Os assessores do Costa e os do Fernandes...

Juro que li. Penso que na edição da passada sexta-feira do “Público”.
António Costa, que saiu da Administração Interna para ir tentar ocupar o lugar de Presidente da Câmara de Lisboa, antecâmara das suas ambições futuras, terá entendido que precisava de quatro dos assessores que consigo trabalhavam no Ministério.
Pergunta: ele precisa mesmo deles ou será que são eles que precisam dele?
Sá Fernandes, o bloquista impoluto, com a queda do Executivo lisboeta, também se viu a braços com um problema adicional.
Teria dez (dez!!!!!) assessores de quem precisava e sem os quais não podia passar.
Candidatos diferentes, problema idêntico… solução igual: catorze novos assessores no Parlamento.
Quatro reforçaram o grupo parlamentar do PS e dez o do BE. Parece o início de época dos nossos clubes de futebol.
Aliás, a semelhança é bem capaz de ir ao ponto de, após a tomada de posse, haver “dispensados” nos plantéis do PS e do BE lá para os lados da Assembleia da República.
E, como se costuma dizer, parece que quem paga é o Fabiano!

4 comentarios:

Anónimo disse...

Costa 4 - Fernandes 10!
E ainda acusam o PS de 2jobs for the boys"...
Pelo que se vê, o Berloque de Esquerda dá um belíssimo exemplo.

Anónimo disse...

E a última do "Baixinho" Mendes vir acusar o segundo do Costa de interesses imobiliários?
Lá para os lados da Portela?
O Júdice deu-lhe dois dias para pedir desculpa. O Costa disse que o País (reparem: o País) exige explicações.
Comentários:
O Mendes é um "puto" traquinas que pensa que pode mandar uns "bitaites" sobre tudo, mandar umas "bocas" e nada lhe acontece...
O Costa acha mesmo que o País quer saber das "guerritas" em Lisboa?
Nós queremos mesmo é que os gajos se fodam!!!!

Anónimo disse...

O Guterres falou no pântano... mas isto está é uma choldra de primeira.

Arte da Pedra disse...

E que ingénua que eu sou... Pensava que o sr. Sá Fernandes era diferente.