops disse...

Silêncio. Este texto está tão real como caustico. Identifico também tanto e tanto que gostaria que não fosse assim!
Desculpa-me, mas uma grande diferença (e posso estar enganado) é que deixei de ter mágoa, rancor. Abordo os temas de forma que não me diminuam, com paixão mas que não me limitem mesmo que na sensibilidade.Defesa? Talvez
Um abraço

JOY disse...

Silêncio :

Ironia Nua e crua aplicada a um fabuloso texto sobre a realidade do nosso pais ,está lá tudo não falta nada ,acho que devias enviar aos menbros do governo como postal de boas festas.

JOY

Manuel Rocha disse...

Não é só o texto estar bem conseguido, é conseguir pôr o dedo onde dói mais, que é na nossa demissão do nosso dever de cidadania.

Pata Negra disse...

Silêncio, compreendo a sua frustação e a sua consciência de que não é com umas luzes à acender e a apagar e com a oferta de um bacalhau à casa do gaiato que se vai sentir bem. Relativamente ao nosso país, para elevar a moral, não há nada como aplicar a velha técnica de auto-estima: Somos o segundo maior país da Península Ibérica!
Um abraço sem fitas de Natal

Carol disse...

De facto, o panorama geral não é nada famoso... Mas, caramba, também há aspectos positivos, nomeadamente na sociedade civil, naquelas pessoas que tentam pôr fim ao marasmo, que lutam pela mudança! Ou será que estou a ser ingénua?

alf disse...

Bem conseguido este post

Mas não me estraga o Natal eheh.. tenho aqui o meu sogro que me fala do tempo em que uma sardinha alimentava uma familia.. a cabeça era para o chefe da familia, a sequência da divisão da sardinha estava bem estabelecida... ou do seu primeiro par de sapatos, tinha ele 18 anos e já trabalhava há muito... azar, choveu no primeiro dia que os calçou e as solas eram de cartão...

Há muito que fazer, mas o que se já andou no último meio século...

Daniel J Santos disse...

De maneira nenhuma Carol,
apesar de as coisas estarem mal, é preciso falar delas e muito importante levantar a voz, fazer barulho, mas barulho construtivo, não ruido de fundo.
Existe neste país pessoas que todos os dias lutam por uma sociedade melhor e não se conformam com a situação, muitos dão os nomes as coisas e lutam.
Aqui mais uma vez são levantados problemas importantes na nossa sociedade, problemas preocupantes mas que tem de ser combatidos.

Joshua disse...

O Sorriso inconfundivel de cabrãozolas em triunfo, para Europeu ver, continua aí intocável. Granda rabeta!

Ultra-liberalismo soma e segue. Não há queixa nem queixume, é comer e calar.

Estou numas Fúrias, Lídia!!!

quintarantino disse...

... há cretinos e cretinos, mas nunca como nos tempos hodiernos eles tanto campearam por aí.
Falam de tudo e de todos, escrevem sobre tudo e sobre todos, ameaçam liberalizar ainda mais a exploração, qualquer dia expõem-nos na praça pública todas as intimidades, mandando às malvas direitos elementaes... por isso, cara amiga, insista e persista. ...até que a voz lhe doa...

Manuel Rocha disse...

Quint:

A probabilidade de hoje em dia se encontrar um cretino é maior, desde logo porque a população não pára de aumentar e eles também se reproduzem, e depois porque têm mais facilidade em se revelarem em tempo real.

Devo no entanto dizer-lhe que me incomoda mais a reacção dos que não são cretinos quando se deparam com um, do que os ditos de per si...

ALEX disse...

Passo muitas vezes aqui por o Notas. Aprecio os textos mas já me sinto pouco propenso a comentar. Mas não resisto a um texto da Silêncio que é a Lídia que eu conheço. É um post que se lê de fio a pavio e onde se encontra tudo o que deve ser encontrado, bem arrumadinho e na perfeição. É mais que bom. A toda a equipa do Notas os votos de um feliz Natal.

quintarantino disse...

Caro Manuel Rocha:

Tem toda a razão. Mas tem de convir que, aqui e ali, a paciência não consegue permanecer eternamente de santo!
Talvez por andarmos muito "santificados" é que as sociedades actuais estão a chegar ao ponto em que estão!

GIL disse...

Isto é um post fabuloso com o qual me identifico inteiramente. O país está mal e ainda continuará mal durante um bom tempo enquanto as medidas ques estão a ser postas em prática não surtirem efeito. Uma mensagem importante que está neste texto é a de que o egoísmo das pessoas as impede de apreciarem as reformas do governo por aquilo que elas valem. Os portugueses estão sempre a conferir todas as reformas com os seus interesses. Ora para se agradar a uns não se pode agradar aos outros. Fosse qual fosse o partido que estivesse no poder andaria sempre meio mundo a barafustar. As reformas deverão ser feitas sem o governo se subjugar a sondagens e a opiniões.
Parabéns à autora do texto e a toda a equipa do Notas e os votos dum feliz Natal.

