Outra vez a história do "inginheiro"...

Presumo que desta vez vá sujeitar-me a críticas mais ou menos ferozes.
Contudo, sempre disse que quando escrevia pretendia abrir espaço à discussão.
Não à unanimidade, mas antes à discordância.
O caso da licenciatura do Primeiro-Ministro veio novamente à baila.
E através do mesmo diário. Não irei corporizar a teoria da conspiração que já ouvi a algumas pessoas (uma até é militante do PP) e que preconiza que quando a OPA da Sonae sobre a Portugal Telecom falhou se deu uma mudança subtil na orientação desse jornal. É por demais absurda para sequer ser admitida.
Não posso é deixar de estranhar o destaque que se quer dar novamente ao assunto através da referência a escutas. Como se estas fossem uma “bomba” quando se desconfia que, neste País, o mais provável é andar tudo a ser escutado.
A PJ terá registado um vaivém de chamadas entre os intervenientes. Curioso é que, desta feita, são só as anotações da PJ às chamadas que são transcritas e não as escutas em si. Efeitos do novo Código de Processo Penal ou selectividade jornalística?
Há por aí outro processo mediático onde tudo é chapado. Ali à vista de todos.
Depois é o próprio diário que traz à colação que se Sócrates aparentemente beneficiou de alguma balbúrdia, outros alunos há que também disso beneficiaram.
Diz-se mesmo que “dois deles (alunos) tiveram 13 valores a Inglês Técnico sem nunca fazerem a cadeira”.
Quer-se-á dar a impressão que a investigação conduzida pela procuradora Cândida Almeida terá sido menos diligente, dado o resultado alcançado, quando comparada com a de outra procuradora, também ela muito em voga, e que reabriu o que antes outros colegas haviam decidido arquivar?
Quer-se-á deixar no ar sérias suspeitas sobre eventuais falhas de carácter num homem que, sendo político e, mais que isso, por ser Primeiro-Ministro, as não podia ter, especialmente num caso como este?
Responda quem souber.
Se é que existem respostas.

20 comentarios:

Bruno Pinto disse...

O que eu sei é que hoje em dia é-se acusado (e condenado) por tudo e por nada na praça pública. Toda a gente sabe que basta uma simples referência a alegados delitos de certa pessoa, para que a imagem da mesma fique irremediavelmente manchada. Provas... Zero!!

Mia - Castelo da Mia disse...

Mas que telenovela.
Um grande beijinho
Mia

Lampejo disse...

Quint,


É sempre bom observar as tuas palavras voando por ai!

(a)braços..:)))

adrianeites disse...

pareceme-me evidente que a esse caso muitos querem desvalorizar e tentar "abafar"...

isso daria um título de filme... "qualquer coisa" para esquecer...

Tiago R Cardoso disse...

O que a coisa continua ?
Já estou a imaginar a blogosfera a encher-se de posts, só o sr. do Portugal profundo vai fazer uma festa.
Então não se nota logo que o homem tirou o curso limpo, não viram a forma como se dirigiu ao sr. Bush.
Sinceramente eu estou cansado do assunto, não se trata de abafar, mas transcrições de anotações de escutas , que por sua vez serão reproduzidas por outros e por outros, até fiquei cansado...

o guardião disse...

O homem tirou mesmo o curso, veja-se a sua fluência em Inglês. Foi tão técnico que nem os americanos entenderam.
Cumps

Quint disse...

Um esclarecimento adicional à Nação bloguista que por aqui me visita.
Não considero relevante que qualquer Primeiro-Ministro tenha de ser engenheiro, economista ou doutor.
Considero mais relevante que seja competente.
No caso presente, penso que possivelmente o envolvido (e outros) terão beneficiado do clima de aparente laxismo que existia naquele estabelecimento de ensino para chegar à licenciatura.
Mas, e faço um apelo à memória colectiva, quantos comentários mordazes já se fizeram sobre pessoas, sobre o A ou o B, que teriam comprado o curso?
Para mim, uma coisa é José Sócrates ter acabado o curso com uma "perna às costas" graças ao beneplácito que possivelmente lhe concederam e outra completamente diferente era ter andado a intitular-se como engenheiro quando o não era. Academicamente falando. Já socialmente falando penso que o poderia fazer pois seria Técnico Superior de Engenharia numa autarquia local. E aí ninguém pede para falar com o Técnico Superior Engenheiro, mas sim como o Engenheiro...
Onde eu queria ter colocado o acento tónico no post era mais na questão da notícia ontem dada à estampa pelo "Público".
Que fazia afirmações, mas também deixava insinuações.
Ora, tenho para mim que a Dra. Cândida Almeida é pessoa de bem, capaz, tecnicamente competente e cujas conclusões no inquérito que concluiu e conduziu devem ser tão válidas como as da Dra. Maria José Morgado que, no famosíssimo Apito Dourado, reabriu inquéritos e deduziu acusações com base num novo elemento... o depoimento testemunhal de uma pessoa que, por mero acaso, parece ser co-autora de um crime de ofensas corporais e ainda nã foi acusada.
Ou será que em matéria de informação e arguidos temos dois pesos e duas medidas?
Paralelamente, existem casos em que a transcrição do teor das escutas telefónicas é profusa e abundante, mas neste, como disse, o citado jornal limita-se a transcrever as anotações dos investigadores...
Não tenho procuração para defender José Sócrates, nem é isso que pretendi.
Só quis deixar no ar o porquê de certos casos funcionarem na nossa Comunicação Social como as ondas na praia?
Vão e vêm aparentemente ao sabor de coisa nenhuma.
Ou será que também aqui já não há coincidências?

migvic disse...

