Alegrem-se, (se calhar) vêm aí centros de Saúde privados

A ideia, a avaliar pelo embrulho, parece ser uma excelente prenda. Para os cidadãos.
Com efeito, o próximo ano, deverá ficar marcado pelo avanço dos centros de saúde de gestão privada. Entidades privadas, sociais ou cooperativas de médicos, entenda-se.
O objectivo é colmatar a falta de médicos de família pois estima-se que ainda há meio milhão de pessoas sem médico de família.
Reparem, por favor, no uso do “estima-se”. É um dom nacional isto de se achar que deve haver, que serão para aí, não tenho bem presente mas acho que…
Depois, e aqui entra cá o má-língua, se não há médicos no público como raio vão aparecer os mesmos para assegurar a coisa através do privado?
Os optimistas que criaram a ideia apontam os médicos aposentados como potenciais candidatos. Eu, por meu turno, junto outra possibilidade: os estudantes do curso de Medicina, não?
E para nos sossegar – especialmente a mim que já vislumbrava os senhores doutores a pensarem como poderiam conciliar as coisas e que, se calhar, até podiam encaixar as consultas no privado na hora do lanche público – até afiançaram que isto é um pequeno negócio.
Ah… pois… Quer dizer, eles criaram a ideia, mas parece que nem eles confiam nela!

2 comentarios:

Tiago R Cardoso disse...

Eu tenho bastante conhecimento do funcionamento de um hospital privado,
quando vejo um médico, como eu vi, ás 16.30 de uma quinta-feira, dizer que não vê mais ninguém, porque vai de férias, penso que está tudo dito.

quintino disse...

Amigo Tiago, ainda bem que há alguém que pensa como eu... Público? Privado? Há de tudo, há de tudo.
Como sabe, eu trabalho numa Câmara Municipal e conheço (quer dizer, conhecia antes deste corropio iniciado em 2002 de "limpar" os indesejáveis e aviar um emprego aos amigos) muitos dos funcionários que lá trabalham. Devo dizer-lhe que os há excelentes, bons, assim-assim, maus, péssimos... Por isso é que eu não sou dos que alinha nessa sacrossanta ideia que tudo o que é privado funciona melhor.
Aliás, podemos ter outro exemplo e termo de comparação e esse palpável: as auto-estradas concessionadas a privados são melhores que as públicas em quê? Nem nas estações de serviço, nem na sinalização... e nos preços tenho a ligeira impressão que as portagens são levemente mais oara cima....