Teixeira acena com baixa de impostos, Sócrates malhou e Santana "comeu"!

Se Portugal fosse um país onde se quisessem discutir coisas a sério e de modo sério, então ter-se-ia de estar, neste momento, a discutir a substância do Orçamento de Estado e não a forma da sua discussão.
Contudo, ainda ontem à noite, nalguns canais televisivos se discutia se A tinha brilhado, se B tinha esmagado e se C mandava ou não.

Deram-se umas pinceladas sobre o facto de o ministro de Estado e das Finanças, Teixeira dos Santos, ter dito peremptoriamente que “graças aos bons resultados que já se obteve até este momento em matéria de consolidação orçamental e se continuarem a verificar-se resultados análogos aos actuais no futuro, a data [para uma descida de impostos] poderá ocorrer breve".

Asseverou, contudo, que o Governo não poderá entrar em veleidades e descer os impostos fora de tempo.

"Admito que, até ao final da legislatura, se houver condições, essa é uma possibilidade que pode ocorrer. Mas essa não é uma promessa que esteja em condições de fazer", salientou.

"Como qualquer ministro das Finanças, tenho o desejo de dar aos portugueses um alívio da carga fiscal, mas isso dependerá da forma como evoluir a economia e o esforço de consolidação orçamental", reforçou.

Mas, sobre isto, entretiveram-se os jornalistas a tentar convencer-nos que de manhã tinha dito 2010 e à tarde 2009!

O Partido Popular, mostrando que faz melhor os trabalhos de casa, avançou com um conjunto de propostas que visam reforçar as garantias dos contribuintes face ao Fisco.

Sobre isto, nada!

Na véspera ficara-se a saber que:

- Vai haver vacina gratuita para o cancro do útero;
- Comparticipação nos tratamentos de infertilidade e,
- Programas de saúde oral para grupos considerados problemáticos.

Questões como estas deviam marcar a agenda noticiosa, dos comentadores e dos analistas, e não a excitação resultante do regresso do nosso “come back kid”: Santana Lopes.

Havia quem esfregasse as mãos de contentamento com a tenaz que, qual movimento da célebre “blitzkrieg” que os “panzers” usaram, iria trucidar Sócrates…
Aliás, ainda ontem Helena Lopes da Costa se esforçava por convencer a Nação que Santana estivera brilhante nos dois dias!

"Que ironia amarga, senhoras e senhores deputados, ver agora a Direita ser liderada pelos mesmíssimos responsáveis por aquele que foi um dos maiores fracassos governamentais da democracia portuguesa", anunciou quase a abrir Sócrates atraindo assim Santana à armadilha.

Santana ainda ensaiou a fuga para a frente (recorrendo mesmo àquilo que certamente ouvira a Cavaco Silva quando este referia que já Sá Carneiro dizia que qualquer Governo, ao fim de meio ano, deveria deixar de falar mal do seu antecessor e começar a governar), mas não resistiu.

Viria a admitir no final que o debate não "correu como queria" e pedindo "tolerância" para quem ainda se está a "adaptar" no "regresso a estas lides". Mas quem prometera que ia fazer e acontecer fora ele. Na véspera!

Esta é a maior confissão de fraqueza que se pode dar!
Doa a quem doer, e sei que a alguns dos leitores assíduos deste recanto vai doer, mas é verdade.
Um tribuno e um político não podem permitir-se a um deslize tal…

Lobo Xavier ontem, na “Quadratura do Círculo”, quase dava a estocada final quando proclamava que Sócrates até havia poupado Santana.

Ana Sá Lopes, no “Diário de Notícias”, analisou bem a questão dizendo que “Santana Lopes tentou resistir, mas caiu na armadilha diabólica: o passado é o passado. Ao segundo «round» já estava embalado naquilo que fará os pesadelos da liderança de Luís Filipe Menezes nos próximos tempos: a urgência de lavar a sua imagem de Primeiro-Ministro e do épico Governo a que presidiu.

Acontece que o líder eleito nas directas, Luís Filipe Menezes, não fazia parte do velho PSD de Durão e de Santana. Por acaso, não estava lá. Era, na altura, um «outsider».

O que até lhe podia valer na vantagem com Sócrates será desbaratado sempre com a imagem do animal ferido, ziguezagueando entre 2005 e 2007”
.