Cuidado, que eles andam aí.

Tiago R Cardoso disse...

Portugal é um país de coincidências, tens razão, tomara que em Portugal as coisas fossem resolvidas de uma vez.

Carol disse...

Pois é, já lá dizia a outra: não há coincidências! Será que este assunto voltou, porque as directas no PSD estão a ser uma grande e obscura peixeirada? Se calhar,não.... Eu é que tenhoa mania das conspirações. E, digam-me senhores, que interessa se ele é ou não é "inginheiro"? A mim, não me interessa nada! Quantos por aí há dizem se doutores e nunca sentaram o cuzinho numa sala de aula do ensino superior?! Assim, de repente, lembro-me de 1 jogador de voleibol de Espinho que se dizia economista... E, quantos funcionários são promovidos a técnicos disto e daquilo, só porque o boss acha que é fashion?!
Quanto à balbúrdia universitária, meus amigos, andei na Univ. de Aveiro, que é pública, e assisti a muitos beneplácitos e favorecimentos... E nenhuma das pessoas em causa era político.

damularussa disse...

Se pessoas forem escolhidas pela sua competência e nunca pelo canudo que ostestam, essa questão será obsoleta, ter ou não ter, ser ou não ser, nem será questão .

missixty disse...

Na minha opinião o que é ainda mais grave, é que só levantaram essa questão de haver pessoas que tem cursos e títulos sem os terem realmente, para dessa forma atingirem o primeiro ministro, se ele não fosse quem é, isso já não interessava para nada!Portanto resumindo e concluindo, foi um acto de linchamento político e não uma tentativa de parar com a corrupção e melhorar o sistema! Muitos desses que falam lá terão certamente um filho , ou um sobrinho , nas mesmas condições e mais não digo.....

SILÊNCIO CULPADO disse...

Penso que um Primeiro Ministro deveria estar acima de todas as suspeitas. E se, efectivamente, há um recrudescimento e um voltar à carga é porque as provas apresentadas não são suficientemente convincentes. Não me importo que o meu PM não seja engenheiro mas importo-me se o percurso académico não foi correcto. O facto de poder haver outros nas mesmas circunstâncias não o desresponsabiliza. O mal é sempre mal seja quem for que o pratique.

Quanto à história de um arguido não ser um acusado e de um acusado não ser um condenado serve fundamentalmente de argumento para criar ruído e para desculpar tudo e todos. E depois é o que se vê. Até há bem pouco tempo havia apenas 8 indivíduos a cumprir pena por corrupção. Alguém está convencido que só haja 8 grandes corruptos em Portugal? Eu não estou convencida. Não consigo provar que há mais mas têm que me convencer que não há. E repito: não estou convencida. E não estando convencida suspeito sempre que vejo fumo. Estou num país onde ainda não se prendem as pessoas por pensarem e transpirarem desde que não seja em demasia. E com todas as vicissitudes da comunicação social o facto de trazerem, para a praça pública, certas situações ainda é a única coisa que mete respeito a alguns senhores.

Joshua disse...

Quentin Tarentino, ui, eu já gastei montes de byts sobre esse assunto e ele tem pouco por onde me surpreender. Mas uma coisa te dido: já não há homens.

Que custava ser homem e assumir? «Sim, fui um traficante de notas e de licenciaturas, mas agora que sou PM, estou arrependido.»

Ou então: «Fiz de conta que era Engenheiro, quando na verdade andava a roçar-me no Partido por uma Posição... Ou a traficar influências e tal... E não é que a ganhei, à Posição? Por cima: eis a minha Posição: por cima!»

Ou ainda: «O dzer-me Engenheiro dava-me charme. Tinha mais peso que dizer: 'sou um aparelhista do PS' especialista em sanguessugar o aparelho partidário que por sua vez, no Poder, sanguessuga o País.»

Quint disse...

Joshua, meu caro, pior é o Vara...
e o Vitorino... ai, coisa e tal, deputado, tá bem, mas ministro não me dá jeito nenhum... ou o outro que enquanto esteve no banco era tudito Opus Dei e agora que saiu de lá com uns milhares I'm out... já não sou, fui, era... apre!

DS disse...

To be or not to be...
Já um grande senhor se questionava à séculos sobre a comédia do mundo!
Beijinho!

SIMPLESMENTE.... C disse...

Com uma salada mista dessa, a coisa fica complicada.
Abracinhos...lindinho

Zé Povinho disse...

Se a utilização do título foi usada antes da sua obtenção, e isso parece-me que doi provado, eu já sei lá, então ele devia ter assumido o erro. Quanto ao canudo, e neste caso, estou-me perfeitamente nas tintas, as decisões do governo a que preside, pelo menos muitas delas, irritam-me muito mais. Gente com canudo e que nada sabem e nada fazem de útil conheço bastantes, infelizmente. Também essas nos prejudicam a todos, por produzirem pouco e ganharem demais. Há por aí muitos que ese entricheiram atrás de canudos e de cargos, mas que não mostram ponta de profissionalismo e de competência e isso sim, irrita-me.
Abraço do Zé

Quint disse...

Olha o amigo Zé Povinho, já cá sentia a sua falta!

Laurentina disse...

Eu acho que é uma questão de falta de humildade e transparência ...
E mais não falo sobre este assunto que ja fede .
Esse senhor não me merece a atenção.

Beijão grande