Habituem-se... vem aí um ano novo!!!!

“Eu ficara um ror de tempo à espera em frente do portão. Um portão que vos não digo nada, destes bronzes gigantescos que eu sei cá, terrível trama de lanças espetadas ali assim, na escuridão de breu.
Trazia na mão a guia de marcha… Com a hora em cima escarrapachada.
(…) – Meu cabo! É o voluntário!
- Diz-me à bestunça que entre!”

E assim se me apresentou, cabo que naquele momento, por força de umas divisas rotas, era como um marechal de campo, o neófito… mais a sua guia de marcha e o raio que o parta…

- Mostre-me lá isso, sua cavalgadura!

Tremente, lá me entregou a dita cuja…

- Então é você a nova besta?
- Sou sim, meu cabo.

Muito bem, pensei eu, e que rica bosta nos mandam.
Pus-me a olhar para aquele varapau e vislumbrei nele, escarrado e cuspido o estupor do ano que dava os últimos estertores.

Adivinhei nele um pai biscateiro nas horas vagas e profissional do desemprego nas restantes; um topa a tudo capaz de alegadamente resolver qualquer problema insolúvel em casa, na fábrica, na rua, no carro… é só dizer!
Uma mãe lançada para o desemprego ou, como algumas que conhecia de ginjeira, que costuravam de dia e à noite, a pretexto de umas horas extraordinárias, alternavam num bar abjecto com o silêncio cúmplice dos respectivos…

Este gajo devia andar num curso profissional qualquer, o estupor.
Ou lá nas Novas Oportunidades.
Isso, isso, que esta besta pelos erros de português que aqui me apresenta cedo deve ter-se escapulido à escola.

Deve ter mais três ou quatro irmãos, ranhosos e sebentos lá por casa a levantarem-se às seis da manhã para irem para a escola que agora não é na aldeia mas na cidade e a chegarem às oito da noite, lindo futuro hão-de ter os fedelhos…

E se dá o fanico o qualquer um deles devem estar mais perto do Demo que do hospital mais próximo.
Sorte meretriz terem nascido de pais que nasceram de pais que haviam nascido de pais que nunca souberam que havia mundo para além daquele mar de bosta de vaca, porco e gente…

Bem sabia o que isso era. Meu pai, que Deus o proteja lá no lar clandestino onde o enterrei, havia tido a esperteza suficiente para dar de “frosques” e se apresentar na grande cidade.
Fora o que me valera. Não fosse isso e hoje seria um sebento como o merdoso que aqui está à minha frente… sem capacidade de pagar as prestações da casa, do carro (importado da Alemanha um “mercedão” cinzento para fazer ver aquela gente), as férias no Algarve, as roupas para a catraia e ainda se afiambrar uma vez ou outra com uma brasileira ou ucraniana lá no prostíbulo onde regularmente me apresento.

Assim sou um senhor.
Escarro para o chão, as beatas têm o mesmo destino e nunca levo o lixo à rua, a mulher que o faça que eu sou homem e homem que é homem está no café a ver a bola, no sofá a ver a bola e a coçar o par que tem, a dar uma lambada no mais novo ou a benzer-se, qual fariseu, na Casa do Senhor, agora levar o lixo é que não…

Por fim, num repente, volto a mim…

“E então surgiu a toda a nossa volta qualquer coisa como olhos… coisas em plena névoa… milhares de janelas a olharem para nós… reflexos, penso eu… reflexos… Já era quase dia… a clarear lá por cima… telhados… e todo o quartel… paredes…cal…”.

- Eh lá, por sua causa, sua cavalgadura, seu pedaço de bosta, já saio tarde.
- Sim senhor, meu cabo!
- Sim senhor, o raio que o parta… vá para o… olhe, desapareça-me da frente. E prepare-se. Não pense que o novo ano vai ser melhor. Vai ser uma trampa, ouviu?
- Sim senhor, meu cabo!

“O Karvic tocava com toda a força a reunir, sacudia a sua música a escorrer, toda ela baba, às gotas”.

Fechei o livro, com estrondo pousei-o na mesa virado para a besta.
Queria que o gajo visse... o seu cabo lia.
“De três em pipa”, de Louis-Ferdinand Céline.

Mas não lhe disse nada, pois o gajo de certeza que me daria por resposta:

- Sim senhor, meu cabo!

36 comentarios:

quintarantino disse...

