Guerra civil nas estradas portuguesas

Julho e Agosto nas estradas portuguesas: 147 mortes.
Prossegue a guerra civil que assola as nossas estradas.
Pouco mais se poderá dizer. Claro que há estradas perigosas, claro que há sinalização mal colocada, claro que há imponderáveis… mas a condução de muitos dos nossos condutores também pouco ajuda.
Recordo ainda que no final do meu exame de condução, o examinador me disse: “Faça um favor a si próprio: a partir de amanhã não arranje um Código da Estrada só para si!”.
Foi assim que soube que havia passado.

10 comentarios:

Euzinha disse...

Olá Quintino, amtes de comentar este teu pertinente post, quero agradecer a bela gargalhada que me fizeste dar, quando li o teu ultimo comentário lá no fim do dia.
Quanto aos acidentes, ainda que com muitas mortes este ano nas estradas, a sinistralidade vais diminuindo, mas ainda há muita gente que não seguiu o conselho do teu examinador, e realmente e infelizmente existe uma grande diversidade de códigos da estrada.
Um beijinho para ti, vamos esperando a consciencialização dos automobilistas deste nosso portugal.
E.

Tiago R Cardoso disse...

Estradas e civismo são coisas que os portugueses não conseguem ligar, deve tratar-se de alguma alergia ou simplesmente estupidez.
Obs.
Então que tal ? Como é difícil voltar depois das férias...

adrianeites disse...

vi uma reportagem ontem de manhã...


dá que pensar...

cp's

Ema Norte disse...

Existem situações/atitudes que são de arrepiar.

Boa semana.

C Valente disse...

Tudo tem a haver, primeiro com a educação ou formação, depois as nossas estrada tambem pecam pelo traçado e buracos, e para finalizar a policia em vez de prevenção é caça á multa
saudações amigas

o guardião disse...

Um examinador consciente e sábio.
É o tal problema da consciência cívica de que se tem falado e que anda tão por baixo.
Cumps

SILÊNCIO CULPADO disse...

Quando um país perde as suas referências como Portugal está a perder, tudo faz sentido.As gincanas nas estradas testando a "máquina" que, de uma forma geral, está a ser paga a prestações (muitas vezes para além das possibilidades), a violência interior fruto da incerteza e do agravamento das condições de via, a frustração face a uma comunicação que confronta com tudo o que há de bom na vida num país a empobrecer a olhos vistos, como tu já referiste...

Joshua disse...

No Brasil, o caos na estrada/circulação impera e efectivamente mata. Em Portugal domina um espírito orgulhoso e ousado no condutor que morre e que mata: é um vício, uma mania, o modo como o português se sente inexpugnável e insensível.

Que pena este povo!

Lampejo disse...

Quintino,

No Brasil Fala-se, entre outras coisas, de caos no tráfego aéreo, caos na educação e na saúde públicas, caos nas estradas e nos transportes, caos nos poderes executivo, legislativo e judiciário. Aliado à corrupção crônica, o caos constitui uma grave enfermidade pública. Os sintomas mais imediatos e visíveis dessa enfermidade são, entre outros, as longas filas, o desrespeito aos cidadãos, os conflitos entre usuários e funcionários, o jogo de empurra-empurra das autoridades, as acusações recíprocas e, no limite, o dedo em riste apontado sobre
"o culpado" ou "culpados".

(Um abraço Sincero (querido amigo)

:)))

adrianeites disse...

e assim vão os nossos politiqueiros...

cp's