Continuo e continuarei a insistir que Luís Filipe Menezes pode muito bem vir a transformar-se num caso sério, mas continuo sem entender a razão de não ter querido ir mais longe e ter cortado cerce com veleidades como as de Santana.

Mas quem deu mesmo a ideia perfeita da coisa foi Manuel António Pina, na edição de ontem do “Jornal de Notícias”. E com fina ironia.

Com a devida vénia, escreveu o mesmo que “(…) nas intervenções do Primeiro- Ministro, dava o Canal Disney e passava o filme de fantasia mais visto dos últimos dois anos, «O mundo perfeito», acerca de um país distante onde tudo corre bem e a cores, o Governo governa, não há pobreza, desemprego, insegurança, o Benfica ganha campeonatos, a Dra. Maria José Morgado prende árbitros, e toda a gente é feliz.

Sócrates calava-se, começava a falar a Oposição e, de repente, a TV saltava para um filme «gore» no Canal Action; (…) iria a ministra da Educação comer as criancinhas?, o ministro da Saúde conseguiria fechar mais maternidades e urgências e abrir mais morgues?, o ministro das Finanças iria apropriar-se, depois da carteira, também do cotão do bolso dos contribuintes?

Pedia a palavra Santana Lopes e via-se, alternadamente, uma comédia no Canal Happy e uma reposição de «O leão da Estrela» na RTP Memória”
.

Este é o retrato perfeito não só do que ali se passou, mas de todo um País que se rendeu, e já há muito, ao que é aparente, à vaidade do momento e ao fogo fátuo dos “flashes” das notícias. E à surdez de não saber, não querer e não conseguir ouvir os outros.

Que é, aliás, e quanto a mim, a maior maleita de parte do Governo e da estrutura cimeira do actual PS: o ter esquecido rapidamente os tiques de autoritarismo que tanta havia criticado (e nalguns casos justamente) nos governos de Cavaco Silva.

Vejam com atenção, leiam com atenção e digam depois quanto daquilo é notícia ou mera suposição!

38 comentarios:

sniqper ® disse...

Lutar começa quando cada português não esperar que o vizinho do lado tome a iniciativa.

Eu sou português e não me rendi, de vaidade a única que tenho é ver que ainda existem alguns que lutam, de esquecimento nenhum, assisti a um Portugal antes do 24 de Abril de 1974 e de fogo fátuo e flashes das notícias faz muito tempo que eduquei os meus olhos e ouvidos a deitarem fora o que eu considero lixo.

Muitas já foram as lutas que travei sob as mais variadas formas, nos locais apropriados e sem esperar por apoios, reclamei, escrevi e assumi, em troca recebi penalizações e sorrisos de satisfação de quem nunca teve a coragem de assumir posições.

A blogosfera é uma arma que começa a incomodar muita gente, é aproveitada pela Comunicação Social para recolher informações, serve como campo para alguns blogues de acordos feitos nos bastidores saltarem para a ribalta, serem acusados publicamente e assim começar o que dia menos dia vai acontecer, o controle e a censura do espaço da blogosfera.

Meus Amigos e Amigas, blogues como o Notas Soltas e outros, felizmente muitos, que fazem um trabalho de cidadania louvável, não devem, nem podem ser trucidados por meia dúzia de blogues vendidos ao interesses do Poder. Leiam, ouçam e comentem em consciência, respeitem o trabalho sério feito por muita gente, anulem pela ausência e total desprezo quem utiliza a blogosfera para interesses pessoais, comerciais ou por pura vaidade pessoal.

Para finalizar, deixo-vos uma sugestão, todos os que defendem um Portugal Real, tendo como exemplo o trabalho feito pela equipa do Notas Soltas, complementem o vosso trabalho de uma forma simples e absolutamente legal.
Existe um PORTAL DO GOVERNO, onde podem no link CONTACTE O GOVERNO, deixar expressa a vossa indignação ou sugestão aos governantes, isso será a forma de fechar a porta das desculpas de falta de conhecimento por parte do Governo e o reforço ao vosso trabalho, que é justo, digno e como tal isento de ser considerado manipulação de mentes.
Deixem para os que precisam de vedetismo os ataques a membros do Governo que só servem para lhes dar a possibilidade de fechar de vez a nossa boca.


