Ajudem-me, por favor: rio ou choro?

Um passeio visual e nocturno pelas páginas do meu jornal diário (o "Público")levou-me a ficar como o tolo no meio da ponte.
Para ali, para acolá, rio, choro…
E nem me vou meter no atoleiro que é o até agora ilustre desconhecido artigo 88º do Código de Processo Penal dado à estampa no Diário da República em pleno mês de Agosto. Para quem não sabe, este é o artigo que proíbe a divulgação de escutas telefónicas. Grosso modo.
Não, eu vou falar doutras coisas. Vou só transcrever umas partes do que ia vendo.
“Funcionários do PSD chamados ao Conselho de Jurisdição para esclarecer irregularidades quanto às quotas” – sem comentários senão ainda sou acusado de anti-PSD primário…
“Troca de seringas nas cadeias arranca dia 24” – as cadeias são do Estado, certo? O Estado, no seu todo, manda para a cadeia traficantes e consumidores de droga, certo? Então, vai-lhes dar seringas para quê? Estão todos diabéticos?
“Ministra situa abandono escolar nos 36%” – e está contente, Dra. Maria de Lurdes Rodrigues? Parece que está porque o número desceu 3%.
“Portugal paga metade do salário mínimo em França” – pronto, agora é que me vou.
Afinal, para tristeza já nos basta saber que Pavarotti se calou para sempre!

17 comentarios:

Jay Jay Jellyfish disse...

Vá dormir... beba um copo... ou então, olhe, ria!

Euzinha disse...

A melhor forma de combater o que nos faz tirar do sério é rir..
E rir sempre foi dito ser um bom exercicio para os musculos faciais.
E além de que detesto ver alguém chorar, pois fico solidária e eu gosto mesmo é de rir.
Beijinho
E.

Lampejo disse...

Quintino,

Me parece que essa tal “minis....tra” não tem noção do que fala.

Eu ainda prefiro rir de coisas boas, que não é o caso!


(a)braços.

al cardoso disse...

Realmente deprimente e va vontade de partir!
No que toca a drogas nas prisoes, se existe um lugar onde nunca deviam puder entrar era nas prisoes, caso se trabalha-se devidamente. Mas agora promoverem o comsumo so mesmo destes "xoxialistas"!!!

Um abraco do d'Algodres.

adrianeites disse...

o salário minimo é mesmo uma desgraça!

cp's

damularussa disse...

vamos rir-nos da nossa mediocridade, não vejo outra solução por parte dos mencionados.

Cumprimentos

Tiago R Cardoso disse...

Quintino,
é melhor rir, passar uma agradável tarde de verão com os amigos, beber umas cervejas, jogar umas cartas, enfim esquecer os jornais, porque a realidade, essa ninguém esquece.

C Valente disse...

Tudo isto é pior que bater na avó
está tudo louco
saudações amigas

SIMPLESMENTE.... C disse...

Eu ajudo, o que vc quer q eu faça?
Ministra que falar "medar"
não merece está onde estar.
abracinhos..

Ema Norte disse...

Bom fim de semana.

Bjos*

.:mÁrCiO:. disse...

Olá!
Vim agradecer os seus comentários no "Canto do Desconhecido"!!! É com agrado que recebemos a sua visita e partilha da sua opinião sobre os textos publicados!
Tenho visitado o seu blog com alguma frequência e apesar de os temas abordados me interessarem de certo modo, já as suas opinião são muito do contra! ;)
Abraço

DS disse...

Aconselho a ler banda desenhada para além do jornal diário, ajuda a descontrair!
O problema dos jornais é que consideram notícia tudo o que nos mina a moral!

antonio disse...

Quintino, ou emigramos, ou vamos emborcar uns copos até este país nos parecer decente...

Respondi-te ao teu comentário no "Razões de segurança", a respeito do PRN e que tais...

SILÊNCIO CULPADO disse...

Venho desejar-te um bom fim de semana e dizer-te que és um dos meus 10 nomeados para a corrente da amizade.

Carreira disse...

Pois é amigo Quintino, como eu o entendo. Também leio diariamente o Público e comungo das suas ideias. De facto Portugal é pródigo é notícias que nos deixam ainda mais intranquilos.

Carreira disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
migvic disse...

Olá, vim aqui parar através do blogue do silêncio culpado.

Quanto à troca de seringas, fica sabendo que a toxicodependência é uma doença tão ou mais grave do que os diabetes. Não é tão aceite pela sociedade pelas razões óbvias, mas não a podemos ignorar.

Por isso justifica a troca de seringas, para poder identificar os indivíduos e sabendo quem são, mais facilmente se faz o rastreio da entrada da droga e a recuperação do indivíduo em relação é doença.