As "cavacadas" do Dr. Silva, Aníbal!

Dando provas da sua proverbial visão de futuro, Cavaco Silva dirigiu-se ao Parlamento Europeu com um discurso recheado. De banalidades, trivialidades e quejandos.
Advogou a reforma do modelo social europeu. Logicamente, na sua sábia visão, isso passa pela flexigurança. Adaptada a cada país, mas mesmo assim flexigurança.
Pigarreou sobre mais formação, melhor economia, mais competitividades, mais desenvolvimento. Juntou-lhe um toquezinho de ambientalista e “voilá”…
Desafiou a União Europeia a entender-se, durante a nossa Presidência, quanto ao novo Tratado olvidando que hoje a sua opinião nas instâncias comunitárias é bem capaz de valer pouco mais que…. uma fatia de bolo rei.
Pegou na bússola e falou novamente de África… mas, ao que sei, ter-se-á esquecido de Mugabe, esse exemplo de democracia…
Bem, podia adicionar outros nomes mas fiquemos por aquele.
Que eu saiba também ninguém lhe conheceu o que pensa sobre a questão turca ou se conciliar necessidades económicas com olhares para o lado às “putinadas” faz bem à saúde.
Ficou-se, isso sim, a saber que acha a União Ibérica um disparate.
Falta é saber o que fez quando ocupava S. Bento para impedir a “OPA” que Espanha há muito iniciou sobre Portugal.
Não vai ser nada meiga a História para esta nossa rapaziada que desde 1974 nos transformou numa “jangada de pedra”.

13 comentarios:

Lampejo disse...

Quintino,

Um guerreiro você heim!?

Que poderia eu te dizer?

Apenas que estou inteiramente de acordo com o que você escreve....!

Muita força para você :)

(Um abraço Sincero (querido amigo)

o guardião disse...

Cavaco nunca será reconhecido como bom tribuno e dos seus discursos não rezará a história.
Sobre economia, talvez tenha algo a dizer, mas a dicção não ajuda e o pessoal avalia o estado da economia pelo ar que abunda nos seus bolsos, que é a melhor análise e a mais fiável.
Cumps

quintino disse...

Como bom tribuno, estamos de acordo.
Pela economia, pode-se-lhe reconhecer méritos mas o seu verdadeiro papel no desenvolvimento (?) do País ainda terá de ser analisado mais friamente.
Reconheço-lhe alguns méritos, mas também vislumbro ali muita falta de visão.

Tiago R Cardoso disse...

Parece-me que ninguém percebeu porque é que ele foi ao parlamento europeu.
Eu também no lugar dele, quando repara-se que os políticos estão a chegar de férias, também me punha a andar, só voltava quando lhes passa-se a energia.

adrianeites disse...

objectivamente falando cavaco deixou marcas muito positivas durante a sua governação..

goste-se ou não... é uma questão factual! os dados falam por si.. basta ler..

não tem o dom da palavra como outros mas esse não deve ser o principal adjectivo para caracterizar um politico...

ja agora admirei a sua atitude... não foi lá para fazer figura de corpo presente...

cp's

damularussa disse...

.."Desafiou a União Europeia a entender-se, durante a nossa Presidência.."

Pede-se entendimento na UE e no proprio País, onde é cada um por si?

Cumprimentos

quintino disse...

Caro Adrianeites, a questão é factual e isso não discuto.
O que questiono é apenas se aquele modelo de desenvolvimento económico foi o melhor ou se se poderia ter optado por outro.
O amigo que terá conhecimentos que eu não tenho na área também deve saber que a Campanha do Trigo do Estado Novo parecia ser uma excelente ideia e deu no que deu...

SIMPLESMENTE.... C disse...

ai, ai quando vamos apreender q políticos são os mesmo em qualquer lugar.
Nunca né

abracinhos...

Ema Norte disse...

Uma boa tarde.Quente.

Ema

antonio disse...

Não sabia que quem escrevia os discursos do Américo Tomás ainda estava no activo...

Este é o país na versão Estado Novo!

quintino disse...

António?

Zé Povinho disse...

"Um discurso recheado de banalidades, trivialidades e quejandos."
Caro Quintino, faltou o Bolo Rei apenas, para ser orador a que já nos habituamos.
Abraço do Zé

antonio disse...

No Estado Novo o presidente era uma figura secundária que se limitava a aparecer nos eventos e dizer umas quantas banalidades, pois se havia algo a dizer isso cabia a Socrates, peço desculpas, queria dizer a Salazar...