Mudar de canal!

Após um namoro de doze anos, tivemos um casamento na Madeira. Diga-se que foi uma coisa linda, a noiva chegou de avião, muitos fotógrafos, sorrisos e a cerimonia foi bonita. Embora, já nessa altura o noivo, o João, não gostasse do sogro, o Sr. José, durante a festa teve que se conter um bocado nas críticas que vinha fazendo, mas para sua surpresa e satisfação, a noiva levada, talvez pelo calor do momento, fez algumas críticas ao pai.
Como se trata de um casamento moderno, os noivos vivem em casas separadas, facto que já começou a originar problemas, visto que o pai da noiva, o Sr. José, prometeu uns “dinheiritos” para a noiva continuar as obras lá em casa, não escorrendo nada para a casa do João.

Para agravar esta situação, os primos da noiva, que vivem na Madeira e não suportam o rapaz, continuaram na sua cruzada, reunindo uma série de acusações graves contra ele, ao que o João respondeu de uma forma caracteristicamente sua chamando-lhes anedotas, sensacionalistas e queixinhas.

Nesta altura seria bom recordar que o João é uma pessoa que também gostar de contar a sua anedota, como aquela de que o casamento entre pessoas do mesmo sexo vai contra a alma nacional e que fere os valores portugueses, sabe-se que é também uma pessoa pouco dada a sensacionalismos, tirando umas frases mais arrebatadas, tipo o Sr. José com a sua "mão fechada" está a acordar sentimentos que estavam adormecidos na minha família e, para finalizar, é uma pessoa pouco dada a queixas, excepto quando não lhe deixam gastar o que ele quer e ainda por cima dinheiro dos outros.
Este é o resumo do último desenvolvimento de uma telenovela nacional, que já começa a parecer-se mais com uma novela mexicana, daquelas que parecem não ter fim à vista. Enquanto isso, os coitados dos espectadores aguardam ansiosamente que chegue rapidamente ao final, fartos que estão das personagens, do argumento e principalmente de não conseguirem mudar de canal.

Nota solta : Precisa-se urgentemente de um comando para o televisor.


Ideia tonta : Prefiro a Floribela.


19 comentarios:

Carol disse...

Excelente início!
O teu post fala dumas pessoas que têm o condão de me irritar.
O noivo é uma óptima personagem de circo, daquelas que ora fazem de rico ora de pobre... A noiva tem a mania de se passear altas horas da noite, de ligas e mini-saia, na berma da estrada... Só assim se explica que um namoro de doze anos de chutos e pontapés termine em casamento!
Quanto ao srº José, tinha-o em melhor conta...
P.S.: A tua surpresa está pronta. Espero que gostes.

P.S.S.: A Floribela?! Essa é mesmo uma ideia tonta!

Um Momento disse...

Ahahahahha...
Desculpa Quint...
Mas não o consegui evitar...
Simplesmente novelas é o que há mais por aí...
Mas esta realmente,doze anos de namoro,e tão modernamente habitarem em casas separadas...mas então...o noivo ainda querer usufruir dos euritos que o papá da noiva vai dar para as obras lá por casita dela?...óh que grande chatice...
Vamos lá dizer ao sR.José para ser um "mãos largas", quem sabe assim terá um final mais "sorridente"

Nota solta:( tenho aqui um comando novo ali dos chinocas...tens aí pilhas ?)

Ideia Tonta:
Prefiro o Batatoom

Um Momento disse...

Ups...

Tiago!!!
Sorry
Rectificando o nome do autor deste post:))))
Beijinho sorridente:)))

(*)
( Logo pela manhã a falares em namoros , olha...fiquei assim no mundo da lua :D)

quintarantino disse...

Meus amigos... o Tiago, tal como eu suspitava, revela-se uma excelente aquisição... visão de jogo, capacidade de driblar à esquerda e à direita... enfim, o raio do rapaz é uma alma danada.
Por seu turno, a Silêncio Culpado faz-me lembrar aqueles defesas tipo Beckenbauer. Calma, serenidade no momento do corte e um jeito terrível por sair por ali fora com o esférico controlado.
Estou a ficar como o Belmiro... qualquer dia reformo-me. A não ser que a estes dois lhes dê para lançar uma OPA ruinosa sobre a Nação. Ai deles, é rua pela certa. Seria a desgraça financeira do império.

Quanto ao resto, ó Tiago vê lá nas que te metes... depois queixa-te que não te deixam ir à Madeira.
E lá no resto, ó jovem, a Floribela ou lá que raio é isso ainda dá?