Eu bem sei... era suposto desejar um próspero ano novo mas que querem, deu-me para isto... devem ser influências realistas... ou o estar siderado com certos acontecimentos recentes! Vá-se lá saber...

ana disse...

Espectacular. Lúcido quanto baste. Sem peias, nem hipocrisias. 2008 vai ser um ano cinzento, iludir-mo-nos para quê?

Shark disse...

O amigo ou anda com uma depressão ou quer-nos todos mal... isto são lá votos de bom ano que se formulem?

aryanalee disse...

Sim Sr.meu cabo..
Agradeço e retribuo os votos de um2008 bem mais colorido que este que felizmente está a terminar...
Isto sou a dizer,porque para mim 2007 não foi cinzento,foi o ano mais negro do meu meio século de existência,apenas "horribillis"
Espero continuar a vir aqui com o entusiasmo de sempre.
Um Ano Novo cheio de realizações para toda a equipa.

7 Pecados Mortais disse...

Que o ano de 2008 seja repleto de satisfações pessoais, é o meu desejo, para toda a equipa. Abraços Pecadores.

Francisco Castelo Branco disse...

UM excelente 2008 para toda a equipa do Notas.
Mais um ano de excelentes posts para esta equipa e para o blogue

Um abraço

Com amizade e estima

Francisco Castelo Branco

Lampejo disse...

Notas soltas,

É um prazer encerrar o ano e por haver conhecido mesmo que virtuais pessoas tão maravilhosas como vocês do (Notas Soltas).

Deixo a (todos) e com ternura um grande (a)braços :)))

FELIZZZ 2008!!!

Marie disse...

Happy New Year, Quintarantino.

I don't understand your language, unfortunately. I don't know which one is your own blog.....

Thank you very much for commenting on my blog.

Tiago R Cardoso disse...

Excelente, podias era ter escrito uma coisa mais animada, mas pronto mais um texto para ficar entre os melhores do ano.

Desejo a todos os leitores, comentadores e amigos, um Feliz Ano Novo.

Zé Povinho disse...

Por vezes o cinzento povoa-nos as ideias e o desencanto assenta arraiais. Acaba este ano de 2007, enterram-se algumas frustrações, que a cova não alberga todas, e parte-se para um novo ano, o de 2008, com renovadas esperanças, ainda que seja necessário um esforço hercúleo para calar as memórias tristes.
Venham uns camarões, ou uma sapateira, salte o vinho verde e umas guloseimas. à meia noite venha o espumante e as passas e baile-se ou converse-se pela noite fora.
Votos de um Bom Ano de 2008 para a equipa do Notas Soltas, e muita inspiração para recomeçar o trabalho de excelente qualidade a que nos habituou.
Abraço do Zé

Fa menor disse...

Meu amigo Quint!

Tristes realidades, tristes realidades...

(O que é que eu vinha mesmo aqui fazer?... Ah!...já sei! por momentos fiquei absorta neste texto!)

Venho dizer que eu é que tenho de te ser imensamente reconhecida pela tua amizade e estima! Te desejo um Ano Novo carregadinho de prosperidade!
Tudo bom aqui para o Notas!

Bjinhos

Blondewithaphd disse...

Simply your best so far!

sol poente disse...

Feliz Ano de 2008. Um Ano com saúde, paz e amor e pleno de realizações.

António de Almeida disse...

-A escrever desta forma, poderá até começar a considerar a hipótese dum livro de contos. Que realismo impressionante, onde despe de forma brutal, o cinismo com que muitos se vestem. Um feliz 2008, não só ao Quintarantino, mas a todo o painel, e visitantes deste espaço.

SILÊNCIO CULPADO disse...

Um texto muito giro mesmo!
Um Bom Ano de 2008 a todos!

Sei que existes disse...

Que este novo ano de 2008 e toda a tua vida, venha a estar recheada de optimos momentos de crescimento e felicidade interior,harmonia, amor,sabedoria e auto-conhecimento.
Beijo grande

Miss Vader disse...

Miss Vader deseja Feliz Ano Novo. Obrigado pelo apoio.

Manuel Rocha disse...

Quint:

Vejo que não foi à tropa! Os cabos não são "meus",são "nossos". Só se é "meu" de Furiel para cima! Lol

Bem esgalhada esta prosa!

Bom Ano para vocês !

quintarantino disse...

