Banca (também) passou a ser roubada!

Sinal de crise económica, de confiança na ineficácia das autoridades e da sua crónica falta de meios ou de modernidade? Não sei.
O que sei é que nos últimos tempos o País tem sido assolado com uma vaga inaudita de assaltos mais ou menos violentos, quase sempre perpretados na maior das calmas, por "cavalheiros" que, nalguns casos, nem se dão ao trabalho de tapar a cara.
Nos tempos de Jesse James seria difícil fazer melhor!
Ante a reacção da populaça expressa nas cavaqueiras tidas à sombra de um guarda sol oferecido ao dono do café por uma qualquer multinacional, um senhor duma associação qualquer ligada à banca veio dizer que "também nós" devíamos estar preocupados com os assaltos aos bancos.
Ora, eu presumo que o "também nós" seja cá para o rapaz e qualquer outro português que um dia teve a infeliz ideia de entrar pela porta de um banco adentro e... deixar-se assaltar!
Pois é, chegou a "pay back hour" como dizem os "américas"!
Enquanto isso, lá pelos reinos dos Algarves parece que o caso Joana ameaça repetir-se com Madeleine McCann.
Curiosa e a dar uma interessante análise a volatilidade das massas. Para este assunto, recomendo que dêem ali um "saltinho" ao cegueiralusa.blogspot.com onde o amigo Carreira escreve e bem sobre a coisa.

15 comentarios:

SIMPLESMENTE.... C disse...

É, depois dou uma chegadinha por lá.

abracinhos..

Jay Jay Jellyfish disse...

Desde que não levem o meu!

Euzinha disse...

Ninguém merece estar no seu local de trabalho e ver-se de repente perante uma arma.
E amigo, todos nos devemos preocupar, mesmo que te sintas "roubado" pela banca, pois esta onda de assaltos denota o estado em que está o nosso País.
Não deve ser fácil para um bancário levantar-se de manhã e poder ser o último dia que acorda.
Ainda hoje ao conversar com um senhor, soube da hostoria dele, e como ele me dizia, imaginar é uma coisa, viver a situação é totalmente diferente.
Este senhor, foi assaltado em pleno Algarve, quando conduzia numa estrada levando ao lado a esposa. Ouviu uma sirene, viu a luz, obedeceu aos sinais da "policia" e encostou à berma.
Eram falsos polícias. Assaltaram-no, deram-lhe uma coronhada na cabeça e ataram o casal a uma árvore. De seguida fugiram com o mercedes das vitimas.
Dizia-me o Senhor, que a esposa perante a situação, despediu-se dele, pois pensavam não sair vivos da situação.
Infelizmente estas formas de assalto chegam mesmo das "américas".
Beijo E.

Lampejo disse...

Quintino,

Está difícil aí não é?
Brasil não foge a regra....Lastimável....!

(a)braços...

Te cuida!

Zé Povinho disse...

Se o roubo é condenável, também é certo que a situação económica ajuda à festa. A solução para esta situação não passa só pelo aumento da vigilância policial,mas também pelo combate às assimetrias sociais que aumentam a olhos vistos.
Abraço do Zé

quintino disse...

Euzinha, espero que tenha percebido a ironia de tudo o que escrevi.

Euzinha disse...

Claro que entendi, como já disse adoro a sua forma de escrever.
o meu comentário foi apenas um desabafo de um receio que para mim é diário. Quando algo se sente na pele, a reacção é instantanea.
beijinho
E.

Joshua disse...

O desespero explica muito esta fase de assaltos quotidianos a bancos em Portugal: encurralados pelo Estado, esmifrados pela Banca, seduzidos pelos apelos consumistas, há homens e mulheres que pura e simplesmente não têm nada mais a perder.

A muitos assaltantes não os move a ganância, mas a revolta, a sensação de traição, o sentimento de que os chefes do País, muitos Patrões sem sentido ou responsabilidade social, na verdade desprezam o Povo, estão-se a cagar para ele e o usam como se usa uma Puta a quem também se Despreza e por isso mesmo se Usa e se paga mal.

Só que este Povo-Puta é mais forte e consciente que todos os mecanismos bigbrotherianos de controlo modernos sobre o ser-se Povo e vai Retribuir. Que não se duvide!

Estive no Carreira e valeu a pena.

Abraço

SILÊNCIO CULPADO disse...

Não , não é o caso Joana. Não há qualquer similute nas esferas sociais em que ambos os casos se desenvolvem. A única semelhança está no facto de haver duas crianças sobre as quais pesa um crime, seja de morte, seja de sofrimento, seja de dor, seja de desamor. E as pessoas entram como figurantes num teatro gigantesco onde o dinheiro e a influência fazem toda a diferença. E falam nos media e na nossa PJ porque o que é importante para alguns não é a criança mas o cenário. E é apostando neste cenário que os McCann tentarão um golpe à O.J.Simpson porque sabem que com eles o caso é diferente. Eles têm dinheiro e poder e até são bonitos, católicos e com ar bonzinho. Não há semelhanças entre Kate McCann e Leonor Cipriano. Nem parecem pertencer à mesma espécie humana. Só se faz a aproximação entre as duas para dar a versão dos factos que convém. Há quem Queira que levemos o resto da vida a calcorrear o mundo procurando crianças que já não existem. Porque elas não aparecem. E nós estamos a contribuir para o circo sem nos apercebermos.

antonio disse...

O pvo não é assim tão volátil, Socrates continua no limiar da maioria absoluta.

Quanto aos assaltos, o último foi feito por dois franceses... parece que o crime em Portugal não é feito por imigrantes de leste, África ou Brasil, se é que me faço entender!

C Valente disse...

Será que assim temos mais policiamento,
Roubar por roubar, que roubem aos banqueiros
Saudações amigas

Tiago R Cardoso disse...

Ai está alguma coisa em que Portugal se começa a chegar perto de outro países maiores, assaltos e tiros pelas ruas, que orgulho.

SILÊNCIO CULPADO disse...

Quanto à banca passar a ser roubada...."Ladrão que rouba ladrão tem cem anos de perdão".
O que escreves agita e isso é importante.

DS disse...

Como parece que Lord Vader também ronda por aqui e como sou fã da guerra das estrelas, vou passando!

Beijinho!

o guardião disse...

Será que estamos perante sinais de sucesso e não demos conta do feito? É que as sondagens começam a surgir, sugerindo que eu afinal critico o que de melhor há neste país - a insegurança... .
Cumps