SILÊNCIO CULPADO disse...

É assim mesmo Tiago está muito bem dito.Temos que ir passando as mensagens e tu estás a fazê-lo com mestria.
Eu estou a escrever de muito longe devido a uma deslocação de emergência em trabalho. O Quint que não pense que se safa pondo os Mourinhos a trabalhar.E depois ele ainda tem que me explicar melhor essa coisa de o chamarem de cineasta.
Estou num cyber só para comentar o Notas.

Joshua disse...

O João, goste-se ou não, é um fruto pleno da democracia. Não se pode gostar da democracia e depois não gostar dos seus efeitos, produtos, personagens, mais grotescos, menos, assim assim.

Sempre desconfiei dos papões para o João, mas de igual modo detesto a monstrização do João justamente por parte daqueles que se mostram mais desconfortáveis com as emanações democráticas.

Menezes e João são emanações democráticas e nós só temos uma opção: gostar da democracia e gostar do arco-iris de produtos inesperados que ela nos dá.

O homem é inteligente, arguto e diz coisas desassombradas. Devia era estar na televisão a contracenar com o Herman ou a apresentar um concurso daqueles que dão dinheiro (a conta-gotas, mas dão).

Sei lá.

R@Ser disse...

Ui,ui,ui....
Mudar de canal,trole remoto,floribela,João,José...Confusão!!!

Bjim

adrianeites disse...

por estes lados muda-se a imagem do blogger como se muda de camisa,,, lol


mais vale ver a chiquititas..lol

7 Pecados Mortais disse...

Muito bom Tiago! Boa maneira de dizer que estamos fartos da "mesma novela" Por estranho que pareça a novela da sempre nos mesmos canais (RTP 1 e 2, SIC e TVI e outros). Poderiam estes senhores pensar que assim não contribuem para as audiências! Será que já pensaram nisso? Só que esta é uma das mais novelas que dão diariamente na TV. Repetem hoje, amanhã e por aí fora. Estamos a ficar fartos destas gracinhas da nova era social, política e de entretenimento. Só surge o ridículo e esquecem-se do essencial que é a vida dos que trabalham e que continuam pobres para sustentar as novelas dos ridículos. Grande Abraço.

Fa menor disse...

É sempre um enorme prazer passar por aqui e ler estes fantásticos textos...

Tiago, bola p'rá frente!

Márcio disse...

Gostei essencialmente que não tenha mudado o seu estilo final... Em relação a esse casamento já falei anteriormente aqui também sobre as minhas suspeitas! :D

Jasmim disse...

graças a deus que existe o canal Mezzo...

João Rato disse...

Estou intrigado! Mas de que raio de casamento é que se está para aqui a falar? Eu não fui convidado, também não tinha roupa, mas gosto sempre de dar a visita!

João Rato disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
NINHO DE CUCO disse...

Oi, Tiago então já não posso ir aos COM FIXADORES?
Quanto a este texto acho importante falar destas coisas e está muito bem escrito.

JOY disse...

Nesta situação é sempre bom ouvirmos a voz sábia do povo ,que diz,Namoro demorado , Casamento Amaldiçoado. Que vai na cabeça do César que á 12 anos anda ás cabeçadas com o ditador da Madeira e agora aparece de anel no dedo ?

JOY

Fa menor disse...

Tiago...
... porque é que não deixaste ficar o "com fixadores"?!
:(

7 Pecados Mortais disse...

A todos os que tem contribuido com palavras de sabedoria, de solidariedade e até de humor, o muito obrigado pelo vosso apoio. Não estou nada preocupado e por isso mesmo decidi publicar esta convocatória que me foi dirigida como ARGUIDO. Tenho a minha consciência tranquila e apenas expus o que me revolta. Pelos vistos a máxima que diz que todos são inocentes até prova em contrário caiu em saco roto. Agora somos todos culpados e arguidos até prova em contrário. Ridículo como disse e é o País que temos. Abraços.

Fragmentos Culturais disse...

Com imensa mágoa já não encontrei o seu espaço 'Com Fixadores! Era necessário fazê-lo desaparecer?! Tanta coisa válida lá tinha escrito!
E os seus leitores?!

Lamento não ter podido ler a razão desta sua opção! Que nela se sinta bem!

Espero que não abandone o caminho de 'fragmentos'! Afinal foi/é um dos meus mais fiéis leitores!

Um abraço bem amistoso!