PORTAL DO GOVERNO
http://www.governo.gov.pt/Portal/PT

SILÊNCIO CULPADO disse...

Confesso que já não tenho pachorra para os debates parlamentares. Relativamente ao debate Sócrates Santana não me admira que o Santa ficasse KO. O Primeiro-ministro José Sócrates é invencível, ou quase, nos debates parlamentares. Eu admiro a sua capaciade retórica. Aliás proponho mesmo que haja um prémio para tão bom desempenho. E é essa qualidade que ainda faz que haja quem siga atrás do fogo fátuo. Mas é perigoso. E o Santana é um aprendiz de feiticeiro ao pé dele.
Claro que, a aproximarem-se as eleições, começam a surgir medidas que encham o olho e façam recuperar o eleitorado. É o costume. Nas autarquias é a mesma coisa. Inauguram-se obras imediatamente antes das eleições. E é natural que os impostos desçam por essa altura. Porque se não descerem por essa altura e Sócrates voltar a ficar onde está, duvido muito que desçam em 2010. Devem ficar a aguardar as eleições seguintes. Quanto aos apoios sociais anunciados, são sempre bem vindos embora, na prática, tenham uma expressão mínima.Porém o que importa perceber é que com medidas que, de vez em quando, anuncia, complemento para idosos, e outras coisas assim, há uma larga faixa da população que continua a empobrecer. É só isso que me interessa.

António de Almeida disse...

-Qual a percentagem da população portuguesa que sabe o que é um O.E., quanto mais, conhecer este em concreto? ainda sob forma de proposta, pois ainda não está aprovado, mas com maioria, é uma mera formalidade. Discute-se Santana vs Sócrates, como se de um combate de Wrestling se tratasse, onde não interessa a quase ninguém as ideias de cada um e sim, saber quem ganha, alguém tem de ganhar, é a cultura mediática pimba em que Portugal mergulhou há já uns anos, onde o que vende são notícias cor de rosa, violência gratuita, e miséria, se vier temperada com sangue, tanto melhor. O verdadeiro jormnalismo, as notícias, interessam a uma minoria, cada vez mais olhada como se fosse uma bizarria, pessoas estranhas, que se preocupam com coisas sérias. Isso explicaria muita coisa, desde o envidamento á falta de produtividade e crescimento económico, mas não vou fugir ao tema, pelo que digo apenas, que Sócrates e Santana, são eles próprios, bem como Menezes e outros, produto do nosso Portugal, pois atrevo-me a dizer, que há 20 anos atrás, nenhum deles ocuparia qualquer dos lugares que ocupa. O nível de exigência é baixo na nossa sociedade, mas os políticos são eleitos por todos nós, logo, serão o reflexo de quem os elege.

Márcio disse...

A minha opinião está aqui dada: Canto do Desconhecido. Não é propriamente uma resposta completa a todos os assuntos que aqui trás para debate com os leitores do “Notas”, mas também não foi escrito como resposta, mas apenas daquilo que eu vi sobre e as elações que eu tirei sobre o debate.

Maria P. disse...

Era uma vez, O Pedro e o Lobo...

:)Bom dia.

bluegift disse...

O Santana continua igual a si próprio, e o Sócrates idem, nada mudou. A oposição, actualmente é como os sindicatos, preocupam-se mais em combater que em negociar. E porquê? Porque combater garante o show que a populaça gosta e prescinde do estudo e capacidade de gestão implícitos na atitude mais séria que é negociar.
Há um claro vazio de poder no PSD, algo que convém a Sócrates e tem a anuência silenciosa dos verdadeiros senhores do PSD. O Sócrates é visto como um "bom aluno", ao contrário da imagem que deixou com o caso UL. Faz o trabalho de casa, obtém bons resultados nos testes, é odiado pelos cábulas. Falta-lhe ainda aprender a estancar a fuga fiscal dos grandes empresários e encontrar melhores incentivos ao investimento. Sem isso dificilmente vamos conseguir crescer e acabar com a pobreza em Portugal.

bluegift disse...

errata: "com o caso UI"

quintarantino disse...