O Louis Ferdinand Céline é que foi culpado, meu caro amigo Manuel Rocha... embora, aqui entre nós, tenha tido a felicidade ou infelicidade de não ir à tropa ... disse-me lá um cavalheiro no DRM que "para o que você para aqui vinha fazer, já cá nós temos muitos" ... e, em vez da prometida recruta em Tavira e estadia em Lisboa nos serviços jurtídicos dum ramo qualquer ... saiu-me a reserva territorial!

David disse...

Não podia deixar de passar por cá para desejar um excelente ano de 2008 a todos aqueles que constituem o Notas Soltas...para aqueles que escrevem mas também para aqueles que o lêem e comentam... Para os que escrevem continuem assim, assertivos, directos, objectivos e sem papas na língua... Um excelente ano de 2008 para todos vocês...

Compadre Alentejano disse...

Também passei por cá para te agradecer e retribuir os votos de Feliz Ano Novo, extensivo a todo o pessoal que faz e lê o NOTAS.
Um grande abraço
Compadre Alentejano

Fragmentos Culturais disse...

Não tenho palavras para agradecer a cuidadosa amizade que me tens dedicado desde que iniciei 'Fragmentos Culturais'!

Muito sensibilizada pelos votos lá poisados! Retribuo-os com o mesmo espírito!

Um Novo Ano pleno de serenidade e muita esperança!

**Bom Ano 2008**

Um abraço fraterno

antonio disse...

Sim senhor, meu cabo, as cavalgaduras retribuem os votos de festas felizes, mas oh Quint o teu cabo é assim alguma versão da visão social do Sócrates?

Maria P. disse...

Feliz 2008!

Um abraço a todos*

Paulo Sempre disse...

Guias de marcha, quartos de sentinela, senha, rendição, toque de ordem, formatura, continencia, sentido, ombro arma, apresentar arma, recolher,etc....são "rotinas" castrenses. Próspero 2008 "nosso cabo" (praça graduada).
Abraço
Paulo

Fátima disse...

Olá amigo,

Texto fantástico!

Bom ano 2008 para ti com tudo de bom!

:-) Beijinhos

Eduardo P.L. disse...

Texto ótimo e verdadeiro.Apesar disso quero desejar um maravilhoso 2008! Para você e família!

Forte abraço

jo ra tone disse...

Caros amigos Quintarantino e Tiago, venho retribuir a visita que me fizeram.
Adianto que gosto, sempre que posso, de vir ao vosso blog ler os textos.
São de grande interesse da actualidade, mas porém não tendo a comentar,pois os textos já dizem tudo, e eu a verdade seja dita, tenho alguma dificuldade de comentar textos tão fantásticos.

Desejo um Bom Ano para todos

Um abraço

Bruno Pinto disse...

Um bom Ano Novo para os autores deste blog, que traga só coisas boas e que o excelente trabalho aqui realizado continue.

Fa menor disse...

Que este Novo Ano seja repleto de Paz e de Bençãos de Deus nas vossas vidas!

Beijinhos

Fa-

O Advogado do Senhor Diabo disse...

Não é por nada, mas não gostei. Continua a tentar e não te iludas com os comentários simpáticos.

Tiago R Cardoso disse...

Sr. Advogado,

Não faz mal, presumo que só tenha lido este texto.

Não era suposto um advogado ler o processo todo antes de se prenunciar?

Felizmente que o jornal Publico, quando deu destaque a este blogue, leu o processo todo.

ana disse...

O advogado do senhor diabo?

Mas o Belzebu precisa de advogado?
O Príncipe das Trevas?
Cá para mim estamos ante um caso de representação sem mandato...

Quanto aos gostos, lá está... podem-se discutir.
Mas neste caso será debalde.

É que, ou muito me engano, ou não vai ser qualquer pileca que vai fazer o autor mudar. Estamos ante "burro" velho!!!!!

O Advogado do Senhor Diabo disse...

Deixar o seu comentário
(...)
Reflectimos e escrevemos o que sentimos, vemos e pensamos. De forma livre. Sem censores...

quintarantino disse...

Ó meu amigo, arranje um blogue. Dê a cara. Agora vir para aqui debitar e esconder-se nesse lindo nome e nesse moralismo giro... o amigo ou é um Torquemada ou uma cavalgadura. Escolha.

quintarantino disse...

... melhor, faça um favor, desinfecte!