Boris disse...

Silêncio/Lídia

Aqui estou eu a comentar porque quando há texto teu há a certeza de algo muito especial.Também acho bons os textos do Quintarantino e do Tiago Cardoso mas os teus são quase sempre irresístiveis.
Este humor cáustico mas de olho vivo tornam estes posts um autêntico manjar. Que nunca te fuja essa inspiração maravilhosa e esse gosto de participar.
BOM NATAL

C.Coelho disse...

Tenho dificuldade em comentar os textos da Silêncio porque são de tal forma claros e ricos de substância que nada mais nos resta acrescentar. Está aqui tudo, caramba. Esta mulher diz tudo mas sem impor uma visão, sem criar animosidades e é isso que faz com que se ande a procurar os espaços dela.
Um Natal com saúde para ti e para os teus, Silêncio, pois sei que estás a atravessar momentos dificeis. Para todos em conjunto um Natal à vossa medida com muita magia e afecto.

Guilherme Santos disse...

Mais uma vez, Parabéns ao Notas Soltas, está a funcionar muito bem como uma equipe e é isto que eu aprecio neste lugar, ninguém chamar para si protagonismos nem querer publico só para bater palmas.
Eu participo pelo debate, neste caso o comentário a um texto que apresenta muitos problemas da nossa sociedade e com ironia os desmancha.
Como aqui é feito todos os dias, os autores levantam questões e promovem o debate, ou seja o importante nos blogues e na sociedade, o opinar e a troca de ideias.

Shark disse...

Mais um excelente texto. Aliás, a equipa multifacetada e multidisciplinar do NOTAS (da qual conheço pessoalmente três dos autores) revela-se pela escrita arejada e por promover o debate. Nem sempre os seus intentos parecem ser compreendidos por todos mas sempre vi os autores como pessoas que não escrevem nem para as massas, nem para a bajulação, nem para a adulação.
As picardias são naturais e saudáveis, desde que impliquem o respeito por regras elementares de cortesia.

Quanto às questões que são colocadas, faz-se o quê se infelizmente elas são verdadeiras? Obviamente que se podia abordar pelo lado "light" ou pelo lado positivo, mas os problemas que afligem as pessoas é que urgem de respostas.

Alma Nova disse...

Apenas consigo dizer: - Parabéns!
Já há bastante tempo que não lia um texto tão lúcido, sucinto e real como este que aqui encontrei!

M.M.MENDONÇA disse...

Por este texto se vê que há um longo caminho a percorrer em direcção à dignidade que poderá ser encontrada num espírito de Natal em que os ricos mostram a sua caridade para com os que nada têm quando eles ricos usufruem das condições de desigualdade que fazem os outros pobres.
Feliz Natal para toda a equipa do Notas Soltas.

Tiago R Cardoso disse...

Apesar do quadro não ser muito bom, eu acredito que juntos chegaremos a algum lugar, todos juntos debatendo e levantando questões construiremos uma sociedade melhor.
Acredito num futuro melhor, acredito que muitos ainda tem essa esperança, ainda não foram atropelados por uma sociedade fria e consumista.

Cati disse...

Adorei!
Escrito de maneira sagaz... passou por quase todas as "nossas crises" de forma leve mas certeira... Sabe que mais? Um bom e positivo Natal para o pessoal dos Notas Soltas! Beijoca!

sol poente disse...

Estou como o Tiago a acreditar que, apesar de haver muito de mau, ainda existe muito capital de solidariedade e de capaciade de luta para ser partilhado e desenvolvido. Acredito que depois dum ciclo negativo outro melhor virá. Todos os dias eu sou alimentado com posts tristes mas o facto desses posts existirem é já um caminhar para combater as situações miseráveis que lhes dão origem.
UM ABRAÇO DO SOL POENTE E DESEJOS DE FELIZ NATAL A TODOS.

Fa menor disse...

Ora aí está uma mensagem de Natal que deu muito prazer ler!

Para que nos andam a tentar enfeitar um natal, se os enfeites possíveis do país real são estes?!

Se virmos o Natal por fora, não pode ver-se de outro jeito...

Carol disse...

E que a voz e os dedinhos nunca vos doam para que possam continuar a denunciar, a fazer-nos pensar noutras formas de perspectivar os problemas, a criar o debate e a discussão construtiva. Quanto ao ruído de fundo, nada que uns tampões de silicone não resolvam...

NINHO DE CUCO disse...