Vinha aqui para deixar mais duas notas apenas:

1 - Pedir desculpa pelo texto relativamente longo, mas assim também têm vários tópicos por onde pegarem;

2 - Aos que quiserem, podem consultar:

http://www.dgo.pt/oe/2008/proposta/index.htm

Zé Povinho disse...

Aqueles senhores e o seu ajuste de contas, nada fizeram para me esclarecer. Os coelhos tirados da cartola por Sócrates nem são quantificados nem agendados pelo que não passam de promessas e, esse senhor já se esqueceu de várias.
Quanto ao resto só me apercebi vagamente que os cintos dos portugueses não vão afrouxar no próximo ano.
Abraço do Zé

Miss Vader disse...

Política é com o meu pai.
Eu não percebo nada disto e não gosto da maior parte deles.
Mas sei que o meu pai de vez em quando resmunga e muito.

Carol disse...

O post é longo, mas também é deveras elucidativo sobre o que se tem passado com a não discussão do OE. Sim, porque é isso que tem acontecido! Não há quem faça os trabalhos de casa e, pelos vistos, quem os faz não tem espaço nos media.
O que tem acontecido é o degladiar de duas personalidades carismáticas e às quais ninguém consegue ficar indiferente. Um, na minha opinião, é incompetente por natureza; o outro tem, de facto, o dom da retórica e a capacidade de trabalho que, em muitas situações, tem sido posta ao serviço dos grandes interesses económicos.
O povo, esse, pode agradecer as medidas que enumeraste, relativamente à saúde, mas tem o direito e o dever de mostrar a sua indignação por ser o escolhido para os campos de batalha mais duros, nomeadamente o aumento da carga fiscal e a contenção salarial.
Não sou, nem pretendo ser analista política. A única coisa que pretendo é dar a minha opinião que, como é óbvio, agradará a alguns e deixará outros tantos irritados.
Essa é a virtude da blogosfera e de blogues como este, que motivam a discussão de temas que são tão importantes.

Fernanda e Poemas disse...

Olá amigo, passei para deixar-te um beijinho.
Fernandinha

Tiago R Cardoso disse...

Mas será que esses "representantes" do povo não poderiam antes falar dos nossos actuais problemas, não poderiam antes falar do nosso futuro.

Já sabemos que para muitos ver um debate no parlamento não tem o mínimo interesse, até consideram uma perda de tempo, mas aqueles senhores não necessitavam de dar publicamente razão a quem pensa assim.

Já me chateia os tiques de vedeta do Sr. Santana Lopes, o gosto de estar sempre debaixo das luzes, como me chateia a falta de argumentos que o Sr. Sócrates começa a demonstrar, isso do "porque é que vocês não fizeram ?", mostra um desgaste e alguns tiques de quem está aborrecido de responder a questões, agora só falta um "Deixem-me trabalhar!" para a imagem ficar completa.

NÓMADA disse...

Os verdadeiros problemas do País ficam escamoteados por estes duelos à boa moda Medieval. Proponho mesmo que se crie uma comissão para exigir que estes duelos de façam a cavalo com espada e armadura.
Ninguém pode negar a habilidade de José Sócrates na arte de esgrimir. Porém, miséria das misérias, temos cada vez menos liberdades e o OE é um embuste a todo o tamanho, por aquilo que me apercebo da leitura. E depois há as medidas sociais que têm a mesma eficácia que outras que já foram implementadas e que não conseguiram nem sequer travar o empobrecimento dos mais desprotegidos.
Eu não me entretenho com estes tricots da ribalta. Tão pouco estes senhores, ou os partidos que representam, terão o meu voto nas próximas eleições nem que corram nus nas ruas para que todos olhem. Desta vez votarei em branco se o cenário se mantiver.

NINHO DE CUCO disse...

Quintarantino
O post está bom e o governo está mau e a oposição social democrata não se revela melhor.
José Sócrates é o mestre dos debates do parlamento e, como o homem gosta de títulos, eu proponho-lhe um doutoramento honoris causa. E aqui merece e é justo e legítimo. Caramba, tem atirado ao chão, em quase todos os rounds, a oposição apenas com excepção do BE. Mas Francisco Louçã, mesmo assim, não é tão bom.
O OE 2008 está a ser desmistificado nalguns orgãos de comunicação social e em muitos blogues da net.
Agora que já começou a campanha eleitoral, isso já começou. Tudo fogo fátuo para inglês ver.

Keops disse...

Caro Quintarantino,
Este é um bom exemplo de post,(e adenda). Como posso fazer pensar. Assumo a sua linha de pensamento.Acabei de ver mais uma intervenção na assembleia, com o governo muito preocupado com o futuro, o bem estar futuro. Questionei-me, e nós, os do presente, não haverá meio termo? Quando tomaremos uma posição perante esta "corja" de iluminados que tudo sabem e muito desrespeitam? Quando seremos maioritários na expressão da nossa indignação?

Blondwithaphd disse...

Incisive, as usual!
It's disgusting when the public affairs of the country are suffocated because pseudo-TV stars have to perform a show to the brain dead masses that only want entertainment. And the whole thing even gets more ridiculous because apart from the leading actors,likely candidates to the Oscar for "Best performance in a comedy movie", you also get the actors in supporting roles like Santos Silva (correct me if I'm wrong) saying (in relation to the comeback kid) "Vem para aqui às quatro berrar e depois vai-se embora!". I mean, with such language and manners, he must want an Oscar too! Where's the content, the debate, the public good? I vote for politicians not for the Academy's awards!
Also liked the incisiveness of António de Almeida's reply! A punch in the eyes!

(by the way, "Sócrates malhou" means he "patinou"? or something like that?)

quintarantino disse...

Hi there Miss Blond With a PhD... malhou, in the case, means he gave the Come Back Kid some spanking. Not much, just enough.

mac disse...

Não foi só a comunicação social que foi que deu destaque a este duelo, pois isso já se esperava de medias sensacionalistas. A oposição, sim a oposição, em pleno debate do O.E. também foi a reboque...
Serviram-se do pretenso debate para darem umas piadinhas e umas larachas, mas o facto é que deram importância a um assunto, que não deveria ter tido esta importância...

Blondwithaphd disse...

Oh, I see!! How bimbo of me! Thanks for the info!

Fa menor disse...

Socorro! não tenho tempo para ler nem para comentar...
eu sei que ando a perder muito por aqui... maldito tempo que não me chega para tudo!

Mas continuem meus lindos... dêem forte nessa cambada!

R@Ser disse...

Olá Quintarantino passando para te ler!
Beijo.

sniqper ® disse...

Silêncio...
Fiquei a pensar nesta tua parte do comentário..."O Primeiro-ministro José Sócrates é invencível, ou quase, nos debates parlamentares. Eu admiro a sua capaciade retórica.", e realmente não estou de acordo, porque não conheço ninguém invencível a não ser a MORTE, simplesmente porque essa não dá azo a conversas, tem uma máxima muito acertada...É para fazer, faz-se.
Eu prpunha a qualquer um dos politicos portugueses o seguinte desafio, um simples sorteio, tipo totoloto de um cidadão português, utilizando o seu número de BI, e sem rede, ou seja sem os tais papéis uma conversa em directo das realidades, deveria ser um debate interessante, que achas?

SILÊNCIO CULPADO disse...

SNIQPER
Qualquer cidadão em directo com José Sócrates não aguentava a pedalada. Mas isso não significa que ele seja invencível noutro sentido. É aquela máxima: vencido mas não convencido. E quando não se está convencido também não se está vencido. Há sempre a possibilidade de nos erguermos. Agora que ele convence alguns ah disso eu não tenho dúvidas.

quintarantino disse...

Se me permitirem meter a colherada, eu acho que o debate podia ser interessante e aí o Sniqper pode ter razão. O problema, e aí afino pelo diapasão da Silêncio, é que há truques, raciocínios e formas de estar num debate que só se aprendem com anos de experiência. E nisso, goste-se ou não do homem, Sócrates tem sido exímio. Até ao momento.

ALEX disse...

Pois eu por mim vou no que dizem aqueles que acham que o homem é muita bão a convencer nos debates parlamentares e que, além das aptidões pessoais, tem técnicas e anos de traquejo que o tornam exímio. Agora que ele enfia gandas gorros à maralha!... e OE é um deles. Ele consegue fazer crer que o que é bom para o poder, seja ele político ou económico, é bom para a maralha! Isto não é o máximo?

sniqper ® disse...