Só tomando consciência das situações poderemos encontrar os caminhos que nos levem a melhorá-las. Tomar consciência não significa que estejamos a deitar a baixo ou a fazer confronto. Significa somente que estamos a alertar para a necessidade de se corrigir.
Tenho ouvido muita gente falar na sardinha que se repartia noutros tempos. Porém, nessa altura, os recursos eram outros e, também, não gostaria de ver de novo instaurado no meu país o regime que deu origem a situações como a da sardinha. Hoje temos que pensar que, face aos recursos disponíveis, existe uma repartição injusta da riqueza. Desníveis que nos envergonham (quem tiver vergonha) e que negam os valores mais elementares das nossas raízes e das nossas solidariedades.
UM BOM NATAL

NÓMADA disse...

É caso para dizer: Isto é que está aqui uma crise!... E só podemos sair dela se acreditarmos que é possível darmos as mãos e sermos solidários. Não podemos ver em cada reforma que é feita o nosso interesse pessoal. Temos que pensar colectivo. Se for justo é bom.
Um abraço natalício. Apesar do espírito consumista ter estragado a Natal a reunião da família e o reviver de tradições ainda valem a pena.

antonio disse...

Não há nada como um pouco de optimismo...

Compadre Alentejano disse...

Excelente texto, parabéns.
Estou preocupado, tenho uma dívida para com uma pessoa que confiei nela e, cândidamente, dei-lhe o meu voto. Pois, essa pessoa comportou-se totalmente ao contrário do que dizia na campanha, e eu agora procuro dar-lhe um voto contrário nas eleições legislativas de 2009, se houver,óbviamente...
Um abraço e desejos de Boas Festas
Compadre Alentejano

Zé Povinho disse...

Não sei se há optimismo que resista a tanta desfaçatez e incompetência. Um pos bem disposto e com elogios? Difícil, a não ser que seja dirigido a quem nos quer bem.
Abraço do Zé

7 Pecados Mortais disse...

Fabuloso...do melhor que já li. Como quem quer dar uma prenda e não sabe o que comprar...foi assim que senti o texto! Realmente a cada passo que se dá o entrave é maior. Eu sinto isso, o País sente isso e como já se disse, aqui, algures noutro espaço, poderá surgir um Tsunami Humano brevemente. Queremos sentir o Natal, esquecer os maus momentos, mas é impossível, eles vivem connosco, eles respiram em cima de nós e não é uma data, um dia, que vai mudar isso. Hoje andei à procura de emprego, vi pessoas a gastarem as suas posses, o que têm e o que não... senti a crise disfarçada em bons momentos de outra hora. Vi cartões de crédito, vi eu sei lá o quê...Falam de Natal...desculpem, não acredito nele, acredito no Natal Humano que pode ser praticado durante o ano todo e não só em Dezembro. Para mim isso é o NATAL. Para mim o Natal não é a hipocrisia vivida nestes dias, em que todos se amam e fazem tréguas, para começar a batalha, logo no dia seguinte. Eu sei...que poderão me criticar, critiquem, mas à verdade não me fogem, nada do que estou a escrever é mentira e em jeito de quem já proferiu umas palavras parecidas: "Quem nunca sentiu o que eu sinto, que atire a primeira frase...". Não, não vou desejar-vos Bom Natal, vou desejar-vos aquilo que sempre desejei durante o Ano e que sempre vos desejo, que continuem em força, com uma escrita fantástica, que continuem com as amizades e com sentido de justiça e verdade. Isto é o meu Natal, sem hipocrisia, com verdade e com gosto de quem vos lê. Sinto isto agora e sempre sentirei, não é,nem será sazonal. Isto para mim, é que é o Natal. Bem Haja todos!

Fragmentos Culturais disse...

Vim relembrar que todos os dias devem ser a Esperança de um tempo melhor para todos os Seres, em Portugal e no Mundo!

Impossível esquecer o momento que vivemos por aqui...

Por favor, acende uma vela pela Paz, na noite de 24. E que a Luz se faça sobre os Homens para que não esqueçam seu semelhante que não tem que comer :(

Lampejo disse...

Bem só para dizer:

Belissimo texto!!!

(a)braços a todos :)

Dalaila disse...

é dificil, mesmo, encontrar bons motivos para festejar o Natal... mas podemos sempre fazê-lo pelos amigos, e dar atenção, não só no Natal nos que mais precisam de nós.

Um Momento disse...

Não,Silêncio,não se conseguem dize coisas positivas só porque é Natal...
Penso eu que nestas alturas é quando mais todos nós nos lembramos da negatividade que nos assola, mas contudo muitas vezes fechamos os olhos...
Um abraço positivo em ti e desejo de Boas Festas sinceras
(*)

Å®t Øf £övë disse...

A verdade é que há razões para toda essa negatividade, mas como é Natal, também tem de ser tempo de esperança.
Desejo-te um feliz Natal.
Bjs.