Meu Caro Quintarantino,
Debates daqueles eu prefiro como disse ver Wrestling, dá mais pica, cadeirada para cá, cadeirada para lá, agora troca de palavras, The Game Of Words, hummm, no gude!
Truques? Pois talvez seja por isso que andamos todos TRUCADOS ao ritmo de um traquejo desgastado que temos de engolir, mas quem sou eu para falar, gostos e opiniões são direito de cada um, por mim prefiro conversa simples e obras feitas.

Bruno Pinto disse...

Um debate é uma mera questão de propaganda, quem se sentir mais à vontade e tiver maior dose de auto-confiança levará a melhor. O problema é que não resolve coisa nenhuma, a maioria das vezes as políticas seguidas não estão de acordo com o que se diz nos debates. O debate é engraçado para quem gostar de política, para quem tiver simpatia por este ou aquele. O povo está farto de conversa! Depois, discordo em absoluto com a Silêncio Culpado num ponto: qualquer cidadão anónimo, que sente os problemas na pele, desde que soubesse expressar-se minimamente, conseguiria colocar Sócrates ou qualquer outro a gaguejar e a cair no ridículo. Eles falam muito bem, sabem estar nos ambientes formais, mas para o povo não têm andamento...

Alma Nova disse...

Meus caros
fiquei calada até agora porque, não desmerecendo o excelente trabalho que se faz neste blogue, estou um pouco cansada de falar e comentar a polkítica portuguesa. Mas, agora, não consigo já ficar calada! Quando se considera exímia uma personagem que é altamente versada na arte de deturpar as palavras e com elas enganar milhões,...então, caros amigos, penso que chegou a hora de repensar toda a minha prática profissional, como educadora...Vou mudar as técnicas e as estratégias. Vou ensinar a arte da manipulação, da mentira, da deturpação...e quem sabe, um dia, verei um daqueles que agora tento lançar no caminho da Justiça e da Verdade, tornar-se uma grande figura na política portuguesa!!!

quintarantino disse...

Caríssima ALMA NOVA, que o seu cansaço não a impeça de aqui vir dar-nos o prazer da sua companhia.
Quanto ao "exímio", compreenderá, obviamente, que há que ponderar as devidas circunstâncias.
Se quer que lhe diga, nem considero o homem um orador de grande monta. Aquele monocordismo da voz e do discurso...

sniqper ® disse...

Alma Nova,
Pronto era só o que faltava, estamos feitos! Agora começam nos bancos da escola a reclamar e com razão, mais disciplinas, haja pachorra!!!
Lá vai a Sra. Ministra ter de rever de novo o Estatuto do Aluno, ou lá como se chama, isto parece que vai acabar em mais uma eterna novela...Vou emigrar, prefiro aturar o Bush, xiça...Fui.

João Rato disse...

Bela análise para um debate que nada valeu, enquanto eles por lá se entretinham no recreio da democracia, num país ao lado um povo em movimento vivia alheado e ainda bem! Pena que não acorde!

adrianeites disse...

é assim este país... a agenda nunca tem as marcações correctas e por isso estamos sempre atrasados...

bom post!

C Valente disse...

No hemiciclo discute-se o supérfluo, e deixa-se o fundamental
Importa o rotulo não o que está dentro. É um mundo de faz de conta
E assim vai este país
Saudações amigas

Lampejo disse...

Quin,


Lendo-te.

......


(a)braços :)

Um Momento disse...

Aqui ando a ler...
Quanto aos nossos "amigos"... façam , falam...acções...pois...


(*)

tacci disse...

Alma Nova: a questão que levanta é extremamente importante e, se me permite, merecia um artigo aqui no Notas Soltas. Mas não julgue que ainda ninguém pensou na sua questão: tem lido a polémica dos ranquingues, não tem? E já leu decerto os programas de Português e de Filosofia.
Sabe, não percebo porque é que os Sindicatos dos Professores não iniciam uma jornada de luta pelo direito dos Professores à objecção de consciência.

Um abraço.

Vieira Calado disse...

Estou com o Sniqper que elogia o trabalho deste e doutros blogs.
E também creio que a esmagadora maioria do mundo blogista se revela mais democrática que os que estão nos governos.
Um abraço